A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
65 pág.
Direito Sociais do Trabalho

Pré-visualização | Página 7 de 15

ou à arbitragem, é facultado às mesmas, de comum acordo, ajuizar dissídio coletivo de natureza econômica, podendo a Justiça do Trabalho decidir o conflito, respeitadas as disposições mínimas legais de proteção ao trabalho, bem como as convencionadas anteriormente.
- PRINCÍPIO DA OBRIGATORIEDADE DA ATUAÇÃO SINDICAL: obrigatória da entidade sindical está definida no artigo 8o, inciso VI da Constituição da República.
Góis - o princípio da obrigatoriedade de atuação sindical implica, como sugere a denominação, a presença do sindicato nas negociações coletivas é obrigatória para que os acordos resultante de tais negociações produzam normas de efeito vinculante a todos os trabalhadores.
Presença sempre será obrigatória dos sindicatos dos trabalhadores.
- PRINCÍPIO DA PAZ SOCIAL: palavra de ordem urbanidade, devemos tratar todos com urbanidade, educação. Deve-se preponderar a paz nas negociações. Trata da harmonização das relações entre as partes acordantes e se refere à manutenção da paz durante e após as negociações e, inclusive, na execução e no cumprimento dos acordos firmados.
Góis - “as partes devem negociar sempre em clima de paz, buscando o entendimento e o diálogo. Devem, outrossim, evitar ameaças desnecessárias, tratar-se com respeito e se absterem de tecer comentários denigritórios uma da outra.”
As funções da negociação coletiva nos conflitos trabalhistas:
·	função compositiva – visa/ é uma forma de superação dos conflitos entre as partes, harmonizar os interesses divergentes dos trabalhadores e empregadores, evitar greves e transformação em dissídios.
Obs.: Tem por fim harmonizar os interesses contrapostos dos trabalhadores e os dos empregadores, evitar a greve e o recurso ao órgão jurisdicional, casos em que não encontrariam solução célere para o impasse.
Próprias partes chegam em consenso/acordo (autocompositiva), logo, normais mais específicas e benéficas. 
Evita os desgastes e danos que resultam de um dissídio.
Evita greves, refletindo em aspectos econômicos (empresa não fica parada e sindicato não terá que custear).
·	função criadora - criar obrigações e direitos entre os próprios sujeitos estipulantes. Obs.: Com essa finalidade, a negociação é usada para estabelecer deveres e faculdades a serem cumpridas pelas organizações pactuantes, de caráter nitidamente obrigacional entre elas, sem qualquer projeção fora da esfera dos sujeitos.
·	função política - forma de diálogo entre grupos sociais numa sociedade democrática, para a valorização da ação pacífica do capital e do trabalho, porque é do interesse geral que ambos superem as suas divergências. Impedir que o conflito acabe refletindo na sociedade, serve para atender o interesse da coletividade.
 A negociação coletiva é um instrumento de estabilidade nas relações entre os trabalhadores e as empresas; a sua utilização passa a ter um sentido que ultrapassa a esfera restrita das partes interessadas, para interessar à sociedade política.
·	função econômica - É meio de distribuição de riquezas numa economia em prosperidade, ou de redução de vantagens do assalariado numa economia em crise. 
·	função social - a participação dos trabalhadores no processo de decisão empresarial. Contribui para a normalidade das relações coletivas e da harmonia no ambiente de trabalho, dela se valendo, inclusive, a lei, que para ela transfere a solução de inúmeras questões de interesse social e de pacificação social.
CONDIÇÕES PARA CELEBRAÇÃO DE CONVENÇÃO OU ACORDO COLETIVO DE TRABALHO (art. 612 da CLT)
Art. 612 - Os Sindicatos só poderão celebrar Convenções ou Acordos Coletivos de Trabalho, por deliberação de Assembleia Geral especialmente convocada para esse fim, consoante o disposto nos respectivos Estatutos, dependendo a validade da mesma do comparecimento e votação, em primeira convocação, de 2/3 (dois terços) dos associados da entidade, se se tratar de Convenção, e dos interessados, no caso de Acordo, e, em segunda, de 1/3 (um terço) dos mesmos. 
- Assembleia Geral especialmente convocada para este fim.
- Primeira convocação: quórum de 2/3 (dois terços) dos associados da entidade, se se tratar de Convenção e quórum de dois terços dos interessados, no caso de Acordo.
- Segunda convocação: 1/3 (um terço) dos mesmos.
Obs.: O quórum de comparecimento e votação será de 1/8 (um oitavo) dos associados em segunda convocação, nas entidades sindicais que tenham mais de 5.000 (cinco mil) associados (parágrafo único do art. 612).
CONTEÚDO DAS CONVENÇÕES E DOS ACORDOS COLETIVOS (artigo 613):
Preceitua o art. 613 da CLT que as Convenções e os Acordos deverão conter obrigatoriamente: 
I– designação dos sindicatos convenentes ou dos sindicatos e empresas acordantes; 
II– prazo de vigência (máximo de dois anos); 
III– categorias ou classes de trabalhadores abrangidas pelos respectivos dispositivos; IV – condições ajustadas para reger as relações individuais de trabalho durante sua vigência; 
V– normas para a conciliação das divergências surgidas entre os convenentes por motivo da aplicação de seus dispositivos; 
VI– disposições sobre o processo de suas prorrogação e de revisão total ou parcial de seus dispositivos; 
VII– direitos e deveres dos empregados e empresas; 
VIII– penalidades para os sindicatos convenentes, os empregados e as empresas em caso de violação de seus dispositivos. 
Rol Taxativo
­______________________________________________________________________________
Aula 04 - Data 30/09 
30/09/2020
CONTEÚDO DAS CONVENÇÕES E DOS ACORDOS COLETIVOS (artigo 613)
- Preceitua o art. 613 da CLT que as Convenções e os Acordos deverão conter obrigatoriamente: 
I– designação dos sindicatos convenentes ou dos sindicatos e empresas acordantes;
II– prazo de vigência (máximo de dois anos);
III– categorias ou classes de trabalhadores abrangidas pelos respectivos dispositivos; 
IV –condições ajustadas para reger as relações individuais de trabalho durante sua vigência;
V– normas para a conciliação das divergências surgidas entre os convenentes por motivo da aplicação de seus dispositivos;
VI– disposições sobre o processo de suas prorrogação e de revisão total ou parcial de seus dispositivos;
VII– direitos e deveres dos empregados e empresas;
VIII– penalidades para os sindicatos convenentes, os empregados e as empresas em caso de violação de seus dispositivos.
- Rol Taxativo
·	EXTENSÃO E ABRANGÊNCIA
·	Acordo Coletivo
- Muito realizado pelos bancos
- O que será pactuado só terá abrangência para os funcionários daquela empresa.
·	Convenção coletiva
- Vai abranger toda a categoria do sindicato envolvida
- De um lado a categoria patronal do outro lado categoria dos empregados.
- Está adstrita á categoria
CLT - > Art. 611 - Convenção Coletiva de Trabalho é o acôrdo de caráter normativo, pelo qual dois ou mais Sindicatos representativos de categorias econômicas e profissionais estipulam condições de trabalho aplicáveis, no âmbito das respectivas representações, às relações individuais de trabalho.             
§ 1º É facultado aos Sindicatos representativos de categorias profissionais celebrar Acordos Coletivos com uma ou mais empresas da correspondente categoria econômica, que estipulem condições de trabalho, aplicáveis no âmbito da empresa ou das acordantes respectivas relações de trabalho.          
§ 2º As Federações e, na falta desta, as Confederações representativas de categorias   econômicas ou profissionais poderão celebrar convenções coletivas de trabalho para reger as relações das categorias a elas vinculadas, inorganizadas em Sindicatos, no âmbito de   suas representações.         
·	LIMITES DO REGRAMENTO
- O Artigo 620 deve ser relativizado e deverá prevalecer a norma mais favorável ao empregado:
- Pelo princípio da adequação setorial negociada, normas autônomas celebradas, através de acordo ou convenção coletiva, poderão prevalecer sobre as normas estatais heterônomas desde que sejam respeitados dois critérios.
- Quando for implementado um padrão setorial de direitos superior ao oriundo da legislação heterônoma estatal, porque, neste caso não estará sendo violado

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.