Disciplina: Análise de dados Aula 1: Indústria 4.0
15 pág.

Disciplina: Análise de dados Aula 1: Indústria 4.0


DisciplinaAnálise de Dados860 materiais902 seguidores
Pré-visualização4 páginas
Disciplina: Análise de dados
Aula 1: Indústria 4.0
Apresentação
Os avanços tecnológicos estão provocando alterações signi\ufffdcativas na atividade industrial. A robótica, a digitização, a
internet das coisas e a inteligência arti\ufffdcial são exemplos de tecnologias que estão mudando a maneira das indústrias
competirem e agirem, alterando as bases de muitos setores.
Dentre essas tecnologias, a digitização pode soar desconhecida. A\ufffdnal, o que digitização? Essa tecnologia transforma os
processos de uma empresa no mais digital e automatizado possível. Por exemplo, as etapas de um processo de vendas,
desde o pedido à entrega, estarão em um ambiente digital e os recursos digitais transformarão dados em informações
disponíveis para as melhores tomadas de decisão (CIO, 2018).
Essa tecnologia prevê a integração entre sistemas com qualquer máquina/equipamento; sistemas com as pessoas e
sistemas com outros sistemas. É uma integração de processos, sistemas, dados e pessoas (2A+FARMA).
A velocidade com que esses avanços ocorrem provocam mudanças em todos os setores industriais, alterando expectativas
e comportamentos de produtores, fornecedores e consumidores (PWC, 2016).
Estas mudanças tecnológicas sugerem o início de uma quarta revolução industrial, também conhecida como Indústria 4.0,
que trará impactos diversos, como ganhos de produtividade, substituição do trabalho por capital e retornos crescentes de
escala. Com isso, é importante compreender o conceito de Indústria 4.0 e suas tecnologias e analisar como o Brasil está se
preparando para acompanhar essa nova revolução industrial.
Objetivos
Descrever um breve histórico das quatro revoluções industriais;
Demonstrar o conceito de Indústria 4.0 e a posição do Brasil nesse novo cenário;
Identi\ufffdcar as principais tecnologias da Indústria 4.0.
Breve histórico
Antes de apresentarmos o conceito de Indústria 4.0, vamos fazer um breve histórico das três revoluções industriais ocorridas
anteriormente.
1760-1830 \u2013 1ª Revolução Industrial
Marcou o ritmo de transição da produção
manual à mecanizada. A mecanização da
indústria têxtil é um dos casos mais conhecidos.
1850 \u2013 2ª Revolução industrial
Trouxe a eletricidade e permitiu a manufatura em
massa. Podemos citar como exemplo a linha de
montagem de Henry Ford.
Meados do séc. XX \u2013 3ª Rev.
Industrial
Chegada da eletrônica, da tecnologia de
informação e da telecomunicação, que
permitiram automatizar tarefas mecânicas e
repetitivas.
Atualmente \u2013 4ª Rev. Industrial
Também conhecida como Indústria 4.0, a quarta
Rev. Industrial traz a tendência de automatização
total das fábricas por meio de sistemas cyber-
físicos, que foram possíveis graças à internet das
coisas e à computação na nuvem.
\ue412 Histórico das revoluções industriais. (Fonte: Indústria 4.0 <//www.industria40.gov.br> )
\ue412 (Fonte: Jenson / Shutterstock).
Indústria 4.0
O termo \u201cIndústria 4.0\u201d é aplicado a um grupo de transformações rápidas em design, manufatura, operação e serviços de
sistemas de manufatura e produtos.
De acordo com a chanceler alemã Angela Merkel, em seu discurso na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento
Econômico (OECD), em 2014, a Indústria 4.0 é:
1
\uf10d
a transformação abrangente de toda a esfera da produção industrial através da fusão da
tecnologia digital e da internet com a indústria convencional
Fonte: THE FEDERAL GOVERNMENT, 2014.
Ou seja, tudo dentro e em torno de uma operação de manufatura (fornecedores, planta, distribuidores e mesmo o próprio produto)
está conectado digitalmente, fornecendo uma cadeia de valor altamente integrada (EUROPEAN PARLIAMENTARY RESEARCH
SERVICE, 2015).
A Indústria 4.0 é um conceito baseado em internet das coisas (IoT) e Sistemas Cyber-
Físicos (CPS). A ideia principal é a conexão da internet com equipamentos relevantes . Os
elementos na Indústria 4.0 devem ser capazes de tomar autodecisões e operar de forma
independente e inteligente. A Indústria 4.0 também se refere à digitalização da cadeia de
valor, gerando a interconexão de pessoas, objetos e sistemas, mudando dados em tempo
real.
2
Uma aplicação prática dos sistemas cyber-físicos no ambiente de fabricação: os CPSs auxiliam na melhoria dos processos
compartilhando informações em tempo real entre máquinas industriais, cadeias de fornecimento de fabricação, fornecedores,
sistemas de negócios e clientes.
http://www.industria40.gov.br/
http://estacio.webaula.com.br/cursos/go0022/aula1.html
http://estacio.webaula.com.br/cursos/go0022/aula1.html
Os CPSs também podem melhorar esses processos por meio de automonitoramento e controle de todos os processos de
produção e pela adaptação da produção para atender às preferências dos clientes. Eles também fornecem um grau maior de
visibilidade e controle sobre as cadeias de fornecimento, melhorando a rastreabilidade e a segurança das mercadorias.
Exemplo
Vamos analisar como os CPSs podem ser utilizados em ambientes de saúde, de prédios inteligentes e de transporte:
Ambientes de saúde: são usados para monitorar em tempo real e remotamente as condições físicas de pacientes ou melhorar
tratamentos para pacientes inválidos e idosos (IBM, 2015).
Ambientes de prédio inteligentes: dispositivos inteligentes e CPSs interagem para reduzir o consumo de energia, aumentar a
segurança e a proteção e aumentar o conforto dos moradores. Com CPSs, é possível ativar o uso de sistemas de monitoramento
e controle de energia, o que ajuda a obter prédios de energia zero e a prevenir falhas estruturais (IBM, 2015).
Ambientes de transporte: a infraestrutura, juntamente com veículos individuais, pode se comunicar internamente, compartilhando
informações em tempo real sobre tráfego, localização ou eventuais problemas, ajudando a prevenir acidentes e
congestionamentos, aumentando a segurança e, consequentemente, economizando tempo e dinheiro (IBM, 2015).
A Indústria 4.0 trará impactos diversos, como ganhos de produtividade, redução de custos (em manutenção de máquinas e
consumo de energia), controle sobre o processo produtivo, customização da produção, dentre outros.
Na sua opinião, o Brasil está preparado para acompanhar essa quarta revolução industrial?
De acordo com especialistas, a indústria brasileira se encontra, na sua maioria, na transição da Indústria 2.0 (linhas de montagem
e energia elétrica) para a Indústria 3.0 (automação através da eletrônica, robótica e programação).
A implementação da Indústria 4.0 nas indústrias brasileiras gera uma série de desa\ufffdos, como obter políticas estratégicas
inteligentes, incentivos e fomentos por parte do governo; reunir empresários e gestores da indústria com visão, arrojo e postura
proativa; dispor de desenvolvimento tecnológico e formação de pro\ufffdssionais altamente quali\ufffdcados por parte das instituições
acadêmicas e de pesquisa, preferencialmente em grande proximidade com a indústria (SISTEMA FIRJAN, 2016).
A partir de amplo debate com o setor produtivo brasileiro, liderado pelo MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e
Comércio Exterior), em parceria com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), foi lançada no Fórum Econômico
Mundial (2018) uma agenda estruturada em etapas, seguidas de acordo com o grau de maturidade ou necessidade de cada
empresa, com o objetivo de contribuir para a transformação das empresas em direção à Indústria 4.0 (MDIC, 2018).
De acordo com MDIC (2018), as medidas presentes na agenda são:
\ue913Clique nos botões para ver as informações.
Por meio de campanha permanente de comunicação, com ações em mídia espontânea, redes sociais e internet. Além disso,
serão realizados seminários e workshops para disseminação dos conceitos.
1ª medida: divulgação dos conceitos de Indústria 4.0 \uf078
Que permite que a empresa faça uma autoavaliação de seu grau de maturidade em relação à jornada para a Indústria 4.0.
2ª medida: plataforma de autoavaliação 4.0 \uf078
Uma ferramenta que, integrada à plataforma de autoavaliação, permitirá à empresa se conectar aos provedores de
tecnologia como uma das etapas fundamentais para a digitalização