A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
39 pág.
Estudos Socioantropologicos - UNID2

Pré-visualização | Página 1 de 11

Estudos
Socioantropológicos
UN
ID
AD
E 
2
Sociedade
e Cultura:
sociodiversidade e 
multiculturalismo
Nesta unidade, abordaremos a complexidade das relações entre o homem 
e o mundo, com a finalidade de compreender a diversidade social e cultural 
das sociedades contemporâneas. 
Iniciaremos com o estudo das Instituições e Grupos Sociais, com o objetivo 
de explorar as interações entre indivíduo e sociedade, a fim de apreender 
a dinâmica das relações sociais. Em seguida, abordaremos as questões 
relativas à cultura, com intuito de conhecer os processos de mudanças 
culturais, tais como aculturação, assimilação, sincretismo, hibridação e 
transculturação em um contexto socio-histórico dinâmico marcado pelos 
processos de mundialização.
Na sequência, trataremos das migrações, da urbanização e da violência, da 
inclusão/exclusão e dos novos movimentos sociais, objetivando compreender 
as desigualdades no contexto marcado pela sociodiversidade. Por fim, 
estudaremos o multiculturalismo, para entender a lógica dos pertencimentos 
e das identidades. 
Estudos Socioantropológicos Graduação | UNISUAM 
2
2
T1
Assim, organizados em tópicos, estudaremos os seguintes assuntos:
T1. Instituições e Grupos Sociais.
T2. A Cultura e as Sociedades Humanas.
T3. Dinâmicas Sociais Complexas: migrações, urbanização, violência, inclusão/
exclusão e novos.
T4. Cultura Contemporânea, Pertencimentos e Identidades: o local e o global, 
etnicidades.
Desejamos que esses assuntos possibilitem a visão geral da sociedade e 
cultura, com temas instigantes para um complemento do conhecimento.
Vamos lá?
Instituições e Grupos Sociais
A Sociologia surgiu em um contexto marcado por um longo processo 
de transformações sociais, que culminou com o advento da sociedade 
moderna assentada no modo de produção capitalista. Nesse contexto 
conturbado, marcado pelas revoluções que modificaram as ideias, as 
relações econômicas e as formas de organização política, os três principais 
precursores da Sociologia, Marx, Durkheim e Weber, voltaram suas reflexões 
para essa nova realidade, a fim de compreender as relações sociais que a 
partir de então se estabeleceram. 
Enquanto ciência social, a Sociologia procura estudar e compreender como 
as relações sociais se dão no interior da sociedade, como os indivíduos 
são inseridos no meio social em que vivem, como ocorre o processo de 
socialização.
Fo
nt
e
: Q
u
e
co
n
ce
ito
É FUNDAMENTAL, PORTANTO, COMPREENDER O PAPEL E A FUNÇÃO 
DOS GRUPOS SOCIAIS E DAS INSTITUIÇÕES SOCIAIS NA SOCIALIZAÇÃO 
DOS INDIVÍDUOS E NAS FORMAS DE ORGANIZAÇÃO SOCIAL. 
3
Unidade 02 Sociedade e Cultura: sociodiversidade e multiculturalismo
Os cientistas sociais, ao se debruçarem sobre a realidade, não ignoraram a 
relação indivíduo e sociedade. Vimos que Marx deu prioridade às relações 
antagônicas entre as classes sociais no interior da sociedade capitalista e 
como essas determinam a existência de ambos. Durkheim deu ênfase às 
forças coercitivas da sociedade sobre os indivíduos e como estas os ajustam 
às normas, às regras e aos valores das instituições sociais. Weber, pelas ações 
sociais, demostrou como os indivíduos são influenciados pelo meio em que 
vivem e como, ao agirem, modificam a própria sociedade. 
Em suma, o ser humano, enquanto indivíduo, é compreendido pela Sociologia 
a partir de sua inserção nas instituições e grupos sociais e a partir das relações 
sociais que estabelece na sociedade. Portanto, voltaremos, especificamente, 
às Instituições Sociais e aos Grupos Sociais.
A Sociedade e as Instituições Sociais 
Viver juntos não é tarefa simples, mas complexa. Cada um de nós enquanto 
indivíduo possui sonhos, desejos, objetivos distintos na vida, porém para realizá-
los necessitamos da sociedade, ou seja, das relações que desenvolvemos com 
outros indivíduos, com os grupos dos quais participamos e as instituições que 
integram a sociedade.
Caso pudéssemos viver sós, fôssemos autossuficientes, não necessitássemos 
do meio social para nos socializarmos, não haveria necessidade dos laços 
sociais e das formas de solidariedade social, e tampouco trataríamos da 
interdependência que nos liga uns aos outros, tão fundamental para tecer 
os fios que tramam o tecido social e que caracterizam a complexidade da 
sociedade. 
O que é a complexidade? A um primeiro olhar, a complexidade é um tecido 
de constituintes heterogêneas inseparavelmente associadas: ela coloca o 
paradoxo do uno e do múltiplo. Num segundo momento, a complexidade 
é efetivamente o tecido de acontecimentos, ações, interações, retroações, 
determinações, acasos, que constituem nosso mundo fenomênico (MORIN, 
2007, p.13). Ou seja, para o autor, complexo, na perspectiva da natureza da 
sociedade, é tudo aquilo que é tecido junto.
Antagônico é um adjetivo masculino 
que significa contrário, adverso, 
incompatível, contraditório, divergente, 
rival. Exemplo de antagonismos: 
guerra e paz, amor e ódio.
Fo
nt
e
: W
ik
im
e
d
ia
 C
o
m
m
o
n
s
Estudos Socioantropológicos Graduação | UNISUAM 
4
A Sociologia, enquanto ciência da sociedade, interessa-se em desvendar as 
relações que os indivíduos tecem no interior dos grupos e das instituições 
sociais a fim de revelar a complexidade do real. Estudar os fenômenos sociais 
do nosso mundo permite-nos compreender melhor as dinâmicas sociais, ou 
seja, os mecanismos de produção, conservação e reprodução sociocultural para 
transmiti-los às futuras gerações, bem como compreender os processos de 
mudança e transformação resultantes da ação dos atores sociais em seu meio. 
Frente ao complexo sistema de relações sociais que os indivíduos tecem em 
sociedade, muitas dessas relações são estruturadas de forma duradoura e 
definidas por comportamentos padrões, por vezes repetitivos e rotineiros, 
regidos por normas, hábitos e valores específicos de um grupo, de uma 
comunidade ou de uma sociedade. 
Essas relações rotineiras, que se repetem com regularidade, são características 
próprias das instituições sociais presentes em uma sociedade. Segundo 
Dias (2010, p.201), a “instituição social é um sistema complexo e organizado 
de relações sociais relativamente permanente, que incorpora valores e 
procedimentos comuns e atende a certas necessidades básicas da sociedade”.
Determinadas instituições sociais são consideradas fundamentais para 
organização da vida social e para o funcionamento das sociedades, dentre 
elas destacamos a instituição familiar, a religiosa, a educacional, a econômica, 
a política, que são consideradas básicas. 
Além das instituições sociais consideradas básicas há outras, como as 
instituições voltadas para a saúde, o esporte, o lazer, a cultura, a comunicação, 
mas que não deixam de ser tão importantes quanto as primeiras.
As instituições sociais surgem espontaneamente ao longo do tempo, se 
desenvolvem de forma gradativa de acordo com as necessidades de um 
determinado povo ou sociedade. Assim, em determinadas sociedades, podemos 
encontrar instituições sociais que exibem maior complexidade nas formas de 
organização e de institucionalização das relações sociais que em outras.
Em suma, nas instituições sociais as atividades se tornam rotineiras e comuns a 
todos; nelas estão implicadas uma série de normas, regras e comportamentos 
que determinam as relações sociais entre os indivíduos que delas participam. 
É por meio das instituições sociais que a sociedade, no seu conjunto, procura 
atingir os seus objetivos. 
Denominamos institucionalização o processo pelo qual certas atividades vão 
adquirindo padrões e rotinas. [...] A institucionalização desenvolve um sistema 
regular de normas, status e papéis sociais que são aceitos pela sociedade. Com 
a institucionalização o comportamento espontâneo e imprevisível é substituído 
pelo comportamento regular e previsível (DIAS, 2010, p.203).
5
Unidade 02 Sociedade e Cultura: sociodiversidade e multiculturalismo
As Instituições Sociais e Suas Funções
Segundo Dias (2010) é importante ressaltar que as