A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
RESUMO DSV-AP2

Pré-visualização | Página 2 de 6

hidrotermais condições adequadas à atividade biológica no nosso 
planeta. 
 
Explosão biológica. 
 Mundo RNA foi substituído pelo mundo da síntese proteica. 
 O DNA é mais estável como material genético. 
 As proteínas são catalizadoras de reações mais eficientes. 
Mundo Ribonucleoproteico – Moléculas de RNA associadas a proteínas que 
teriam substituído o mundo do RNA. 
Depois que o DNA entrou na síntese proteica, aparece o processo de 
transcrição e o mundo biológico se transforma novamente por evolução. 
O DNA substitui o RNA como armazenador de informação e as enzimas 
proteicas substituíram o RNA na estrutura e nas funções do metabolismo. 
O código genético transforma a sequência de bases nitrogenadas do DNA em 
sequência proteica. Esse processo inicia-se com a síntese de RNA. Após essa 
etapa o processo de tradução é realizado nos ribossomos. Cada 3 bases é 
traduzida em um aminoácido. Determinada sequência terá sempre o mesmo 
aminoácido, por ex.: ATG a proteína terá um aminoácido Metionina, AAA será 
sempre lisina. 
Além dos códons que determinam aminoácidos, alguns códons determinam a 
parada de síntese de proteínas. 
Como são 64 códons possíveis e apenas 20 aminoácidos, alguns são 
codificados por mais de um códon, por isso chamamos o código genético nde 
degenerado. 
Códons mais semelhantes decodificam o mesmo aminoácido, por ex.: CCG, 
CCA, CCC, codificam a Prolina. Aminoácidos com propriedades químicas 
semelhantes apresentam códigos semelhantes. 
Devemos pensar no código inicial como mais simples que o atual, com maior 
grau de degeneração. Menos aminoácidos eram decodificados pelos 64 
códons. Gradualmente novos aminoácidos foram sendo incorporados e os 
organismos aumentando sua complexidade ao longo da evolução. 
Evolução biológica 
A associação entre moléculas requer a compartimentalização em um ambiente 
interno delimitado por uma membrana biológica. Moléculas isoladas no 
ambiente competem pelos mesmos recursos. A cooperação entre moléculas 
deve ter evoluído depois do aparecimento da membrana. 
 
 
Aula 10 
A Homeostase também é uma propriedade dos sistemas biológicos que 
regulam o seu ambiente interno de forma a mantê-lo estável e funcionando. 
Essa estabilidade é atingida através das enzimas proteicas que funcionam 
como operárias dos sistemas biológicos. 
Anabolismo – União de moléculas pequenas formando moléculas maiores. 
Esse processo requer energia. 
Catabolismo – Quebra de moléculas grandes que libera energia para as 
reações anabólicas. Com o rompimento das ligações químicas dessas 
moléculas a energia da ligação é liberada e pode ser armazenada para usos 
nas reações anabólicas. 
Os alimentos são as moléculas grandes que as reações catabólicas vão 
quebrar para conseguir energia para as funções metabólicas. 
Fotossíntese o combustível da biodversidade. 
Plantas – autotróficas, necessitam da luz para produzir moléculas grandes. 
Produzem seu próprio alimento. 
Animais – Heterotróficos. Precisam se alimentar para produzir moléculas 
grandes. 
Tanto as plantas como os animais quebram os alimentos pelo processo 
específico da respiração celular. 
Fotssíntese é o combustível que mantém a diversidade biológica. Gera energia 
para organismos de forma direta e de forma indireta é responsável pela energia 
de muitos outros. Sem a fotossíntese não existiria qualquer um dos animais 
que vimos a olho nu. 
Respiração celular 
Processo que o oxigênio é usado para quebrar o alimento produzindo gás 
carbônico, água e energia que o corpo necessita. Quem realiza esse processo 
é a mitocôndria. 
As plantas têm cloroplastos e mitocôndrias, animais e fungos só têm 
mitocôndrias. As mitocôndrias estão presentes apenas nos eucariontes. 
A respiração celular acontece em três etapas: 
 A glicólise – Produto final das moléculas de piruvato 
 O ciclo de Krebs – Se inicia com o piruvato que é transformado em 
acetilcoenzima A. 
 Cadeia respiratória – Uma larga sequência de reações de transferência 
de elétrons, forma a cadeia respiratória, a última molécula a receber 
elétrons, os transfere ao oxigênio que é o receptor final. Isso gera 38 
moléculas adicionais de ATP e são gastas apenas 2. As 36 de sobra são 
armazenadas p/ quando o organismo precisar de energia. 
Fermentação – Promove a quebra de compostos orgânicos, mas não utiliza 
oxigênio. Não é tão eficiente como a respiração aeróbica, mas muitos 
organismos, como fungos e bactérias, usam-no regularmente. Mamíferos usam 
o processo apenas quando não têm oxigênio disponível em suas células. 
 
Aula 11 
Complexidade 
Se vc for observar a fundo as suas células, verá que o genoma nuclear não é o 
único genoma presente no interior das células. Há um genoma presente no 
interior das mitocôndrias. Neste genoma existem genes que codificam os 
mesmos ribossomos encontrados nos genomas nucleares dos organismos 
eucariontes e dos genomas procariontes também. Podemos estimar filogenias 
usando os genes ribossomiais de mitocôndrias e de organismos eucariontes e 
procariontes. 
Endossimbiose 
Um tipo de bactéria aeróbica começou a viver como endossimbionte no interior 
de outra bactéria maior. A bactéria maior fagocitou a menor, mas não a digeriu. 
A bactéria maior se beneficiou com o ganho de energia da respiração aeróbica 
e a bactéria aeróbica se beneficiou com a proteção do interior da bactéria 
maior. A bactéria menor foi se transformando em mitocôndria enquanto a maior 
ganhou complexidade devido à essa fonte de energia disponível. 
Protistas, eucariontes unicelulares. 
Existem protistas fotossintetizantes – As plantas devem ter evoluído a partir de 
organismos desse tipo. 
Há protistas que não conseguem produzir o seu próprio alimento, os animais 
devem ter se originado de ancestrais semelhantes a esses protistas. 
Como a multicelularidade deve ter evoluído – Um exemplo simples seria se um 
organismo celular apresentasse uma mutação pela qual a divisão celular não 
se completaria, as duas células filhas permaneceriam grudadas, como o fator é 
genético, os descendentes tbm ficariam unidos podendo dar origem a um 
organismo multicelular rapidamente. A capacidade desse primeiro indivíduo 
multicelular seria a soma das capacidades de cada uma de suas células. 
Teoria colonial, a mais aceita sobre a origem dos animais – Protistas 
unicelulares flagelados iniciaram foormando um agregado de células não 
diferenciadas, em seguida esse agregado deu origem a uma esfera oca e 
iniciou a diferenciação celular em tecidos. 
Tipos de reprodução – Procariontes se reproduzem através da fissão binária, 
cada organismo produz cópias de si mesmo e do seu genoma. Reprodução 
assexuada. 
Outro tipo de reprodução é a que envolve um macho e uma fêmea para gerar 
filhotes. Esse tipo de reprodução é a sexuada e envolve a divisão celular 
reducional. 
A vantagem da reprodução sexuada é a maior adaptação às mudanças 
ambientais. Há uma quebra dos genomas pré-adaptados. Isso dá a chance de 
que pelo menos 1 filhote sobreviva às mudanças drásticas. 
Na reprodução assexuada o organismo já nasce adaptado ao ambiente, então 
qualquer mudança drástica fará com que esses organismo morram. 
 
Aula12 
Início do Arqueano – Grande evento de oxigenação – Origem dos processos 
fundamentais de respiração celular e fotossíntese e a origem dos organismos 
eucariontes. Ingredientes básicos para a explosão da diversidade dos 
eucariontes. 
Início do eono Fanerozóico – Dividido em três eras Paleozóica, Mesozóica e 
Cenozóica 
Fanerozóico – Fauna relativamente complexa sem nenhuma fauna que os 
precedesse no Proterozóico. 
Em um local da Austrália(Ediacara) foram encontrados