A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
58 pág.
Resumo DSV Aulas 1-32

Pré-visualização | Página 7 de 14

mais complexos, mas a 
medida que as escavações se aprofundam, se percebe que os fosseis ficam cada vez menos complexos. 
Essas evidências reforçam o fato de que toda a diversidade de seres vivos existentes nos dias atuais foi 
originada a partir de outras formas mais simples que viveram no passado. 
 
Multicelularidade 
• Haeckel foi o primeiro sistemata a classificar os organismos com base na teoria de Darwin. 
• A multicelularidade é uma característica adaptativa, e sua principal vantagem é o crescimento acelerado 
dos organismos. 
• O aumento de células de um organismo envolve a cooperação entre células especializadas nas mais 
diversas funções, sendo as moléculas orgânicas complexas facilitadoras desta cooperação. 
 
Primeiros organismos muticelulares 
• Os primeiros eucariontes multicelulares datam de 1,6 a 1,8 bilhão de anos atrás. 
• O registro fóssil evidencia que no período pré-Cambriano a diversidade de organismos era muito 
pequena e os organismos que habitavam a terra nesta época são chamados de fauna de Ediacara, 
enquanto no Cambriano houve uma maior irradiação de formas de vida. 
 
Cambriano 
• No início do Cambriano (há 545 milhões de anos), aconteceu uma sequência de mudanças dramáticas 
(biológicas, geológicas e climáticas) no planeta. 
• Neste período, a diversidade de vida na Terra passou de organismos simples, como por exemplo 
esponjas e cnidários, a organismos complexos de vários filos hoje conhecidos, como Arthropoda 
(insetos, aranhas, escorpiões e etc), Chordata (mamíferos, aves, anfíbios e etc), Echinodermata (ouriços 
do mar, estrelas do mar, etc), dentre outros. 
• Os especialistas chamaram essa enorme diversidade de explosão do Cambriano. 
 
Desenvolvimento 
• Organismos multicelulares não nascem completamente formados. Sua formação ocorre através de um 
processo lento de mudanças progressivas que é chamado de desenvolvimento. 
• Um organismo se desenvolve durante toda a sua vida. 
• O desenvolvimento tem duas consequências: a diferenciação celular e a reprodução do organismo. 
• Através da diferenciação celular, uma única célula ovo (zigoto) dá origem a todos os tipos celulares de 
um organismo. 
 
2 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
1 
 
LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – CEDERJ - UENF 
 
SEGUNDO PERÍODO 
DISCIPLINA: Diversidade dos Seres Vivos 
 
Resumo: Aula 16 – Origem do sexo 
 
Reprodução e sexo 
• Só existe um fator que pode contribuir para o sucesso evolutivo de um determinado indivíduo, seu 
sucesso reprodutivo, que está relacionado a quantidade de genes que o mesmo contribui para a geração 
seguinte. 
• Os procariontes se reproduzem assexuadamente através da fissão binária, produzindo cópias idênticas 
da célula original (que é o indivíduo) sem recombinação gênica. 
• Entretanto existem processo que que podem promover a recombinação gênica, como: 
a. Transformação: os genes são diretamente assimilados do ambiente através de moléculas de DNA livres 
no meio. 
b. Conjugação: quando os genes são transferidos de um procarionte para outro. 
c. Transdução: quando ocorre transferência de genes entre dois procariontes através de vírus. 
• Os processos acima são radicalmente diferentes dos que ocorrem com os organismos eucariontes, 
ocorrendo troca gênica através da reprodução sexuada entre dois indivíduos. 
• A reprodução de organismos eucariontes se dá através da reprodução das células por meio de dois 
processos, a mitose e a meiose. 
• O processo de mitose duplica as células somáticas gerando cópias idênticas. 
• No processo de meiose, um ciclo produz células germinativas com metade do número de cromossomos 
da célula original. 
 
Origem do sexo 
• O mundo biológico provavelmente nasceu sexuado através das trocas gênicas que devem ter acontecido 
na sopa primordial, nos primórdios do mundo do RNA. 
• No entanto, o fator fundamental para a evolução dos organismos ocorreu com o surgimento da célula. 
Haja visto ela proteger os genes de efeitos danosos do meio externo, permitir que recursos energéticos e 
proteínas estejam sempre disponíveis para o uso interno e não em difusão. 
• Estima-se que a reprodução sexuada pode ter ocorrido entre 1 a 2 bilhões de anos. 
• A reprodução sexuada é uma característica complexa, e antes dela ter surgido, certamente ocorreram 
passos intermediários que possibilitaram seu surgimento. 
• Segundo John Meynard Smith, todos os passos intermediários devem apresentar vantagem imediata ao 
organismo portador, mesmo que pequena. 
 
Fusão celular 
• A reprodução sexuada pode ter iniciado com a fusão celular. A fusão apresenta vantagens como: mais 
proteínas, mais organelas e mais material genético para o organismo. 
• Outra vantagem poderia acontecer no caso da fusão de uma célula sadia e outra com alguma enzima 
defeituosa, onde a fusão com um organismo não defeituoso, poderia mascarar a mutação deletéria do 
organismo defeituoso, passando a produzir cópias funcionais. 
• Apesar das vantagens citadas, a maior quantidade de material genético exige mais tempo para 
duplicação. Assim, a redução do número de cromossomos através da meiose, deve ter evoluído logo 
depois do mecanismo de fusão celular. 
 
 
 
 
 
2 
 
 
Desvantagens do sexo 
• Uma desvantagem da reprodução sexuada é o grande investimento de energia necessário. 
• Um exemplo é a reprodução sexuada de animais marinhos com fertilização externa, quando os 
organismos parentais liberam gametas na coluna d'água, resultando na perda de milhões deles. 
• Já na fertilização interna, como nos mamíferos por exemplo, apesar do número de gametas perdidos ser 
menor, existem outros investimentos de energia necessários, como o encontro do parceiro. 
• Além do citado acima, na reprodução sexuada apenas 50% dos genes dos indivíduos serão repassados, 
ao contrário da reprodução assexuada, onde é passado 100%. 
• Existem dois tipos de reprodução sexuada em relação ao investimento na prole: 
1. Isogâmica: Nas espécies isogâmicas o gameta feminino e o masculino possuem aproximadamente o 
mesmo tamanho, com contribuição semelhante para formação do zigoto. 
2. Anisogâmica: Nas espécies anisogâmicas o gameta feminino é maior que o masculino. Assim o 
provimento de energia para o zigoto é maior por parte do óvulo se comparado ao espermatozoide, 
gastando desta forma a fêmea mais energia para produzi-lo. 
• Grande parte dos animais é ansiogâmica. Enquanto a fêmea gastará energia cuidando da prole, os machos 
estarão aptos para cruzar novamente, embora existam exceções, como em alguns casos onde machos de 
peixes, aves e insetos ficam e providenciam energia e recursos para cuidar dos filhotes. 
• Uma fêmea ansiogâmica sexuada poderia ter duas vezes mais descendentes em termos de gasto de 
energia se fosse assexuada. 
 
Vantagens do sexo 
• A reprodução sexuada permite a produção de uma prole mais diversa. 
• A variabilidade gênica é uma vantagem pois pode possibilitar a organismos uma melhor adaptação em 
termos de variações no ambiente devido a criação de novos fenótipos pela inserção de alelo mutantes. 
• Em uma espécie de mamíferos por exemplo, uma prole que contenha indivíduos com pelagem longa 
poderá ter mais chances de sobrevivência que os indivíduos da mesma prole com pelo curto caso o 
ambiente onde vivem se torne frio. 
• Ao contrário do exemplo acima, em uma prole oriunda de reprodução assexuada e, portanto, sem 
variabilidade, todos poderiam perecer sob as mesmas condições. 
 
Sexuado e assexuado 
• Segundo alguns autores, a reprodução assexuada alternando com a sexuada pode ser perigosa. 
• A catraca de Muller é uma teoria que diz que uma população, depois de um grande número de gerações 
reproduzidas assexuadamente, só conseguirá se reproduzir dessa maneira. 
• Em uma população de reprodução assexuada, uma grande quantidade de mutações deletérias