A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
58 pág.
Resumo DSV Aulas 1-32

Pré-visualização | Página 1 de 14

LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – CEDERJ - UENF 
 
SEGUNDO PERÍODO 
DISCIPLINA: DIVERSIDADE DOS SERES VIVOS 
 
Resumo: Aula 1 – Biodiversidade e o cotidiano 
 
 Biodiversidade é o mesmo que diversidade biológica. A utilização deste termo, compreende 
necessariamente a consideração de fatores como tempo e espaço. 
 Os sistemas biológicos diferem dos demais pela capacidade de auto replicação. 
 A auto replicação ocorre através da duplicação do DNA com auxílio de proteínas (enzimas). 
 Herdabilidade é a capacidade dos sistemas biológicos de passar informação gênica idêntica através de 
suas gerações. 
 A molécula de DNA é o principal componente dos cromossomos. 
 É constituída por nucleotídeos de quatro tipos: ADENINA, TIMINA, GUANINA e CITOSINA. 
 Cromossomo é a unidade morfológica e fisiológica que contém a informação genética. 
 O arranjo dos nucleotídeos determina os tipos de genes e por consequência as proteínas das células e as 
características dos indivíduos. 
 A replicação biológica é suscetível de erros, sendo o mesmo conhecido como mutação. 
 Quando a mutação é vantajosa é adaptada pelo organismo. 
 A maior parte das mutações são deletérias, ou seja, prejudiciais ao organismo. 
 Os sistemas biológicos são semiabertos, permitindo assim fluxo de matéria e troca energética, tendo 
como fronteira a membrana celular no caso das bactérias e a pele no caso dos humanos. 
 
1 
 
LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – CEDERJ - UENF 
 
SEGUNDO PERÍODO 
DISCIPLINA: DIVERSIDADE DOS SERES VIVOS 
 
Resumo: Aula 2 – História do pensamento evolutivo 
 
 A análise comparativa é uma das principais técnicas quando se estuda como foi adquirida as linhagens 
evolutivas ao longo do tempo. 
 Como o próprio nome diz, a análise comparativa baseia-se na comparação dos organismos para formar 
subgrupos e assim sucessivamente. 
 A identificação de similaridades em indivíduos morfologicamente muito diferentes, como por exemplo, 
plantas e animais é muito mais complicada, sendo necessário a utilização de técnicas avançadas de 
microscopia no campo da Biologia Molecular. 
 Evolução biológica pode ser definida como mudança das características dos organismos ao longo do 
tempo. 
 Em Biologia Evolutiva, o termo padrões, tem a seguinte definição: "Aquilo que serve de base ou norma 
para avaliação". 
 Na evolução, as forças evolutivas (mutação, seleção natural, acaso e migração), atuam sobre os padrões 
gerando novos padrões. 
 Também em Biologia Evolutiva, o termo processos, é definido como uma "sucessão de estados ou 
mudanças". 
 Por terem caráter histórico, os processos não são observados diretamente, e sim inferidos dos padrões 
de biodiversidade existentes. 
 Evolução neutra (por meio do acaso) ou adaptativa (por meio da seleção natural), e especiação são 
processos causadores de padrões observados. 
 Os seres vivos são classificados em sistemas hierárquicos baseado em suas similaridades (Taxonomia), 
tendo este sistema sido proposto por Lineu com identificação binominal, ou seja, o nome científico. 
 Lineu era fixista, no entanto, ao longo de suas pesquisas, ficou intrigado com a similaridade entre plantas 
que apresentavam poucas características diferentes. Desta forma, posteriormente, sugeriu que as 
espécies poderiam se transformar em outras. Começando assim, a surgir as primeiras ideias de evolução, 
embora não acreditasse que grandes diferenças pudessem ser explicadas pela evolução. 
 No século 19, Lamarck foi o primeiro a tentar explicar como as espécies se modificavam ao longo do 
tempo. 
 A teoria de Lamarck previa que as espécies "Melhorariam" pela evolução, com objetivo de se adaptar ao 
meio ambiente. Atualmente o termo "evolução" caracteriza qualquer modificação em espécies ou 
populações, tanto para melhor ou pior. Sua teoria baseava-se ainda no uso e desuso ou, herança de 
caracteres adquiridos, que hoje sabe-se que não procede. 
 Meio século após a teoria de Lamarck, Darwin publica o livro A Origem das Espécies, em 1859. 
 O ponto central da teoria de Darwin foi introduzir a ideia de seleção natural como mecanismo para 
explicar a evolução das espécies. 
 Para Darwin, a variabilidade era fruto do acaso, porém, através da seleção natural a natureza "escolhia" 
os organismos com melhores características de sobrevivência. 
 As ideias de Darwin tiveram influências de dois grandes nomes da época, Charles Lyell com sua obra 
Princípios da Geologia e Thomas Malthus com Ensaios sobre Princípios da População. 
 O livro de Lyell teve forte influência nas ideias de Darwin, pois nele, a teoria do uniformitarismo 
preconizava que as mudanças na natureza eram graduais, e que os processos que governam o presente 
eram os mesmos do passado. 
 As ideias básicas do uniformitarismo são: 
1. As leis naturais são constantes (uniformes) no espaço e no tempo; 
2 
 
2. Os processos que operam agora para moldar a superfície da Terra devem ser invocados para explicar os 
acontecimentos do passado; 
3. As mudanças geológicas são lentas, graduais e constantes e não cataclísmicas; 
4. A Terra tem sido fundamentalmente a mesma desde sua formação. Contrariando a ideia do 
catastrofismo que até então prevalecia. 
 Em seu livro, Malthus pontuava que se a população humana não fosse controlada, iria aumentar 
desproporcionalmente provocando a escassez de recursos alimentares. 
 Darwin lincou esta ideia aplicando as demais espécies. Após longo trabalho, propôs que as populações 
naturais são variáveis em suas características físicas e morfológicas geradas aleatoriamente. Entretanto, 
como o número de filhotes é maior do que aquele que poderia sobreviver, os sobreviventes passam suas 
características para seus descendentes, sendo mantidas as melhores características nas espécies e 
populações. 
 Com os trabalhos de George Mendel com as ervilhas, a teoria evolutiva ganhou base sólida. Em seu 
trabalho, ele observou que algumas características eram sempre observadas em todas as gerações, 
enquanto outras não. Despareciam em algumas gerações e reapareciam em outras. Sendo as primeiras 
características consideradas dominantes, enquanto as segundas recessivas. 
 Todo indivíduo de reprodução sexuada recebe dois Alelos para uma determinada característica, sendo 
um do pai e outro da mãe. 
 Quando os dois alelos são idênticos, o indivíduo é denominado homozigoto, quando são diferentes, é 
denominado heterozigoto para a respectiva característica. 
 Fenótipo é a aparência do indivíduo, como por exemplo a cor do cabelo, da pele e etc. 
 Genótipo são os alelos que ele carrega. Exemplo: (AA, AB, BC etc.). 
 Quando homozigoto possuirá dois alelos iguais (AA, BB, CC. 
 Quando heterozigoto os alelos serão diferentes (AB, AC, etc.) 
 O alelo é dominante quando sua presença no heterozigoto garante o fenótipo dominante. 
 Um indivíduo heterozigoto com um alelo dominante e um recessivo (Aa), expressa sempre o fenótipo 
dominante. Ou seja, a característica a ser expressada será a do (A -azão) do par (Aa - Azão-azinho). 
 Em 1930 alguns geneticistas mesclaram as ideias de Mendel e Darwin e desenvolveram a Teoria Sintética 
da Evolução. 
 No estudo evolutivo, uma questão primordial é a variabilidade. 
 Em uma população, observamos que os indivíduos não são idênticos, muito pelo contrário, o normal é a 
variabilidade. 
 Esta variabilidade pode ter duas origens: genética (de genótipo) e ambiental (de fenótipo). 
 Apenas a variabilidade com origem genética é passada de pai para filhos (contrariamente ao que 
pressupunha Lamarck). 
 Todas as características de uma espécie foram originadas de um indivíduo de uma população e estas 
foram repassadas ao longo das gerações. Resultado que a variabilidade genética em populações naturais 
constitui a origem de toda diversidade entre espécies.