A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
58 pág.
Resumo DSV Aulas 1-32

Pré-visualização | Página 5 de 14

passando estas características para seus descendentes que igualmente 
se tornaram bem adaptadas. 
 Em contrapartida, a Terra, através das rochas calcárias tentam remover o oxigênio da atmosfera 
produzido pelas cianobactérias na forma de carbonato de cálcio. 
 Minerais como o ferro começam a ser oxidados e começa a aparecer a ferrugem na superfície do planeta. 
2 
 
 Uma das maneiras de mediar a quantidade de oxigênio da Terra primitiva baseia-se na quantificação de 
ferro oxidado nos estratos sedimentares do período. 
 Com o aumento da quantidade de oxigênio na atmosfera e diminuição de gás carbônico, organismos 
como as arqueas se confinaram em lugares se m a presença de oxigênio livre, como as fossas 
hidrotermais. 
 Outros organismos desenvolveram adaptações para carreá-lo para fora da célula após sua utilização 
(heterotróficos). 
 A origem das plantas tem estreita relação com as cianobactérias, haja visto o cloroplasto ter sido 
incorporado às células das plantas, similarmente o que ocorreu com a mitocôndria nas células animais. 
(Teoria da endossimbiose) 
 
A importância da fotossíntese 
 Um dos processos mais importantes da natureza. Através dele as plantas sintetizam energia para si e ao 
mesmo tempo disponibilizam a mesma direta ou indiretamente para outros organismos. 
 
Cianobactérias atuais 
 Hoje as cianobactérias são encontradas nos mais variados ambientes, desde oceanos à desertos. Um 
bom exemplo são os estromatólitos que são compostos por camadas de cianobactérias, poeira e argila. 
 
Outras bactérias importantes 
 Grupos de bactérias importantes no cotidiano: 
a. Enterobactérias: Grupo de bacilos Gram-negativos incluindo decompositores de matéria orgânica em 
decomposição, como a Escherrichia coli. Esta bactéria também está presente em nosso trato intestinal e 
sua falta pode causar transtornos e deficiências de vitaminas. No entanto, algumas de suas linhagens 
são patogênicas. 
b. Fermentadoras: produtoras de ácido lático, que é o produto final de seu metabolismo de fermentação 
de açucares. Estão presentes em matéria vegetal em decomposição, no leite e sem seus derivados. 
c. Clostrídias: Uma de suas espécies Clostridium tetani, são bacilos patogênicos responsável pelo tétano. 
Outra causadora do botulismo é a Clostridium botulinum. 
 
 
1 
 
LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – CEDERJ - UENF 
 
SEGUNDO PERÍODO 
DISCIPLINA: Diversidade dos Seres Vivos 
 
Resumo: Aula 12 – Origem da célula eucarionte 
 
 As células procariontes de bactérias e de arqueas não possuem núcleo definido, ficando o material 
genético no citoplasma, ao contrária das células eucarióticas. 
 As células procarióticas além de serem menores que as eucarióticas, possuem um único cromossomo 
circular solto no citoplasma. 
 Os registros fósseis evidenciam que os primeiros eucariontes datam de 1,8 bilhões de anos, enquanto os 
procariontes datam de 3,5 bilhões de anos. Desta forma, o sentido da evolução partiu dos procariontes 
para os eucariontes. 
 A teoria mais aceita hoje quanto a origem da célula eucariótica é a da endossimbiose serial ou SET. 
 Segundo Lynn Margulis a célula eucarionte se originou da fusão de uma arquea (Thermoplasma) e de uma 
bactéria (espiroqueta), formando uma célula flagelada. 
 A citose é outra teoria que tenta explicar o aparecimento do núcleo. No processo de citose, a membrana 
celular se dobra para dentro formando um vacúolo. Este processo é similar ao da fagocitose, onde a célula 
absorve uma partícula sólida e forma um vacúolo em seu interior. Devido a estes processos, o núcleo 
poderia ter se originado de um desse vacúolos. No entanto, as bactérias atuais não fazem fagocitose 
devido a sua parede celular rígida, ocorrendo o mesmo com as cianobactérias que apesar não possuírem 
parede celular, possuem uma membrana semirrígida. 
 As arqueas e os eucariontes não possuem um ancestral comum com as bactérias. Neste cenário, os 
primeiros organismos possuíam parede celular, que aos poucos foi perdida nas linhagens posteriores que 
deram origem aos eucariontes e às arqueas. 
 A perda da parede celular a princípio pode parecer um evento desvantajoso do ponto de vista 
evolucionista, pois existe a perda de uma estrutura de proteção. No entanto, como a seleção natural atua 
no presente e não considerando possibilidades futuras, uma das explicações para a perda da parede foi a 
possível capacidade de antigas bactérias desenvolveram a capacidade antibiótica de bloqueio da síntese 
da parede. Com a perda desta proteção, as mesmas se tornaram muito frágeis ao ficarem expostas ao 
meio externo, sendo extinta a imensa maioria. 
 Dentre as diversas linhagens que perderam a parede celular, duas desenvolveram estratégias para lidar 
com esta fragilidade. A primeira delas foram as arqueas, que desenvolveram uma nova membrana rígida 
a base de pseudomureína. A segunda foi a dos eucariontes, que desenvolveram o citoesqueleto, dando 
sustentação a célula. 
 
 Citoesqueleto e mitose 
 O citoesqueleto foi fundamental no desenvolvimento dos eucariontes. 
 É composto por duas classes complementares de moléculas que permite a célula manter sua forma na 
ausência de parede celular. 
1. Filamentos de actina: resistem a forças que esticam. 
2. Microtúbulos: resistem a forças que comprimem. 
 
 O processo de mitose só foi possível devido a existência do citoesqueleto. 
 Os procariontes como não possuem citoesqueleto, se dividem por divisão binária. 
 O citoesqueleto além de ser responsável por movimentar elementos e partículas dentro da célula, 
também é responsável por guiar os cromossomos já duplicados para o meio da célula, separando em 
seguida as cromátides irmãs. 
 
 
 
2 
 
 Organelas e energia 
 Existem duas organelas especiais que possuem capacidade de auto replicação por possuírem seu próprio 
material genético, as mitocôndrias e os cloroplastos. 
 Devido ao citado acima, acredita-se que ambas foram fagocitadas e não digeridas por organismos 
primitivos, sendo estabelecido desta forma uma relação simbiótica. 
 Os eucariontes que não possuem mitocôndrias estão confinados em locais com lama ou como 
endossimbiontes de insetos, ou seja, com pouco ou nenhum oxigênio. 
 Todas as plantas, os fungos e os animais possuem mitocôndrias. Entretanto, apenas algumas algas e 
plantas possuem cloroplastos. Assim, presume-se que as mitocôndrias já´ estavam presentes nas células 
quando a bactéria deu origem aos plastídios. 
 Acredita-se que os plastídios tiveram origem através da endossimbiose de uma cianobactéria por um 
procarionte, que similarmente as mitocôndrias, não foram digeridas. 
 Estudos de filogenia molecular apresentam evidências de que as mitocôndrias surgiram de bactérias roxas 
e os cloroplastos de cianobactérias. 
 
1 
 
LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – CEDERJ - UENF 
 
SEGUNDO PERÍODO 
DISCIPLINA: Diversidade dos Seres Vivos 
 
Resumo: Aula 13 – Protistas 
 
 Os primeiros fósseis de eucariontes encontrados por paleontólogos são de protistas, e datam de pouco 
mais de um bilhão de anos. 
 Hoje se pode distinguir cerca de 60 linhagens de eucariontes com base em sua organização celular. 
 Os três reinos de eucariontes multicelulares (plantas, animais e fungos) evoluíram de diferentes linhagens 
protistas. 
 Em sistemática, o reino dos protistas é chamado de "lata de lixo". Isso se deve por este grupo ser definido 
a base de exclusões. Haja visto a definição mais precisa de um protista ser: todos os eucariontes que não 
são plantas, não são animais e não são fungos. 
 Devido ao supracitado, existe a dificuldade em onde traçar a linha divisória entre esses organismos 
unicelulares e os multicelulares. 
 Alguns aspectos que poderiam classificar estes organismos se baseiam em: 
 Em termos de ambiente: