A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Dieta higiene e fluor na odontopediatria

Pré-visualização | Página 1 de 1

Influência nos hábitos e dieta: 
Vida familiar; Condição socioeconômica; Publicidade; hábitos de dieta; 
cultura; educação; condição social. 
Alimentação da criança: 
Alimentação equilibrada e saudável; 
Ingestão diária de alimentos contendo: água; fibras; macro nutrientes 
(proteínas, lipídeos e carboidratos); micronutrientes. 
Classificação dos açúcares: 
 Intracelular ou intrínseco: Baixo potencial cariogênico (EX: 
frutas e verduras) 
 Extracelular ou extrínseco: Possui alto potencial cariogênico 
(EX: Bolos, biscoitos e refrigerantes) 
 Açúcar do leite (lactose): presente no leite e seus derivados 
apresenta grande importância na alimentação e baixo 
potencial cariogênico. 
Amamentação: 
O leite materno é considerado o melhor alimento do ponto de vista 
nutricional e imunológico além de estar relacionado também com os 
aspectos psicológicos, pelo contato próximo com a mãe. 
 Fácil digestão pelo organismo infantil; 
 Nutrientes nescessários para o crescimento e 
desenvolvimento do bebê; 
 Vínculo afetivo entre mãe e filho; 
 Prevenção de maloclusões; 
 Estimula respiração nasal; 
 Vedamento labial, permitindo o posicionamento correto da 
língua; 
Aleitamento artificial: É 
recomendável quando HÁ TOTAL 
IMPOSSIBILIDADE de se ministrar o aleitamento 
natural; Aceitavél até 2 anos de idade, Oferecido, 
na maioria das vezes, com adição de açúcares, 
aumentando seu potencial cariogênico, Passando 
esse período o uso da mamadeira pode ser 
considerado PREJUDICIAL A OCLUSÃO e ao 
DESENVOLVIMENTO GERAL DA CRIANÇA 
Desmame: Constitui-se um processo que se estende desde a fase 
de inclusão de outras comidas e bebidas além do leite até a fase em 
que a criança cessa completamente o aleitamento natural ou artificial. 
Doces 
 
Higiene bucal 
Cuidados básicos para a manutenção da saúde da criança é a criação 
do hábito de higiene bucal, o que envolve dentes, gengivas, mucosas e 
língua. 
Quando levar a criança ao dentista? 
 
Higienização 
NÃO há necessidade de higienizar a boca do bebê a cada mamada – 
1x ao dia e o suficiente. 
Uso de gaze embebida em água filtrada ou fervida e que deve ser 
esfregada delicadamente na gengiva. 
IMPORTANTE: Se o bebê e amamentado exclusivamente, temos um 
motivo extra para não realizar a higiene após cada mamada: 
O LEITE MATERNO POSSUI IMUNOGLOBULINAS (FATORES DE 
PROTEÇÃO PARA O ORGANISMO) QUE PERMANECE NA BOCA, NA 
FARINGE, NO TRATO GASTROINTESTINAL, PASSANDO POR TODO O 
INTESTINO. 
Se retirarmos o leite após cada mamada, também está retirando esses 
fatores de proteção, que previnem doenças, alergias, infecções, 
NESTE CASO PARA A MUCOSA ORAL. 
Antes mesmo do aparecimento dos primeiros 
dentes
Consulta agrada´vel, ajudara o estabelecimento de 
um vínculo ao dentista
é importante um programa de educação e medidas 
preventivas
Dieta, higiene e flúor 
Layara Aquino 
Em alguns locais do Brasil, muitos 
bebês têm o primeiro contato 
com o açúcar por volta do 7o / 
8o mês todos já tiveram 
contato com o açúcar. 
Bebê pode usar creme dental? Após a irrupção dos 
primeiros dentinhos, uma escova apropriada com cerdas reduzidas e 
macias deve ser usada, principalmente após as refeições. 
Associação Americana de Pediatria aprova uso de creme dental com 
flúor desde o primeiro dente do bebê. 
 
USO DO FIO DENTAL: Quando a criança possuir 2 ou mais 
dentes, orientando os pais que a utilização dele será nas áreas 
interproximais do dente. 
Enxaguante bucal: Só deve ser utilizado APÓS OS 6 ANOS DE 
IDADE, para que não haja o risco da criança engolir. 
Até que eles completem 7 anos de idade, o adulto ou responsável deve 
realizar a escovação 
Após os 7 anos, podem fazer a escovação SOZINHOS PORÉM 
SUPERVISIONADOS 
Aos 10 anos de idade possuem destreza para realizar a higienização 
SOZINHOS E SEM SUPERVISÃO. 
Técnica de escovação: 
 Simples e de fácil compreenssão; 
 Preconizada para bebês e crianças préescolar; 
 Movimentos circulares na face vestibular e lingual de todos 
os dentes; 
 Face oclusal movimentos para frente e para trás. 
Evidenciador de placa Auxilia para o paciente visualizar o 
biofilme dental e posteriormente na escovação. 
Flúor 
MEIOS DE USO DOS FLUORETOS: 
 Indivíduos 
 Coletivos 
 Profissionais 
 Combinações de meios 
Individuais: Dentifrício fluretado 
Reduz cerca de 20% a 30% das cáries em cidades com ou sem água 
fluoretada; 
Coletivo: Fluoretação da água; 
Reduz cerca de 30% a 60% das cáries em esmalte (STEELE,2003) 
Auxilia na prevenção e controle de cárie de superfícies radiculares 
Soluções fluoretadas (bochecho diário – NaF 0,05% - 1 minuto) 
Soluções fluoretadas (bochecho Semanal – NaF 0,2% - 1 minuto) 
Reduz cerca de 23% a 30% das cáries (Marinho et al. 2003); 
Profissionais: Géis - Reduz cerca de 19% a 37% das cáries 
(Marinho et al. 2003); 
Verniz - Reduz cerca de 30% a 63% das cáries (CENTERS FOR DISEAS 
E CONTROL AND PREVENTION. 2001); 
Selantes - previnem não somente a iniciação como a progressão da 
cárie. 
Materiais de restauração liberadores de fluoretos - CIV. 
Combinações: Dentifrícios + bochechos fluoretados; 
Toxicologia do flúor 
 
Classificação: Dean 
 Questionável 
 Muito leve 
 Leve 
 Moderada 
 Severa 
Fatores de risco: 
 Acesso precoce a produtos com flúor 
 Uso de soluções para bochechos 
 Aplicação profissional 
 Uso de dentifrício fluoretado 
 Antes dos 3 anos de idade 
Fatores de proteção da fluorose: 
Crianças abaixo de 6 anos não devem utilizar bochecho com soluções 
fluoretada pelo risco da ingestão repetitiva. 
Escovação dos dentes supervisionada para usar em pequena 
quantidade de pasta e estimular a cuspir a espuma (Jaime Cury). 
Dosagem tóxica: 
Efeitos 
sistêmicos 
do uso do 
fluor
Toxicidade 
aguda
Ingestão excessiva 
de flúor em uma 
única dose
Nausea, vômito, 
parada cardíaca, 
morte
Toxicidade 
crônica
É um distúrbio induzido pela 
ingestão excessiva de fluoreto 
durante a formação do dente 
resultando em hipomineralização 
do esmalte e aumentando a 
porosidade gerando opacidade.
Fluorose 
dental
Quantidade ideal 
de dentifrício 
fluoretado 
Toxidade Aguda: 
 DCL (dose certamente letal) – 32 a 64ml F/Kg); 
 DST dose seguramente tolerada) - 9 a 16 ml F/Kg; 
 DPT (dose provavelmente tóxica) – 5 ml F/Kg de peso; 
 Perigo nas primeiras 4 horas; 
Considerações: É inegável o benefício do flúor na prevenção da 
cárie e ele tem indicação para todos os indivíduos. 
“Tudo é tóxico. A dose certa diferencia o veneno do remédio” 
Paracelsus (1943-1541)