A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Resumo de Imunologia Básica

Pré-visualização | Página 1 de 2

Imunologia Básica
Conceitos básicos (Aula 1)
Imunologia: Estudos dos mecanismos que mantém a homeostase do organismo.
Anticorpo (Ac): Também chamado de imunoglobulina, è o receptor solúvel do linfócito B.
Antígeno(Ag): Substância que produz resposta imunológica (patógenos)
Funções da resposta imune:
A) Reconhecimento imunológico e ligação aos patógenos 
B) Funções imunes efetoras para eliminação de patógenos 
C) Regulação imune (lenta ou rápida)
D) Memória imunológica – lembrança que impede que nova infecção se estabeleça.
· Progenitores de células da resposta imune
Células tronco hematopoiéticas da medula óssea se diferenciam em dois progenitores: Linfóide e Mieloide.
A) Progenitor Mieloide (resposta inata): 
Macrófagos: principais constituintes da resposta imune inata. Digerem patógenos e não precisam ser expostos aos antígenos previamente. (Célula de longa duração)
Neutrófilos: células de curta duração, fazem fagocitose e originam o pus.
Mastócitos: são responsáveis por mediar as respostas alérgicas e proteger mucosas.
Eosinofilos: defesa na infecção parasitária.
Células dendríticas: capturam patógenos na periferia e os expõe para linfócitos T virgens.
B) Progenitor linfoide (resposta adaptativa)
Linfócitos B: Produzido na medula óssea de ossos longos, se diferenciam em plasmocitos quando entram em contato com antígenos, produzindo anticorpos solúveis e células de memória 
Linfócitos T: produzidos na medula óssea e amadurecidos no timo, são ativos via APC’s profissionais, que processam e expõe MHC (classe 1 ou 2) em suas superfícies.
Células NK(Natural Killers): responsáveis por matar células infectadas. 
· Órgãos Linfóides
A) Órgãos linfóides primários: Produção e diferenciação de células do progenitor linfoide (linfócitos) > Medula de ossos longos (Linfócito B) e Timur (Linfócito T).
B) Órgãos linfóides secundários: Sede da resposta imuno adaptativa (Maturação de linfócitos) >Linfonodos conectado pela rede linfática<
· Linfócitos Virgens 
 Linfócitos B e T que não se encontraram com os antígenos são diferenciados em células efetoras na presença de infecção e necessitam de dois sinais:
A) Sinal de especificidade: Ligação do antígeno na célula.
B) Sinal de coestimulacão: Transmitido das células dendríticas para Linfócito T, e de linfócito T para linfócito B.
 
 Quando ocorre a infecção na periferia, grandes quantidades de antígenos são capturados por células dentridicas e levados aos linfonodos, onde apresentam os antígenos para os Linfócitos T. Depois desses linfócitos passarem por um período de proliferação e diferenciação, deixam os linfonodos através dos vasos linfáticos, em rumo ao sítio de infecção.
· Resposta imune inata (já nasce com ela)
Rápida, invariável, número limitado de receptores (pouca especificidade), resposta constante.
 A resposta inata ativa os macrófagos – células que expressam receptores para muitos constituintes bacterianos-, os macrofagos ativos vão secretar citocinas e químiocinas que são proteínas responsáveis pela inflamação (dor, calor, inchaço e calor). A vasodilatação e o aumento da permeabilidade dos vasos sanguíneos, possibilitam que os leucócitos cheguem ao local da inflamação para dar início a resposta adaptativa. 
 Quando um antígeno penetra no organismo, ele encontra primeiramente elementos do sistema imune inato, caso o sistema inato falhe em prevenir a doença o sistema imunológico adaptativo entra em ação.
· Resposta imune adaptativa
Lenta, variável, alta especificidade, melhora durante a resposta
 A célula dendrítica leva o patogenos para os linfonodos, onde eles são reconhecidos pelos linfócitos T, dando início a resposta adaptativa. Essa resposta vai dar origem a memória imunológica específica, de maneira que numa próxima infecção pelo mesmo agente o indivíduo não será afetado. 
· Seleção Clonal 
Frente a exposição a um antígeno, os progenitores de linfócitos se diferenciam e proliferam. Os linfócitos auto-reativos são removidos e o que se liga ao antígeno é ativado e sofrerá expansão clonal. Cada linfócito possui somente um receptor de antígeno de especificidade única, que é diferente em cada linfócito. Os receptores são gerados por uma combinação de rearranjo de segmentos genicos somáticos. 
· Mecanismos de reconhecimento e células efetoras 
 Os linfócitos B depois de ativos, se diferenciam em plasmocitos e secretam anticorpos hidrossolúveis (imunoglobulinas). Os anticorpos fazem a neutralização – Ligação a patógenos para bloquear seu acesso às células-, opsonalização – revestimento de patógenos para aumentar o poder de fagocitose por aumentar o reconhecimento por macrofagos-, e a ativação do sistema complemento -proteínas que farão o complexo ataque a membrana na bactéria para destruí-la.
 Quando os antígenos se encontram no interioridade células eles não podem ser reconhecidos pelos anticorpos, nesse caso a destruição é feita pelos linfócitos T. Os linfócitos T citotóxicos (CD8+/ MHC classe 1) secretam fatores para a morte celular, e os linfócitos T auxiliares (CD4+/ MHC classe 2) sinalizam para que macrofagos eliminem os patógenos, e ajudam a diferenciar os linfócitos B.
Anticorpos – Estrutura e diversidade (Aula 2)
 Quando receptores de célula B (BCR) são ativados, eles produzem e secretam a forma solúvel do receptor (Anticorpos). As imunoglobulinas tem função de neutralização, opsonalização e ativação do sistema complemento – servem como ponte entre o patógeno e mecanismos efetores.
 Os anticorpos proteicos possuem açúcar em sua estrutura (são glicosilados), a glicosilação dos anticorpos aumenta a sua solubilidade e tempo de meia vida, além de evitar exposição de sítios passiveis a professora e ajudar o reconhecimento por leptina. 
 Tanto na cadeia leve como na pesada existem regiões de domínios variáveis (V) e constantes ( C). No domínio variável existem regiões de baixa variabilidade e hipervariabilidade, essas regiões de hipervariabilidade são chamadas de CDR e formam as 6 alças responsáveis por se conectar aos antígenos, já as regiões de baixa variabilidade(FR) tem função de expor corretamente a CDR.
· Epitopos
Existem dois tipos de epitopos, os lineares e os descontínuos (estruturais).
A) Lineares: todos os elementos reconhecidos estão próximos na estrutura primária do antígeno, logo este é preferencial para vacinas porque a desnaturação do patógeno não modifica sua estrutura primária.
B) Descontinuo (estrutural): sítio de ligação produzido pela conformação do antígeno e dependente de sua estrutura terciária, se o antígeno modificar sua conformação o epitopos não será mais compatível.
· Natureza da ligação antígeno-anticorpo 
Não covalentes, mas a junção de variados tipos de interações fracas resultam em uma interação forte. Podemos moldar a força da ligação a partir de alterações no pH, temperatura e força iônica do meio para fortalecer ou enfraquecer a ligação.
· Diversidade das imunoglobulinas
Os mecanismos que geram diversidade entre as imunoglobulinas são em ordem: Rearranjo gênico, adição de nucleotídeos N e P, pareamento independente de cadeias pesadas e leves, hipermutação somática e troca de isotipo.
· Antes do contato com o antígeno:
A) Rearranjo gênico: seleção aleatória de segmentos gênicos não funcionais para criar um gene funcional que reconheça o patógeno. (Cadeia leve segmento VxJ e cadeia pesada segmento VxJxD). As sequências RSS sinalizam para a maquinaria enzimática RAG o local para a clivagem do DNA, de modo a rearranjar o DNA da célula pela remoção de íntrons.
B) Adição de nucleotídeos N e P: durante o mecanismo de rearranjo gênico, RAGS podem deixar espaços entre o DNA, e para aprimorar mais a diversidade dos anticorpos, as TdT’s adicionam nucleotídeos ou fazem deleção em alguns segmentos.
C) Pareamento independente de cadeias leves e pesadas: quando a cadeia pesada é feita, ela sofre expansão clonal para parear com as mais diversas cadeias leves disponíveis.
· Após o contato com o antígeno 
D) Hipermutação Somática: mutações na cadeia variável para aprimorar