A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
25 pág.
FARMACOLOGIA DOS ANTIDEPRESSIVOS

Pré-visualização | Página 3 de 5

se você tem uma falta ela age como agonista, por 
isso ela tem um papel interessante no controle de ansiedade. 
Antagonista/agonista parcial serotonérgico 5HT1A 
⌐ Efeito dual 5HT na ansiedade; 
 Pouca sedação/hipnose; 
 Não prejudica a memória- bom para pessoas 
 Perfil indesejado tolerável; 
 Latência de 21 dias (BZD?)- ou seja, demora à fazer efeito, para regular a expressão 
alterada de receptores serotoninérgicos. 
 
Bom para Ansiedade generalizada; 
 Bom para Ansiedade com depressão​. 
Efeitos indesejados 
⌐ Náuseas, vômito, fome, diarreia ou 
constipação, tontura, cefaleia, fadiga, 
inquietação (↑ansiedade); 
 
 BEATRIZ GURGEL-MEDICINA-UFMS 
 
 
Farmacologia-BBPM 4 
 
 
FARMACOLOGIA DOS ANTIDEPRESSIVOS  
 
 ↓Sedação; 
 ↓Efeitos motores; 
 Sem tolerância e dependência! 
 Melhor tolerado que BZDs! 
 
 
4. BASES NEUROTRÓFICAS 
 
 
 
Foi observado que pacientes com depressão tem atrofia. Adicionalmente a isso com 
estudos mais refinados, foi visto que esses pacientes têm uma redução em fatores 
neurotróficos como o fator neurotrófico derivado do cérebro BDNF, isso reduziria a 
plasticidade neuronal e a neurogênese. 
Entre várias outras funções que seriam= modificações em circuitos neuronais, ou seja, 
capacidade do nosso circuito neuronal em criar novas sinapses, alterasse a sua arborização 
estabelecer novas comunicações, ou seja, nosso sistema nervoso em ser maleável e a 
neurogênese que é a capacidade de novos neurônios surgirem. 
A gente sabe hoje em dia mesmo em adultos a gente tem células não diferenciadas em 
algumas regiões do encéfalo, e as células estão constantemente sofrendo diferenciação 
para neurônios de maneira fisiológica. 
 
 BEATRIZ GURGEL-MEDICINA-UFMS 
 
 
Farmacologia-BBPM 4 
 
 
FARMACOLOGIA DOS ANTIDEPRESSIVOS  
 
Mas isso acontece normalmente diversos motivos incluindo aumento de estresse que 
levam aumento de cortisol que é neurotóxico como eu já falei e também aumento de 
glutamato também é neurotóxico. Em concentrações aumentadas, você teria uma redução 
do BDNF, plasticidade, neurogênese, o que poderia causar alterações à longo prazo. 
Foi observado que antidepressivos após um tratamento crônico, normalizam uma 
neurogênese que é deficiente. 
Glicocorticoide redução de monoaminas ou excesso de glutamato reduziriam a presença do 
bdnf ou Impacto arborização redução dos botões sinápticos e número de células né 
pensando em neurogênese quando você tem um tratamento com antidepressivo você 
aumentaria níveis de bdnf denomina reduzir o impacto de perdão e você restabeleceria 
alterações plásticas né e botou sinápticos arborização e número de neurônios tranquilo. 
 
 
INTERVENÇÕES E TRATAMENTOS 
 
Sao os fármacos de primeira escolha para... 
 Transtornos depressivos; 
 Transtorno bipolar (mania/depressão)- são associados com estabilizadores de humor. 
 Transtornos de ansiedade (TOC/PTSD); 
 Transtornos alimentares; 
 
 BEATRIZ GURGEL-MEDICINA-UFMS 
 
 
Farmacologia-BBPM 4 
 
 
FARMACOLOGIA DOS ANTIDEPRESSIVOS  
 
 Dor crônica ou neuropática; 
⌐ Prevenção/recuperação em AVE (?)- ainda estão em estudos. 
⌐ Transtornos do sono, dependência, disfunções sexuais… 
 
Estigma, subdiagnóstico e entraves sociais (↓adesão)- tabus com relação às doenças 
psiquiátricas. 
 Pacientes refratários ao arsenal atual (30-40%); 
 Severidade e duração dos episódios predizem ↓eficácia; 
 Tratamento deve ser crônico (> 2 anos); 
 
 
Eficácia e limitação dos antidepressivos 
⌐ Eficácia similar em todas as classes; 
- Agravamento inicial dos sintomas= efeitos paradoxais 
- Latência para efeito terapêutico (2 a 4 semanas)- demora para efeitos terapêuticos. 
-Não é incomum utilizar nas primeiras semanas, de efeitos paradoxais, o uso de BZD para 
diminuição dos efeitos iniciais. 
-Ajuste de dose empírico e “sutil”- mesmo tendo doses preconizadas, alguns pacientes 
precisam de ajustes graduais e esses ajustes são sutis e podem frustrar o paciente, até 
encontrar o medicamento ideal. 
 
 ↑Risco de suicídio a curto prazo (< 25 anos)- algumas regioes como cortex pre frontal, 
demoram mais à maturar e podem ser decisivos em pacientes mais jovens. 
 ​x​ 50% mantém sintomas depressivos; 
 x​ Síndrome de retirada com tratamento longo (neuroadaptação). 
- Desmame gradual- pode ser vista como dependência. 
 
 
RACIONAL FARMACOLÓGICO 
↑[monoaminas] crônico e restabilização vias de transmissao que estao alteradas 
(homeostática). 
4 classes principais 
⌐ Inibidores da monoamina-oxidase (iMAO);-1a geração 
⌐ Antidepressivos tricíclicos (ADT);- 1a geração 
⌐ Inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS); 
⌐ Antidepressivos “atípicos” (com ação “diversa”). 
 
 
 BEATRIZ GURGEL-MEDICINA-UFMS 
 
 
Farmacologia-BBPM 4 
 
 
FARMACOLOGIA DOS ANTIDEPRESSIVOS  
 
 
 
 
1. INIBIDORES DA MAO 
 
Principal enzima de degradação de monoaminas (dopamina, serotonina e 
noradrenalina). Ela está principalmente ligada a membrana da mitocôndria por isso 
em um modelo de sinapse ela fica na pré sinapse, e onde tem mais mitocôndrias. 
Outras enzimas como a COMT (catecol-o-metiltransferase) também degrada 
catecolaminas, mas ela não tem uma relevância tão grande por isso ela não é 
explorada na depressão. 
 Então a ideia aqui é: bloqueando a MAO, acaba “sobrando” mais na fenda sináptica. 
 Então qual que é o alvo farmacológico? a MAO. 
Qual que é o mecanismo de ação? inibição da enzima. 
OBS: no tratamento de Parkinson também existem fármacos que atuam sobre à MAO 
B, uma isoforma da enzima. 
 
 
 BEATRIZ GURGEL-MEDICINA-UFMS 
 
 
Farmacologia-BBPM 4 
 
 
FARMACOLOGIA DOS ANTIDEPRESSIVOS  
 
A enzima tanto A quanto B, degrada agentes simpatomiméticos, como a tiramina, presentes 
em alimentos fermentados em especial queijos curados e vinho. Além de estar presente na 
sinapse, também estão presentes no fígado e na parede intestinal então quando a gente 
come queijo vinho a gente ingere tiramina que é degradada por essa MAO nesses locais. 
Se a tiramina em neurônios em quantidade grande ela atua como que fosse anfetamina, a 
ela consegue usar o recaptador de noradrenalina, serotonina para entrar no neurônio, ela 
consegue entrar na vesícula, ela consegue deslocar noradrenalina para fora da vesícula e 
fazer com que a noradrenalina seja expulsa para à sinapse, ou seja, ela age como um 
simpatomimético indireto, ela aumenta a liberação de noradrenalina. 
Isso não é problema normalmente, mas se você você usa um inibidor irreversível da Mao 
que inibe todas as isoformas, você pode impedir a degradação da tiramina, de forma que 
ela chegue no sistema nervoso em concentrações muito grandes. Além disso a 
noradrenalina que ela deslocaria da vesícula, também não seria metabolizada pela MAO 
porque ela também está ali. 
Reacao do queijo= reação de hiperliberacao de noradrenalina causando Hipertensão; 
 ↑Pressão craniana, cefaleia; AVE. ​Crise noradrenérgica. 
Pq preferimos inibidor reversivel? pq o irreversivel vai manter enquanto estiver 
presente, tendo à MAO A inibida, aumentando risco de interacoes, mesmo que seja 
seletivo para MAO A do q B. Isso faz com q reduza a chance de interacao. 
 
 
 BEATRIZ GURGEL-MEDICINA-UFMS 
 
 
Farmacologia-BBPM 4 
 
 
FARMACOLOGIA DOS ANTIDEPRESSIVOS  
 
Esses últimos em vermelho no quadro, são os que mais possuem reação do queijo, 
mesmo tendo parado de usar há um tempo. 
-SÃO USADOS PARA CASOS REFRATÁRIOS, SAO 3 ESCOLHA. 
 
 
 
 
 
ANTIDEPRESSIVOS- PARTE II 
 
TRICÍCLICOS 
 
- NÃO SÃO 1 ESCOLHA, NA MAIORIA DOS CASOS 
- ↓Custo​ e ​perfil indesejado vasto