A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Tecido Nervoso - Histologia

Pré-visualização | Página 1 de 2

Histologia – Tecido Nervoso 					 29/08/2016 – Fernanda R.
→ Introdução
	O sistema nervoso central, assim como o sistema nervoso periférico, é envolvido por membranas conjuntivas. Essas membranas que revestem o sistema nervoso central (encéfalo e medula) são chamadas de meninges e essas meninges estão organizadas de forma que existem espaços reais/ virtuais entre elas. De dentro para fora são nomeadas como:
· Pia-máter
· Aracnoide 
· Dura-máter
Além disso, externamente a essas membranas, temos ossos. No caso do encéfalo temos a calota craniana e no da medula o canal vertebral – o lugar que abriga a medula espinal. Esse tecido nervoso precisa ficar protegido principalmente por não sofrer regeneração. O neurônio surge do neuroectoderma e a partir do momento em que se diferencia nessa célula, não é mais capaz de sofrer mitose. Então, nós temos o tecido nervoso tanto do sistema nervoso central quando do periférico e eles estão envolvidos. No central temos as meninges e os ossos e no periférico os nervos e gânglios. 
	As células da glia, assim como os neurônios, surgem do neuroectoderma – exceto a micróglia. Grande parte das células surgem desse mesmo folheto. As células gliais, diferentes dos neurônios, podem sofrer mitose ao longo da vida. 
	Quando falamos das células que compõem o sistema nervoso falamos dos neurônios e das células da neuroglia. A neuroglia é um grupo de células que tem função de sustentação, suporte, nutrição e existem subtipos de neurônios e subtipos de células da glia. Alguns neurônios e células da glia são típicos do sistema nervoso central, outros são típicos do periférico. 
	O tecido nervoso é um tecido vascularizado, apresentando pouca matriz extracelular. O conjuntivo encontra-se sempre por fora seja nas meninges, nas cápsulas ou no epineuro. 
O que podemos observar é que o neurônio é uma célula importante do tecido nervoso e tem uma função básica primordial: condução do impulso nervoso. O impulso nervoso é uma onda elétrica, relacionado com os íons (Na+ e K+) quando falamos de despolarização da membrana. Todo neurônio apresenta uma organização básica, sendo dividido em três regiões:
· Corpo celular (o citoplasma é chamado de pericárdio)
· Dendritos
· Axônio
De uma maneira geral, a função do dendrito é a recepção de estímulos enquanto o axônio está relacionado a condução. Morfologicamente, apresentam diferenças. O axônio pode sofrer mielinização e o dendrito não. O axônio, na maioria das vezes ao longo do seu trajeto, não se ramifica – só nos terminais. Em algumas ocasiões existe um colateral, formando aproximadamente um ângulo de 90 graus. Os dendritos se ramificam e sempre são ângulos menores que 90 graus – são estruturas que se ramificam bastante. 
→ Corpo do neurônio
Do corpo, ou seja, do pericário, é de onde vão partir os dendritos e o axônio. Existe uma área no corpo do neurônio de onde sai o axônio, é uma área diferente apresentando poucas organelas sendo denominada cone de implantação. Imediatamente após esse cone de implantação teremos o segmento inicial do axônio, que também é uma área importante que vai conter uma grande concentração de canais que são importantes para o gatilho, o disparo do impulso nervoso.
Quando observamos o corpo do neurônio, notamos que existem algumas “manchas” que denominamos corpúsculos de Nissl ou substância de Nissl. 
A substância de Nissl são manchas basófilas que podem aparecer no corpo do neurônio e nos dendritos. É a área do corpo do neurônio onde há um agrupado de retículos endoplasmáticos rugosos e poliribossomas livres, que são organelas envolvidas na síntese proteica. De uma maneira geral, essas duas organelas são abundantes nos neurônios. 
O núcleo é geralmente único, centralizado, a cromatina permite a visualização do nucléolo. Para empacotar as vesículas formadas, é necessário o complexo de Golgi – sendo esse bastante evidente. Mitocôndrias também são abundantes no corpo, também havendo a presença de retículo endoplasmático liso e lisossomas. O lisossoma está relacionado a degradação, digestão intracelular. Todas essas organelas se concentram no pericário. 
Nem todos os neurônios são iguais. Alguns neurônios apresentam funções específicas, porém o que é observado na maioria dos neurônios são grânulos de lipofuscina. Esses grânulos são restos de lisossomas, estruturas derivadas do lisossoma que se mantém nas células. 
Alguns neurônios produzem hormônios. O hipotálamo, por exemplo, é uma área em que existem neurônios secretores de hormônios. Quando falamos em secreção de hormônios, falamos de oxitocina entre outros, que são hormônio liberados na neurohipófise porém sintetizados por corpos de neurônio provenientes do hipotálamo, núcleos hipotalâmicos. O hormônio chega a neurohipófise através do transporte realizado pelo axônio e só é liberado ao chegar nessa área. 
Outro elemento importante é o citoesqueleto de neurônio. Esse citoesqueleto tem função estrutural. Esse citoesqueleto se correlaciona com o transporte de substâncias, já que no terminal axonal ocorre transporte anterógrado (do corpo para a periferia) e retrógrado (da periferia para o corpo). Esse transporte se dá pelos microtúbulos, já que apresentam relação com as proteínas motoras (inesina e dineína) – esse transporte axoplasmático pode ser anterógrado ou retrógrado. O citoesqueleto também é composto por neurofilamentos. 
Os dendritos apresentam, normalmente, projeções denominadas espículas dendríticas ou gêmulas. Essas espículas são pequenas dilatações e sua função é aumentar a superfície receptora da célula. 
	→ Tipos de neurônios
	Quando se fala em neurônio, é importante ressaltar que existem subtipos do mesmo. Existem várias maneiras de classificação desses neurônios:
· Quanto a forma do corpo: estrelado, piramidal, piriforme, fusiforme.
· Quanto aos seus prolongamentos: a maioria deles é dito multipolar (que apresenta vários dendritos e um axônio).
· Quanto ao tamanho: neurônio Golgi do tipo 1 e neurônio Golgi do tipo 2.
Esses neurônios multipolares estrelados são típicos de algumas áreas, como na medula espinal. Os neurônios piramidais são típicos do córtex cerebral enquanto os piriformes são típicos do cerebelo. 
Existe um neurônio que apresenta um terminal axonal e um terminal dendrítico, sendo denominado bipolar. O neurônio bipolar está presente em algumas áreas, como nos gânglios acústicos, na retina e mucosa olfatória. Um outro neurônio, que apresenta grande importância, é o pseudounipolar. Esse neurônio apresenta um prolongamento que sai do corpo e se bifurca, sendo que um prolongamento irá funcionar como dendrito e outro como axônio. Um irá para o sistema nervoso central (axônio) e outro para a periferia (dendrito) – são morfologicamente iguais. Esses neurônios são exclusivos dos gânglios da raiz dorsal. 
Ao falar da classificação quanto ao tamanho, tem-se que o neurônio Golgi do tipo 1 apresenta um axônio muito longo e único e consequentemente, o pericário também é grande para conseguir manter-se. O neurônio Golgi do tipo 2 apresenta axônio curto e consequentemente um corpo pequeno. Os neurônios secretores, aqueles relacionados com a neurohipófise, são do tipo 1 e os relacionados com a adenohipófise são do tipo 2.
	→ Células da Glia
Como existem subtipos de neurônios, também existem subtipos de células gliais. Dentro desses subtipos, existem outros subtipos. Dentro dessas células da glia temos:
· Astrócitos
· Oligodendrócitos
· Microgliócitos
· Células ependimárias
Essa divisão acaba sendo necessária devido a sua morfologia e sua localização, porém suas funções são as mesmas. O tecido nervoso é um tecido que realiza uma certa segregação, por exemplo, existem áreas onde só é permitida a concentração dos corpos de neurônios e outras em que existirão apenas prolongamentos – sendo denominadas de substâncias cinzenta e branca respectivamente. Essa divisão está presente no cérebro e na medula. Existem ainda núcleos (ponte, mesencéfalo, bulbo, cerebelo e cérebro – núcleos da base) que são agrupamentos de corpos de neurônios