A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
33 pág.
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO TRABALHO DE PARTO

Pré-visualização | Página 2 de 2

hemorragias pós-parto, principalmente por 
atonia ou hipotonia uterina. É também momento 
adequado para promoção de ações que possibilitem o 
vínculo mãe/bebê, evitando-se a separação 
desnecessária.
 Lóquios: fluxo vaginal de origem uterina, sanguinolento, seroso, 
que se produz após o parto, durante aproximadamente um mês.
 Vermelhos ou sanguinolentos - presentes nos primeiros 3 a 4 dias, 
constituindo-se de sangue, tecido decidual necrosado e células 
epiteliais. Geralmente a quantidade é semelhante à do fluxo 
menstrual.
 Serosanguinolentos - presentes a partir do terceiro ou quarto dia 
até o décimo. Sua coloração passa para rósea/acastanhada 
resultante de alterações de hemoglobina, diminuição do número 
de hemácias e elevação dos leucócitos.
 Serosos são observados após o décimo dia, podendo se estender 
até a quinta ou sexta semana e assumem coloração amarelada ou 
branca.
 Previna a perda de calor – coloque o RN sob fonte 
de calor radiante e retire os campos úmidos.
 Estabeleça a permeabilidade das vias aéreas: para 
manter as vias aéreas pérvias, posicione a cabeça 
do RN com uma leve extensão do pescoço.
 Evite a hiperextensão ou flexão exagerada do 
pescoço: quando necessário, aspire as vias aéreas, 
primeiro a boca e depois o nariz, evitando o uso de 
pressões negativas excessivas (máximo de 
100mmHg) e a introdução brusca da sonda de 
aspiração, pelo risco de que tais manobras 
provoquem apneia e bradicardia, por reflexo vagal.
 Cuidados com o coto umbilical: laqueie o cordão umbilical a uma 
distância de 2 a 3cm do anel umbilical, envolvendo-o com gaze 
embebida em clorhexidina a 0,5% ou em álcool etílico a 70%.
 Profilaxia da oftalmia e da vulvovaginite gonocócica: instile uma 
gota de nitrato de prata a 1% em cada olho e duas gotas na 
vagina.
 Profilaxia da doença hemorrágica do RN: vitamina K, IM (1mg). 
0,1 ml no vasto lateral.
 Verificação da permeabilidade nasal e do trato gastrintestinal.
 Identificação: a identificação é realizada por intermédio da 
impressão digital da mãe e das impressões digital e plantar do 
RN. Coloque na mãe e no RN uma pulseira com os seguintes 
dados: nome da mãe, nº do registro hospitalar, data e hora do 
nascimento e sexo do RN.
Faça 
tudo 
com 
muito 
AMOR!!
Objetivos:
Avaliar o estado de saúde da mulher e do recém-nascido;
Orientar e apoiar a família para a amamentação;
Orientar os cuidados básicos com o recém-nascido;
Avaliar a interação da mãe com o recém-nascido;
Identificar situações de risco ou intercorrências e conduzi-las;
Orientar o planejamento familiar.
Agendar consulta de puerpério até 42 dias após o parto.
Atenção no puerpério na atenção básica
- Apresente-se, pergunte o nome da mulher e do recém-nascido e atenda-
os com respeito e gentileza;
- Escute o que a mulher tem a dizer, incluindo possíveis queixas, 
estimulando-a a fazer perguntas;
- Informe a ela dados sobre os passos da consulta e esclareça suas 
dúvidas.
 Amniocentese - Exame que recolhe líquido amniótico da placenta.
 Amniotomia - procedimento médico no qual uma ruptura é feita nas 
membranas que envolvem o feto, na tentativa de induzir o parto.
 Bebê a termo - São os nascidos entre a 39ª e a 41ª semana de gestação.
 Bebê pélvico e córmico - No primeiro, o bebê está sentado, com as pernas 
para baixo. Há manobras que tentam virar o feto, Já na posição córmica, ou 
transversal, o bebê está atravessado na diagonal e o parto cirúrgico é 
obrigatório.
 Primigesta é o termo utilizado para uma mulher que tem a sua primeira 
gravidez.
 Primípara - É a mulher que deu à luz a um feto vivo ou morto, pela primeira 
vez.
 Parturiente - Essa mulher que está em trabalho de parto ou que acabou de 
dar à luz.
 O que é Multigesta - Mulher que já esteve grávida mais do que uma vez.
 Secundigesta - Mulher que está na segunda gestação.
https://bebe.abril.com.br/gravidez/quando-e-preciso-fazer-amniocentese/
https://bebe.abril.com.br/maternidade/semana-39-da-gravidez-qual-e-a-dilatacao/
https://bebe.abril.com.br/gravidez/versao-cefalica-externa-vce-conheca-a-tecnica-que-vira-o-bebe-dentro-do-utero/
GOMES, M.L. Enfermagem obstétrica: diretrizes assistenciais. Rio de Janeiro : Centro de Estudos da 
Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2010. 
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao 
pré-natal de baixo risco / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção 
Básica. Brasília. Editora do Ministério da Saúde, 2012.
ZAMPIERI, Maria de Fátima Mota, et al. Curso de Especialização em Linhas de Cuidado em Enfermagem: 
Enfermagem na atenção à saúde materno-fetal: pré-natal. Florianópolis (SC). Universidade Federal de Santa 
Catarina/Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, 2013.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.