A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Língua Brasileira de Sinais - Libras III

Pré-visualização | Página 1 de 2

Disciplina:
	Língua Brasileira de Sinais - Libras III (LBR107)
	Avaliação:
	Avaliação Final (Objetiva) - Individual Semipresencial ( Cod.:657089) ( peso.:3,00)
	Prova:
	25722740
	Nota da Prova:
	10,00
	
	
Legenda:  Resposta Certa   Sua Resposta Errada  
Parte superior do formulário
	1.
	No estudo gramatical espacial da Libras, a direção do olhar é um elemento muito importante. Saber usar a direção do olhar para recuperar referentes no espaço ou marcar distinções discursivas é muito importante para o desenvolvimento da fluência em língua de sinais. Existem pelo menos sete funções da direção do olhar em Língua de Sinais Britânica, conforme Sutton-Spence e Woll (1999). Com relação a essas sete funções, analise as sentenças a seguir:
I- Uma das funções é transmitir informações temporais (o olhar é dirigido diferentemente ao se falar de passado, presente e futuro).
II- Uma das funções é distinguir questões genuínas de pseudoquestões.
III- Uma das funções é apontar um referente ou traçar seu movimento.
IV- Uma das funções é indicar o que será relevante para funções maiores ou menores no desenvolvimento do trabalho.
Assinale a alternativa CORRETA:
FONTE: KANEKO, M.; MESCH, J. Eyegaze in Creative Sign Language. Sign Language Studies, v. 13, n.3, 2013.
	 a)
	As sentenças II e IV estão corretas.
	 b)
	As sentenças I e IV estão corretas.
	 c)
	As sentenças I, II e III estão corretas.
	 d)
	As sentenças III e IV estão corretas.
	2.
	Naquilo que Cucax (2000) compreende como iconicidade de primeira ordem, estão envolvidos os elementos que o autor chama de descritivos, que a partir do ano 2001 renomeou para transferências. Esses elementos (transferências) são produzidos com muita frequência nas narrativas, em um vai e vem entre formas icônicas e o léxico padrão. Todas essas categorias, segundo o autor, estão inseridas numa iconicidade de primeira ordem. A respeito do que o autor chama de transferências, classifique V para as sentenças verdadeiras e F para as falsas:
(    ) Na transferência de forma e tamanho (TF), temos uma descrição sobre as características mais salientes do objeto.
(    ) Na transferência situacional (TS), temos uma junção do corpo do narrador com as características mais profundas do objeto.
(    ) Na transferência pessoal (TP), o corpo do narrador incorpora o personagem, cujo discurso está sendo citado.
(    ) Podem ser de três tipos as transferências: transferência de forma e tamanho (TF), transferência de situação (TS) e transferência de pessoa (TP).
Assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA:
	 a)
	F - F - V - F.
	 b)
	V - F - V - V.
	 c)
	V - V - F - V.
	 d)
	F - V - F - V.
	3.
	É muito importante definir o ponto de vista adotado e as implicações que decorrem de cada escolha com relação à concepção de gramática, pois as diferentes perspectivas determinarão o fazer pedagógico do professor ao ensinar uma língua materna ou uma segunda língua. Os autores Geraldi (1984), Travaglia (2007) e Matêncio (1994) identificam três concepções de língua (que, numa relação de sinonímia, também chamam linguagem). Sobre o exposto, classifique V para as sentenças verdadeiras e F para as falsas:
(    ) A língua como instrumento de comunicação, que vigora desde Saussure até a década de 1980, é uma concepção fundamentada na noção de interpretação para a qual o contexto da língua é considerado. Daí surge a gramática interpretativa.
(    ) A língua como expressão do pensamento, que vigorou desde a tradição gramatical grega até os postulados Saussurianos, no início do século XX. Daí surge a gramática normativa e prescritiva.
(    ) A língua como processo de interação, desde 1960 até os dias atuais, essa concepção leva em consideração o contexto comunicativo e concebe o usuário como alguém marcado pela intencionalidade e ocupando um lugar social. Daí surge a gramática demonstrativa.
(    ) A língua como instrumento de comunicação, que vigora desde Saussure até a década de 1960, é uma concepção fundamentada na noção de sistema de códigos para a qual o contexto da língua não é considerado. Daí surge a gramática descritiva.
Assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA:
FONTE: GERALDI, J. W. O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 1984.
MATÊNCIO, M. L. Leitura, produção de texto e a escola: reflexões sobre o processo de letramento. Campinas: Autores Associados, 1994.
TRAVAGLIA, L. C. A gramática na escola / Língua Portuguesa: o ensino de gramática. Salto para o Futuro - Boletim, v. 3, p. 73‐97, 2007.
	 a)
	V - V - F - F.
	 b)
	V - F - V - V.
	 c)
	F - V - V - V.
	 d)
	F - V - F - V.
	4.
	Ferrari (2014, p. 13) afirma que "a Teoria dos Espaços Mentais nasce na Linguística Cognitiva" que, ainda segundo o autor, é uma nova vertente, cujo termo foi inicialmente adotado por um grupo particular de estudiosos, entre os quais se destacam George Lakoff, Ronald Langacker, Leonard Talmy, Charles Fillmore e Gilles Fauconnier. Assim, a vasta experiência de pesquisa em Semântica Gerativa motivou a uma crescente insatisfação com o papel da Semântica/Pragmática no modelo. Sobre a Teoria dos Espaços Mentais, analise as sentenças a seguir:
I- A Teoria dos Espaços Mentais considera que as expressões linguísticas não se referem diretamente ao mundo concreto, real ou ao mundo criativo da imaginação, mas são representações na mente dos falantes e sinalizantes.
II- A Teoria dos Espaços Mentais trata do formato que a configuração de mãos assume diante de situações inusitadas.
III- A Teoria dos Espaços Mentais propõe que espaços mentais são criados à medida que o discurso se desenvolve.
IV- A Teoria dos Espaços Mentais analisa os espaços criados na mente, especificamente no lado direito do surdo, e busca detectar os avanços e perdas que ali acontecem.
Assinale a alternativa CORRETA:
FONTE: FERRARI, L. O que é a linguística cognitiva? In: FERRARI, L. Introdução à linguística cognitiva. São Paulo: Contexto, 2014.
	 a)
	As sentenças II e IV estão corretas.
	 b)
	As sentenças I e IV estão corretas.
	 c)
	As sentenças II e III estão corretas.
	 d)
	As sentenças I e III estão corretas.
	5.
	Conforme o autor Liddell (2003), na língua de sinais há três espaços mentais que são ativados ao longo de uma interação discursiva: o espaço real, o espaço token e o espaço sub-rogado. Segundo ele, a possibilidade de externalizar esse conhecimento mental não está condicionada a uma determinada língua ou uma modalidade, por isso, valeu-se dessa concepção para refletir a gramática das línguas sinalizadas. Sobre o exposto, associe os itens, utilizando o código a seguir:
I- Espaço real.
II- Espaço token.
III- Espaço sub-rogado.
(    ) A posição do corpo, os articuladores e a direção do olhar são índices que apontam para referentes não presentes, ou seja, objetos discursivos aos quais são atribuídas determinadas porções do espaço.
(    ) Definido como 'substituto' e ocorre no caso em que um enunciador relata o discurso de uma pessoa ou um narrador investe se das ações e repete os enunciados de uma personagem.
(    )  É construído a partir de nossa experiência sensório-perceptual imediata da situação em que o ato comunicativo está acontecendo, combinada com nosso conhecimento de mundo.
Assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA:
FONTE: LIDDELL, S. K. Grammar, gesture and meaning in American Sign Language. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.
	 a)
	I - III - II.
	 b)
	II - III - I.
	 c)
	III - II - I.
	 d)
	II - I - III.
	6.
	Segundo vários autores, a noção de elementos nominais ou verbais classificadores nasce a partir de estudos de línguas consideradas classificadoras, amplamente estudadas nas línguas faladas por vários autores. Diversos estudos das línguas de sinais também abordam esta noção. Qual é a definição de classificadores?
	 a)
	São elementos que diversificam, mas não variam em nenhuma língua, pois sua função é normatizar.
	 b)
	São elementos que norteiam a parte da fonologia nas línguas de sinais.
	 c)
	São elementos que classificam