A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Diagnostico laboratorial das dislipidemias

Pré-visualização | Página 1 de 1

Diagnostico laboratorial das dislipidemias
· Definição: distúrbio no metabolismo de lipídio encontrado no sangue periférico, o tipo presente seria o LDL, colesterol, HDL. Quando falamos então de dislipidemias é um aumento no sangue periférico com níveis aumentados de LDL e baixos níveis de HDL. O HDL remove o LDL dos tecidos que será metabolizado e eliminado pelo fígado. além desse, tem o TG. 
· Classe de lipídios:
- colesterol (livre ou esterificado): precursor de hormônios esteroides, ácidos biliares e muito importante para síntese de vitamina B. 
- TG: origina da dieta e constitui a forma mais importante de armazenamento energético.
- AG (ácidos graxos): produto da degradação de TG, presentes em menor quantidade. Podendo ser classificados como saturados ou insaturados. 
- fosfolipídios: lipídios que compõem a membrana celular 
- Lipoproteínas: os lipídios são insolúveis na sua maior parte no plasma, para que os lipídios sejam transportados eles precisam estar associados a proteínas para transporta-los. Como por exemplo, quilomicorns, VLDL, IDL, LDL e HDL. Além delas tem a apolipoproteinas que tem função de atuar no metabolismo e manutenção das lipoproteínas (Apo A1 – HDL e Apo B – LDL). 
· Metabolismo dos lipídios: 
Os TG inseridos irão compor os quilomicrons que ira se ligar as lipoproteinas. O colesterol medido é mais proveniente da via endógena, pois o da via exógena dura pouco tempo. 
Os lipídios de origem hepática, são armazenados nos hepatocitos e la que será produzido os VLDL (molécula rica em TG – Apo B).O fígado é responsável por sintetizar o HDL lembrando sempre que ele é associado a APO A1 no sangue periférico. Enquanto o LDL leva colesterol para o tecido periférico e o HDL faz o contrario levando o colesterol em excesso para o fígado metabolizar. 
Logo, falar do aumento de TG é falar do mecanismo endógeno e exógeno descontrolado. 
· Dislipidemias: pode se manifestar no sangue periférico através da elevação de LDL, TG e baixos níveis de HDL. Aumentando o risco de aterosclerose e podendo ocorrer eventos isquêmicos como infartos ou acidente vascular cerebral.
· Etiologia da dislipidemias:
- Primaria: fatores genéticos, que irão alterar a síntese e degradação das lipoproteínas. 
- secundário: DM, uso de medicações, sedentarismo, obesidade, consumo excessivo de alimentos gordurosos. 
· Sinais e sintomas:
- assintomáticos
- identificação: exames de sangue periódicos
· Diagnostico: 
 O que avaliar no exame de sangue?
Após jejum de 12 a 14 horas:
- colesterol total
- HDL
- TG
- LDL (calculado): Colesterol total – HDL – TG/5
Usar essa formula quando TG < 400 mg/dL. Quando maior, deve ser dosado diretamente. 
- Colesterol não-HDL (calculado): 
· Estratificação de risco para eventos cardiovasculares baseados nos valores de Colesterol total:
· Classificação das dislipidemias:
 Hipercolesterolemia isolada: LDL > ou = 160 mg/dL
 Hipertrigliceridemia isolada: TG > ou = 150 mg/dL
 Hiperlipidemia mista: valores aumentados de LDL e TG
 HDL baixo: isolado masculino < 40 mg/dL e feminino < 50 mg/dL ou então em associação ao aumento de LDL ou TG. 
· Estratificação do risco cardiovascular:
Baseada em escore, uma vez que os indivíduos são assintomático.
- Escore de risco de Framinghan*
· Avalia a probabilidade de ocorrer IAM ou morte por doença coronariana no período de 10 anos.
- alto risco (> 20%)
- risco intermediário (10 – 20%)
- baixo risco (<10%)
· Fases:
- fase 1: identificar doença ateroscletorica previa
- fase 2: identificar o escore de framingham
- fase 3: considerar fatores agravantes
- fase 4: iniciar medidas preventivas
· Fase 1:
· Fase 2: identificar o escore de framingham
- sexo
- idade
- valores de Coleterol total e HDL
- tabagista
- P.A.
Menor que 10 é baixo risco
De 10 ate 20 tem um risco intermediário 
E a partir de 20 pontos é risco alto de acidentes vasculares.
· Fase 3: considerar fatores agravantes
· Fase 4: iniciar as medidas preventivas
- dieta, atividade física e suspensão do fumo.
- medicamentos hipolipemiantes
- escore de risco de Reynolds
- escore de risco global
- escore de risco pelo tempo de vida
· Conclusão:
- prevenção: identificação e controle das dislipidemias
- condutas terapêuticas: eliminar tabagismo, estimular atividade física, boa alimentação e uso de fármacos adjuvantes.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.