A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
2020.11 - SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

Pré-visualização | Página 1 de 1

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO 
 
 
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO 
Formado por: aglomerados de células nervosas; fibras que saem do SNC através dos 
nervos (craniais e sacrais); gânglios nervosos no curso das fibras. 
Se relaciona com musculatura lisa, com a modulação do ritmo cardíaco e com a 
secreção de algumas glândulas. 
Função: ajustar atividades do organismo p/ manter a constância do meio interno 
(homeostase). 
PARASSIMPÁTICO (ou crânio-sacral) 
- Acomoda o corpo e prepara para repouso e digestão – saciedade 
- Conserva energia metabólica 
- Fibra pré-ganglionar é longa X pós-ganglionar é curta 
- Gânglio parassimpático fica dentro ou próximo da víscera que ele inerva (ex. trato digestivo, plexos Meissner e 
Auerbach) 
- Receptores do parassimpático: nicotínicos e muscarínicos 
SIMPÁTICO (ou divisão toracolombar do SNA) 
- Gânglios formam cadeia vertebral e plexos situados perto das vísceras. 
- Responsável pelo controle involuntário de vários órgãos internos. 
- Prepara o organismo para reagir a situações de medo, stress e excitação, esforço. 
(dilatação pupilar, aumento do diâmetro da traqueia e brônquios, taquicardia, estimulação da produção de adrenalina e 
noradrenalina das glândulas suprarrenais. 
 - SNA Simpático X SNA Parassimpático (ou crânio-sacral) 
 Situação de luta + stress Reações de repouso e digestão 
Anatomia: 
fibras longas – neurônios pré-ganglionares = no tronco encefálico e na medula sacral (S2, S3 e S4) 
 gânglio ciliar 
 pterigopalatino 
 óptico 
 submandibular 
fibras curtas – neurônios pós-ganglionares = próximo ou dentro das vísceras (plexo de Meissner e Auerbach – parede 
do tubo digestivo) 
 Inervação simpática parassimpática 
Coração β1 – taquicardia M2 – bradicardia 
Pupila a1 – midríase M – miose 
 
 
 
SINAPSE - Fisiologia 
 
 
 
 
 
 
Sinapses elétricas (eventos cardíacos e neurais) 
- Sinapses químicas 
- Fibra pré-ganglionar faz sinapse com número 
relativamente pequeno de fibras pós-ganglionares. 
- Corpo celular neurônio pré-ganglionar na medula 
ou sacral 
- axônio longo pré-ganglionar 
- transmissor ganglionar = acetilcolina / receptor 
ganglionar = nicotínico 
- axônio curto pós ganglionar 
- transmissor junção neuroefetora = acetilcolina 
- receptor junção neuroefetora = muscarínico 
 
 
 
Potencial de REPOUSO 
Potencial de AÇÃO: - despolarização 
 - repolarização 
 - hiperpolarização 
Período refratário (membrana em descanso) 
Neurotransmissores (é liberado e vai ser reconhecido 
pelo receptor, promovendo ação excitatória ou inibitória) 
Receptores (na proteína – local que reconhece o 
neurotransmissor) 
Mecanismo de ação (excitável ou inibitório) 
Ação (PEPS – potencial pós-sináptico 
excitatório/ PIPS – potencial pós-sináptico) 
Efeito – contrai ou relaxa ex. aumento ou diminuição 
frequência cardíaca 
 
- Iniciam com um estímulo que ativa um receptor 
sensitivo 
- o receptor envia a informação sob a forma de PA 
(potencial de ação – corrente elétrica), através de 
neurônios sensitivos (aferentes) para o SNC. 
- integração 
- a resposta ocorre em função de PA que 
percorrem neurônios eferentes até o efetor. 
 
1 – Potencial de membrana em repouso. 
2 – Estímulo despolarizante. 
3 – Membrana despolarizada até o limiar (canais de 
Na+ controlados por voltagem se abrem rapidamente e o 
Na+ entra na célula. Os canais de K+ controlados por 
voltagens começam a se abrir lentamente). 
4 – Entrada rápida de Na+ despolariza a célula. 
5 – Os canais de Na+ se fecham e os canais de K+ 
mais lentos se abrem. 
6 – O K+ se move da célula p/ o líquido extracelular. 
7 – Os canais de K+ continuam abertos e mais K+ 
deixa a célula, hiperpolarizando-a. 
8 – Os canais de K+ controlados por voltagens se 
fecham e menos K+ sai da célula. 
9 – A célula retorna à sua permeabilidade iônica de 
repouso e ao potencial da membrana em repouso 
 
- neurônios respondem às alterações do meio (estímulos) com modificações do potencial elétrico entre superfície 
externa e interna da membrana celular. 
- substância branca – corpos celulares de neurônios + glia 
- substância cinzenta – prolongamentos de neurônios + glia 
- mielina envolve axônios 
 
Potencial de membrana (duração 5ms) 
- O neurônio recebe o estímulo causando impulso 
nervoso enquanto a membrana está no potencial de 
repouso. 
- Canais iônicos se abrem Na+ entra em um fluxo rápido 
que modifica o potencial de repouso de -65mv para 
+30mv (potencial de membrana). 
- Quando o axônio se torna positivo em relação ao meio 
extracelular (promove a extrusão de 
neurotransmissores) origina o potencial de ação ou 
impulso nervoso. 
- Canais iônicos se fecham e a membrana axônica se 
torna impermeável a este íon. Potássio entra e o 
potencial de membrana volta a ser de -65mv, terminando 
assim o potencial de ação. 
 
- Função: transformar. 
Sinal elétrico do neurônio Sinal químico que atua na célula 
 Pré-sináptico Pós-sináptica 
- Local de encontro entre neurônios e outras células 
(musculares e glandulares). 
- A sinapse transmite a informação da liberação de 
neurotransmissores, que se combinam com proteínas 
receptoras. 
terminal pré-sináptico = terminal axônico 
 fenda pós-sináptica 
terminal pós-sináptico = superfície outra célula 
- Sinapse pode ser – axossomática 
 – axodendrítica 
 – axoaxônica 
 
 
- Feixes de fibras nervosas envolvidas por tecido conjuntivo. 
- Fibras nervosas = constituídas por um axônio e suas 
bainhas envoltórias. 
- Grupos de fibras nervosas formam feixes ou tratos do 
SNC e os nervos do SNP. 
- Fibras mielínicas = complexo lipoproteico que envolve os 
axônios quando célula de Schwann se enrola em volta do 
axônio – Mielina 
- As interrupções da bainha de Mielina são chamadas de 
Nódulos de Ranvier. 
- Nervos são esbranquiçados porque em seu conteúdo 
temos mielina e colágeno. 
- Estabelecem comunicação entre células nervosas e órgãos 
da sensibilidade e efetores. 
reveste o nervo e preenche espaços 
entre feixes de fibras nervosas. 
cada feixe é revestido por uma bainha 
de várias camadas de células achatadas. Mecanismo 
de defesa contra agentes agressores. 
 envoltório conjuntivo constituído por 
fibras reticulares sintetizadas pelas células de 
Schwann envolvendo os axônios. 
 
Nervos sensoriais – contém apenas fibras de sensibilidade 
(aferentes). 
Nervos motores – formados apenas por fibras que levam 
mensagem dos centros p/ os efetores. 
*a maioria é misto fibras mielínicas e amielínicas 
- Acúmulo de neurônios fora do SNC. Esféricos 
protegidos por cápsulas conjuntivas e associadas a 
nervos. 
Podem ser: 
SENSORIAIS – recebem fibras aferentes que levam 
impulsos ao SNC : - cranianos (associados aos nervos 
cranianos) 
 - espinais (localizados nas raízes 
dorsais dos nervos espinhais) – grandes corpos neuronais 
com muitos corpos de Nissl e circundados por célula glia 
= células satélites. 
DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO – formações 
bulbosas ao longo dos nervos do SNA; alguns dentro de 
órgãos ex. tubo digestivo.