A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Nematóides

Pré-visualização | Página 1 de 1

Características gerais: seres cilíndricos, que apresentam independente da sua condição 
de vida, uma estrutura funcional organizada e desenvolvida (independente da espécie 
eles apresentam cavidade bucal; esôfago; sistema digestório; sistema reprodutor 
masculino e feminino; anus terminais; estrutura copuladora e sistema receptáculo de 
gametas) 
Apresentam sexos separados, existe machos e femeas. 
 
 
 
 
 
 
 
→ Um quarto da população mundial está parasitada por helmintos. 
→ A distribuição das helmintoses intestinais no mundo: as áreas equatoriais e 
subequatoriais são as áreas de maior prevalência de helmintoses no mundo. 
→ Ascaris lumbricoides; Ancylostomideos e Trichuris trichuria, são os que mais 
parasitam, do maior para o menor respectivamente. 
 
ESTRUTURA 
 
Macho: Cápsula bucal, seguida de esôfago, 
tubo digestivo, cloaca, vesícula 
seminal/testículo ; espicula copuladora; 
apresenta extremidade posterior levemente 
espiralada; 
Fêmea: Cápsula bucal, seguida de esôfago, 
tubo digestivo, cloaca, ovário e vulva; 
ovoegetor; 
 
 
→ O único exemplo de hermafroditismo, temos na 
femea parasitada do Strongyloides storcolaris, o 
resto vemos macho e femea separados. 
 
 
EVOLUÇÃO 
Estes vermes passam por quatro estágios 
larvários – ovo eclode libera larvas, que passam 
pela fase, L1,L2,L3,L4 e dependendo da espécie, 
podemos ter mudanças de L1, L2, L3 ou L4 
dentro do ovo 
Ou o ovo libera direto a larva L2; L3 ou L4; ou 
ainda o ovo libera a larva dentro do organismo 
humano, e essa larva vai poder ser eliminada 
com as fezes ou pode ser infectante. 
→ Implicação dessas várias formas infectantes do parasito para nós como médicos: ao 
colher a história do paciente (se anda descalço, onde mora, condições de saneamento, 
hábitos de vida) saberemos/estimaremos qual a forma infectante do helminto que 
parasita o indivíduo (ou mais de um helminto – poliparasitismo) 
 
OVOS 
São diferentes em forma, estrutura e tamanho 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Tem diferença tbm quanto ao modo de vida do parasito, podendo ter de 2 a 3 
membranas. Que tbm tem ligação clinicoepidemiologica: 
Ascarys Trichuris Ancylostomideo 
A membrana interna é lipídica portanto hidrofóbica; a membrana quitinosa, proteica, 
que protege; e uma membrana externa que pode ou não estar presente dependendo 
da espécie 
Ascarys e Trichuris...: 3 membranas, ovos resistentes a intemperes, que podem se 
manter viáveis em um ambiente por até um ano ou mais. 
Implicação Epidemiológica: capacidade de dispersão no ambiente e contaminar 
pessoas a distância, além de durarem mais, e poderem contaminar mais pessoas em 
maior tempo. 
 
Ancylostomidoes, Enterobios...: 2 membranas, pouco resistente 
Implicação Epidemiológica: esses vermes tem capacidade de infectar rapidamente, se 
auto-infectar e infectar pessoas. 
 
TAMANHO 
Tbm varia muito. Podemos ter grandes e 
pequenos 
APARELHO DIGESTIVO 
O processo de captação dos nutrientes se da por 
um capsula bucal apical ate a eliminação de 
dejetos por uma cavidade anal. 
 
 
 
 
 
 
→ A cavidade bucal e a forma de captação de 
nutrientes variam de espécie para espécie: 
Nos ancylostomideos, varia de um para outro. 
B e C: ancylostomideos que naturalmente parasita 
humanos 
D e E: são ancylostomideos de animais domésticos 
Observamos em todos, por mais que seja diferente, todos tem as placas dentarias que 
eles utilizam para morder a mucosa intestinal. 
→ Eles ficam no intestino delgado. 
→ Ele morde o tecido e libera enzimas (o 
nematelminto que libera as enzimas?) que vão 
liquefazendo o tecido, e ele absorve esse tecido 
até atingir os vasos sanguíneos, para ele absorver 
sangue 
TABELA: 
Ascarys: habita a luz do intestino delgado; ele não 
se fixa a mucosa, ele fica livre e absorve nutrientes 
e microorganismos do bolo alimentar 
Enterobius: habita o intestino grosso e exerce o mesmo mecanismo na captação de 
nutrientes que os ascarys. 
Ancylostomas: estes vivem na luz do intestino delgado, eles se fixam, mordem a 
mucosa, dilacerando o tecido e liquefazendo ele, absorvendo os nutrientes 
Trichuris: na luz intestinal do intestino grosso; ele mergulha na mucosa, e promove 
uma histólise – lise de tecidos, absorvendo esse material liquefeito junto com sangue 
Filária/ Strongyloides/larvas de nematelmintos..: na mucosa ficam hidrolisano e 
absorvendo nutrientes de mucosas. 
 
→ Diferentes mecanismos de entrada e habitat no hospedeiro humano: 
- Ingestão de ovo com larva infectante 
- Larva infectante 
- Por meio de insetos vetores 
- Penetram através da pele, são larvas maduras suficiente para penetrar na pele 
Cada um tem seu habitat 
natural: 
- Ascarys: intestino delgado 
Enterobius: intestino grosso 
- Alguns no fígado e pulmão 
- Filarias teciduais 
-Filarias linfáticas 
 
 
→ Muitos deles vivem livres na luz intestinal 
→ Alguns interagem com a mucosa por meio de: lecitinas, glicoconjugados, cisteino-
protyeinases 
a) Diretamente com o epitélio, na superfície ou interiorizando-se neste 
b) Penentrando entre as microvilosidades, podendo atingir a SUBMUCOSA, 
LAMINA BASAL, ou CORRENTE SANGUINEA 
 
 
Temos um padrão de resposta imunológica, que reconhece moléculas imunogênicas; 
Antígenos parasitários são reconhecidos pelas APC que ativam tipos de respostas: B 
linfócitos (articorpos); T linfócitos (ações citotóxicas); mielócitos (inflamação) 
Tudo isso com o mecanismo de combater parasitos 
→ Só que os parasitos desenvolveram mecanismos de driblar esse sistema imune 
Contra anticorpo: variação antigênicas que confunde o sistema imune; mimetizam um 
antígeno que o sistema imune passa a não ver como um antígeno; faz um 
compartilhamento de antígenos, com isso ele desequilibra a resposta 
Contra linfócito T – citotoxicidade: parasitos promovem uma imunossupressão (baixa, 
mas faz); bloqueai ação de anticorpos, e promove uma confusão na resposta imune 
Contra inflamação: alguns helmintos como os ascarys é capaz de produzir um processo 
anti-inflamatório.