A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
amálgama

Pré-visualização | Página 1 de 2

É um tipo especial de liga em que um dos componentes é o mercúrio. 
 
1. COMPOSIÇÃO 
 
COMPONENTES % EM PESO 
Prata 67,0 a 70,0% 
Estanho 25,3 a 27,7% 
Cobre Até 6% (conv.) Até 30% (alto teor de Cu) 
Zinco Até 1% 
Ouro,Índio e Mercúrio Adicionados em pequenas concentrações 
 
• Ag - Dureza (resistência a compreensão ), resistência à corrosão. 65% no mínimo. 
 A prata contribui para o aumento da resistencia da restauração, além da resisntencia á corrosão. 
• Sn - Reduz expansão de presa durante cristalização.29% no máximo. 
O estanho tem a função de auxilar na redução da expanção da prata 
• Cu - Semelhante a Ag. 6% de cobre. 
O cobre contribui para o aumento da resistência do amálgama, diminuindo a corrosão. 
• Zn - 0,01% 
O zinco atua como agente desoxidante durante a fusão da liga. 
• Hg - Misturada a liga para formar massa plástica. Promove aumento de expansão e toxicidade. 
 
 
 
 
2. FABRICAÇÃO DA LIGA 
 
 *Obtenção do lingote -> Homogeneização -> Produção do pó -> Envelhecimento - > Recozimento 
 - Para fabricar um pó de liga de amálgam é necessário fundir os componentes da liga juntos, na forma de um 
lingote 
• OBTENÇÃO DO LINGUOTE 
Componentes da liga são colocados em forno especial impedindo vaporização ou queima excessiva dos 
metais. 
• HOMOGENEIZAÇÃO 
Os lingotes são colocados em forno e aquecidos a temperatura de 400 a 425°C por 24 horas. 
 
 
 
• PRODUÇÃO DO PÓ 
O lingote é colocado em um torno ou fresa e reduzido a partículas pequenas. Para obter ligas esferoidais 
os componentes são aspergidos em uma atmosfera de gás inerte, onde se solidificam sob a forma de 
micro esferas. 
• ENVELHECIMENTO/ RECOZIMENTO 
Assegura um produto estável quando colocado a 100°C 
 
• AMÁLGAMA CONVENCIONAL : 3 FASES PRINCIPAIS - Fase gama (Ag3Sn)/ Fase gama 1 (Ag2Hg3 )/ Fase 
gama 2 (Sn7Hg8 ) 
 
• CARACTERÍSTICAS DO AMÁLGAMA RICO EM 2: Pequena resistência a compressão/ Grande 
escoamento/ Fratura marginal/ Corrosão acentuada. 
 
3. ALTO CONTEÚDO DE COBRE (>6%) 
 
 
• FASE DISPERSA 
 - São apresentadas como partículas dispersas (70% limalha e 30% do eutético Ag-Cu em esferas) 
 - Eutético : Ag – 71,9% Cu – 28,1% 
 
• FASE UNICA 
 - São partículas esferoidais com a mesma composição química. 
 - % em peso : Ag – 60% Sn – 27% Cu – 13% 
 
4. TIPOS DE LIGAS PARA AMÁLGAMA 
 
A) Ligas com baixo conteúdo de cobre: menos que 6% em peso, ligas de forma irregular. 
 
 B) Ligas com alto conteúdo de cobre: maior que 6% em peso, divididas em: 
 
B1) Ligas de fase dispersa: Mistura de liga usinada com baixo conteúdo de cobre e esférica com alto 
conteúdo de cobre. 
 
 B2) Ligas de fase única ou composição única: apenas liga esférica alto conteúdo de cobre. Compostas 
por prata, estanho e cobre; também chamadas ligas ternárias. 
 
• Quanto ao Conteúdo de Zinco: 
A) Ligas sem zinco:  0,01% em peso 
 
B) Ligas com zinco:  0,01% em peso. Relacionado a “ expansão tardia ” : Liberação de hidrogênio da 
reação entre a água e o zinco. 
 
5. TIPOS DE PARTICULAS: 
 
- Convencional: em forma de limalha grossa, fina e extra fina 
 
- Esferoidal: em forma de esferas ou ovais 
 
• VANTAGENS: Longa duração / Selamento marginal / Resistência a compressão / Baixo custo 
 
• DESVANTAGENS: Estética pobre / Toxidade do mercúrio / Corrente galvânica / Manchamento e 
corrosão / Manchamento do dente. 
 
 
 
6. PROPRIEDADES 
 
Alteração dimensional/ Resistência/ Escoamento 
 
A) Resistência a compressão: alta resistência porém com baixa resiliência (grande parte do esforço 
mastigatório é transmitido para as estruturas dentais) Ligas de composição única: 250 MPa Ligas 
usinadas ou convencionais:45- 80 Mpa 
 
B) Resistência à tração: baixa resistência Ligas de composição única: 75 a 175% maior que outros tipos 
de liga. Preparos cavitários que minimizam esse esforço. 
 
 C) Creep: escoamento sobre força de compressão Alto creep apresentam degradação marginal 
 
D) Corrosão: depende do conteúdo de cobre. Provocam um “ auto - selamento ” da restauração. 
Excesso de corrosão pode ocasionar porosidades, diminuir a resistência, liberação de produtos 
metálicos. 
 
• FALHAS DAS RESTAURAÇÕES DE AMÁLGAMA: Alteração dimensional expansão tardia contração/ 
Desintegração marginal 
 
7. TEORIA DA ALTERAÇÃO DIMENSIONAL 
 
- O corpo de prova nos primeiros 20 minutos sofre contração e depois tende a expandir. 
- A contração resulta a medida que as partículas se dissolvem e cresce o gama 1. 
- A expansão ocorrerá quando colidirem os cristais de gama 1 e se existir mercúrio líquido presente. 
 
• CONTRAÇÃO: 
Significância clínica : não há 
Mensuração visual : difícil (Especificação n° 1 da A.D.A. : limite de 20m para alteração dimensional) 
 
• INFLUÊNCIA DA CONTAMINAÇÃO POR UMIDADE: 
 Se um amálgama que contém zinco for contaminado durante a trituração ou condensação, resultará em uma 
expansão. 
 
• EXPANSÃO TARDIA: 
 
Frequência : 16,6% das falhas. 
 
Causas : contaminação pela umidade de amálgamas com Zn. 
 
Conseqüências : sensibilidade dolorosa, protusão da restauração e fraturas nas margens. 
 
8. AMÁLGA E Zn 
 
• LIGAS DE AMÁLGAMA COM Zn 
 
VANTAGENS : Maior plasticidade a liga / Função anti-oxidante durante a usinagem / Melhor 
integridade marginal e maior tempo de duração 
 
 DESVANTAGENS : Defeitos associados à expansão tardia 
 
 
 
 
• LIGAS AMÁLGAMA SEM Zn 
 
Indicação: áreas onde é impossível deixar seca a região a ser restaurada. 
 
Técnica: condensação realizada em grandes incrementos. 
 
9. RESISTÊNCIA 
 
A compressão durante a 1ª hora deve ser no mínimo 80 Mpa (especificação n° 1 da A.D.A.) 
 
Pode sofrer influencia de : trituração / conteúdo de mercúrio / condensação / porosidade / velocidade 
de endurecimento 
 
10. ESCOAMENTO 
 
• Teste de escoamento : 
 
- Amostras armazenadas 37 +/- 1°C por 7 dias → medir comprimento da amostra. 
- Aplicar sobre a amostra força de 36 Mpa por 4 horas a 37 +/- 3°C → conforme A.D.A. amálgama 
pobre em cobre varia de 0,8 a 8,0% 
 
• INFLUÊNCIA DA ESTRUTURA MICROSCÓPICA NO ESCOAMENTO 
 
- Os índices de escoamento aumentam com frações volumétricas maiores de gama 1. 
- O gama 2 puro apresenta índice de escoamento maior que gama 1 puro. 
 
• INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS DE MANIPULAÇÃO SOBRE O ESCOAMENTO 
 
- Índice de escoamento de amálgama pode ser modificado alterando-se : - tempo de trituração 
- pressão de condensação OBS : demora entre a trituração e a condensação →  escoamento 
 
11. DESINTEGRAÇÃO MARGINAL 
 
• Conceito : aparecimento de solução de continuidade nas margens da restauração. 
 
• Causas : preparo cavitário impróprio, excesso de Hg e escoamento (“Creep”). 
 
• Conseqüências : aparecimento de cáries secundárias. 
 
12. CORROSÃO 
 
- Metal deteriora por reação com o ambiente : Umidade / Atmosfera / Soluções ácidas e alcalinas / 
Agentes químicos 
 
- Pode ser causada no amálgama dentário por : Alimentos contendo enxofre / Componentes da saliva 
: Água Oxigênio Íons cloreto ácidos 
 
- CORRENTE GALVÂNICA : Metais dessemelhantes / Meio úmido (saliva + eletrólitos) / Par elétrico com 
diferença de potencial / Ex : restauração de ouro contato com amálgama. 
 
 
 
13. Hg EM AMÁLGAMA 
 
• IMPORTÂNCIA DO Hg NA RESTAURAÇÃO DE AMÁLGAMA 
 
- Formação de uma massa plástica 
- Influencia nas propriedades físicas e mecânicas do amálgama 
 
• PROCESSOS PARA REDUZIR A QUANTIDADE DE Hg DEIXADA NA RESTAURAÇÃO 
 
- Remoção da porção superficial rica em Hg de cada incremento de amálgama. 
- Diminuição da relação original Hg/liga (Técnica do Hg mínimo) 
- Remoção do Hg com camurça antes da inserção do material. 
 
• RESTAURAÇÃO DE AMÁLGAMA COM EXCESSO DE Hg 
 
- Conseqüências : restauração com mais fragilidade / mais susceptível a corrosão 
- Variação dos resultados conforme o tipo de liga utilizada : liga com baixo conteúdo de Cu / liga com 
alto conteúdo