A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
VACINAS 4

Pré-visualização | Página 2 de 2

de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito: 
- Crianças menores de 5 anos de idade, gestantes, 
- adultos com 60 anos ou mais, 
- portadores de doenças crônicas não transmissíveis outras condições clínicas 
especiais 
→ Essa doença existe em mundo, estima-se epidemias anuais em cerca de 3 a 5 
milhões de casos de doença grave e de cerca de 290.000 a 650.000 mortes pelo vírus 
influenza. 
- .A doença pode ser causada pelos vírus influenza A, B e C. 
- Os vírus A e B apresentam maior importância clínica, pois eles sofrem muitas 
mutações. Tendo de mudar as vacinas todo ano. Eles são responsáveis pelas 
epidemias. 
- A gravidade da doença é maior quando surgem cepas pandêmicas, para as quais 
a população tem pouca ou nenhuma imunidade. 
- estima-se que, em média, as cepas A causem 75% das infecções, mas em 
algumas temporadas, ocorre predomínio das cepas B 
- O vírus C raramente causa doença grave 
- É importante vacinar esses grupos prioritários pois o vírus causa uma 
exacerbação de doenças crônicas cardiovasculares, pulmonares (DPOC, asma), 
alterações metabólicas (particularmente diabetes), pode desencadear infarto 
agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral, causar miocardite, pericardite, 
- Aumenta sinais e sintomas de Manifestações neurológicas (convulsão, encefalite, 
síndrome de Guillain Barré). 
- Durante o pico de atividade da influenza, existe nítido aumento das 
hospitalizações e mortes por doença cardíaca isquêmica e acidente vascular 
cerebral. 
- Gestantes: o risco de complicações é muito alto, principalmente no terceiro 
trimestre de gestação, mantendo-se elevado no primeiro mês após o parto 
- Puérperas apresentam risco semelhante ou maior que as gestantes de ter 
complicações em decorrência da influenza 
→ A vacina influenza trivalente (não é o vírus inteiro, ela é fragmentada e inativada) 
• Três tipos de cepas de vírus em combinação (as vacinas particulares é 
quasdrivalente, mas a da rede também é ótima) 
• CEPA A- Michigan/45/2015 
• (H1N1) – tipo de CEPA A 
• (H3N2) – tipo de CEPA B 
• Feita na VIA INTRAMUSCULAR OU SUBCUTÂNEA (só para pacientes que 
tem alterações sanguíneas, como não conseguir coagular) – 0,5 ml 
• Não pode ser congelada 
 
OBSERVAÇÕES: 
• Contra-indicação - Crianças menores de 6 meses de idade. 
• Validade: 7 dias após a abertura do frasco: 2 a 8º. C 
 
 
 
 
ESQUEMA VACINAL DA INFLUENZA 
 
 
→ 6 meses a 2 anos de idade; crianças que nunca tomaram essa vacina, precisam tomar 
duas doses → para crianças é metade da dose do adulto 
→ A partir de 3 também duas doses para quem nunca tomou, se já tomou vai ser apenas 
uma dose. De 0,5 ml. 
→ A partir de 9 anos e adultos recebem dose única de meia ml. 
 
 
EXERCÍCIOS 
 
Exercício 4 
Um gato aparentemente sadio, arranha e morde mãos e antebraço de uma criança de 6 
anos de idade. No esquema vacinal dessa criança falta do primeiro reforço da VOP e 
DTP. Qual a conduta? 
Essa criança tomou a de 2 meses, 4,6 VIP e penta. ] 
Mas essa criança não tem o primeiro reforço da DTP e pólio que seria com 15 meses. 
Nem com 4 anos 
Como a criança se feriu 
OLHAR A TABELA 
Não precisa do soro; 
Caso a criança esteja com quatro anos ou mais e não tenha recebido o primeiro 
reforço, administrar dois reforços -um na ocasião do atendimento e agendar o segundo 
com 6 meses do primeiro. Tomando cuidado para não fazer DTP acima de seis anos. 
Depois agendaria com anos de intervalo a duplo adulto. ;çç