A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
206 pág.
livro Processo de Exportação e Importação

Pré-visualização | Página 16 de 50

e facilitação dos processos de comércio 
exterior.
FONTE: Adaptado de Lopez e Gama (2007, p. 194)
Acabamos de observar as diversas ferramentas que o Estado possui para 
normatizar, formalizar e incentivar o comércio exterior do país. Sem este apoio 
seria ainda mais difícil para as empresas brasileiras se inserirem no comércio 
internacional. Comparado aos demais países, percebemos que as empresas 
possuem uma abertura comercial e incentivos bem mais amplos que aqui no Brasil, 
contudo, muita coisa favorável vem se fazendo e poderia se fazer ainda mais.
Como o Estado pode oferecer esses mecanismos e ferramentas de apoio 
às empresas atuantes internacionalmente? Por meio das entidades do governo 
criadas especificamente para isso, como vamos estudar na continuação.
46
UNIDADE 1 | A IMPORTÂNCIA DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES NO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL
4 PRINCIPAIS ENTIDADES PÚBLICAS ATUANTES NO 
COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL
Em qualquer Estado moderno, não há um único órgão com função 
específica na área de comércio exterior, e no Brasil não é diferente. No caso do 
Estado brasileiro, o governo não possui um só ministério atuante no comércio 
exterior, é toda uma equipe de entidades públicas federais que fazem parte das 
necessidades do comércio exterior brasileiro. Essa equipe de entidades públicas 
é liderada pela Câmara de Comércio Exterior (CAMEX). A seguir podemos 
observar o organograma dos órgãos do governo responsáveis pelo comércio 
exterior do país.
FIGURA 4 - ORGANOGRAMA DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO
Presidência
da República
Ministério
da Fazenda
ANVISA
MAPA
Órgãos
Anuentes
CAMEX
MRE
DECEX
DECOM
DECOC
DEINT
DEPLA
BACEN
Receita
Federal
Ministério
da Defesa
SECOMS
MDIC
SECEX
FONTE: <http://sonarconsultoria.com.br/blog/orgaos-intervenientes-no-comercio-exterior/>. 
Acesso em: 18 fev. 2016.
Observamos que é uma equipe de instituições públicas que faz parte do 
comércio exterior brasileiro. Equipe que abrange uma série de órgãos e ministérios 
de diversas áreas de atuação. Estas entidades podem ser classificadas em dois 
grandes grupos: órgãos gestores e órgãos anuentes. Todas estas entidades são 
subordinadas à Presidência da República por meio da Câmara de Comércio 
Exterior (CAMEX).
TÓPICO 3 | DINÂMICA DA POLÍTICA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR
47
4.1 ÓRGÃOS GESTORES
São entidades responsáveis por efetuar o controle e a gestão operativa 
do comércio exterior brasileiro, com base nas regras e normativas existentes. O 
principal órgão gestor é a Câmara de Comércio Exterior (CAMEX), seguida pelos 
ministérios de Indústria e Comércio Exterior, Ministério do Desenvolvimento 
(MDIC),	Ministério	das	Relações	Exteriores	(MRE)	e	Ministério	da	Fazenda. A 
seguir, vamos estudar suas atribuições em função das necessidades operativas da 
execução do comércio exterior brasileiro.
4.1.1 Câmara de comércio exterior (CAMEX)
Esta entidade pública é o principal órgão do Estado que comanda as 
políticas e estratégias de gestão do comércio exterior brasileiro. A CAMEX é a 
câmara de conselho do governo que possui atribuições de desenhar e fazer 
políticas públicas que têm influência direta nas atividades de comércio exterior 
como um todo. Suas decisões não são restritas às operações exclusivas de um 
só ministério, mas de um conjunto de entidades públicas, ou seja, a CAMEX é 
um órgão de conselho com atividades interministeriais, e quem faz parte deste 
conselho são todos os ministérios, representados pelos seguintes ministros:
Ministros atuantes na CAMEX
• Chefe da Casa Civil da Presidência da República.
• Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, que o 
presidirá.
• Ministro das Relações Exteriores.
• Ministro da Fazenda.
• Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão.
• Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
• Ministro do Desenvolvimento Agrário.
Sendo que o órgão de deliberação superior e final da Camex é o 
Conselho de Ministros.
FONTE: Adaptado de CAMEX (2016)
Como podemos observar, a CAMEX é a entidade pública mais importante 
do comércio exterior brasileiro, com vínculo direto à Presidência da República. 
Este órgão foi criado no ano de 1995 e, como já foi exposto acima, é composto 
por um Conselho de Ministros, possuindo uma Secretaria Executiva com uma 
série de atividades e medidas importantes. Hoje, nenhuma medida relevante que 
tenha impacto direto ou indireto ao comércio exterior brasileiro pode ser editada 
sem antes ter sido discutida e decidida pela CAMEX. 
Atribuições	e	competências	da	CAMEX
48
UNIDADE 1 | A IMPORTÂNCIA DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES NO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL
1. Definir diretrizes e procedimentos relativos à implementação da política 
de comércio exterior visando à inserção competitiva do Brasil na economia 
internacional.
2. Estabelecer as diretrizes para as negociações de acordos e convênios relativos 
ao comércio exterior, de natureza bilateral, regional ou multilateral.
3. Orientar a política aduaneira, observada a competência específica do 
Ministério da Fazenda.
4. Formular diretrizes básicas da política tarifária na importação e exportação 
em concordância com a TEC do Mercosul.
a) Fixar as alíquotas do Imposto de Exportação.
b) Fixar as alíquotas do Imposto de Importação.
Fixar direitos antidumping e compensatórios, provisórios ou definitivos, 
e salvaguardas.
FONTE: <www.comexblog.com.br/importacao/a-estrutura-do-comercio-exteriorbrasileiro>. 
Acesso em: 19 fev. 2016.
Como podemos perceber, a CAMEX possui uma série de atividades que 
impactam tanto nas estratégias das empresas no momento em que estas desejam 
exportar ou importar, como nos processos de exportação e/ou importação. No 
entanto, de quem dependem as decisões das atividades da CAMEX?
Quem possui o poder da tomada de decisão na CAMEX é o órgão de 
discussão superior, o Conselho de Ministros. Essas decisões são executadas por 
meio da Secretaria Executiva (SE), do Comitê Executivo de Gestão (GECEX), do 
Comitê de Financiamento e Garantia às Exportações (COFIG) e do Conselho 
Consultivo do Setor Privado (CONEX). Por meio da CAMEX pode-se atingir as 
seguintes grandes diretrizes do comércio exterior brasileiro:
• Política de comércio exterior, a qual define como o país deseja atingir seus 
objetivos comerciais internacionais.
• Medidas protecionistas ou abertura comercial, por meio destas medidas, o Brasil 
pode se tornar mais protecionista (visando proteger suas indústrias), ou pode se 
tornar uma economia mais aberta e deixar a sua indústria afrontar a competitividade 
internacional. Essas medidas podem ser alcançadas por meio de:
o alteração de alíquotas dos impostos de importação e medidas antidumping;
o implementação de barreiras não tarifárias, tais como barreiras técnicas 
(certificados de qualidade), sanitárias, ecológicas, e subsídios;
o desregulamentação do comércio exterior;
o estímulo ao seguro de crédito e às exportações.
• Criação de áreas específicas de comércio exterior, tais como as áreas com 
regimes especiais.
• Promoção de bens e serviços brasileiros no exterior, fazendo uma análise dos 
bens e serviços em que o país é competitivo.
• Orientações de parâmetros a serem negociados em acordos internacionais, 
perante interesses internacionais sobre algum produto. Exemplo: tanto Brasil 
TÓPICO 3 | DINÂMICA DA POLÍTICA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR
49
como Argentina devem negociar acordos favoráveis para a exportação de soja.
• Avaliação das ações diretas e indiretas de comércio exterior praticadas pelos 
órgãos, aqui é feita uma análise das competências, eficiência e eficácia dos 
órgãos atuantes nesta área.
Podemos ver que a CAMEX tem uma série de atividades de grande 
impacto e importância nas atividades de comércio exterior. Assim, é importante 
para as empresas que estão ativas no comércio internacional estarem atualizadas 
sobre as decisões da CAMEX. Muitas destas decisões podem alterar as estratégias 
empresariais e os processos de exportação e/ou importação em andamento.
No

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.