A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Planejamento Familiar - Dispositivos Intrauterinos

Pré-visualização | Página 1 de 1

Priscila Behrens 2020.2 
Planejamento Familiar – DIUs 
 
 
 
Conceito: 
• Conjunto de ações que auxiliam homens e mulheres a planejar a chegada 
dos filhos, e a prevenir gravidez não desejada. É regido pela lei federal 
9.236/96, onde diz que o planejamento familiar é direito de todo o cidadão 
e se caracteriza pelo conjunto de ações de regulação da fecundidade que 
garanta direitos iguais de constituição, limitação ou aumento da prole pela 
mulher, pelo homem ou pelo casal. 
• O estado não pode interferir no número de filhos que o casal pode ter, 
como acontece na China. 
 
 
Dispositivos Intrauterinos: 
 
Forma de administração: Intrauterina. 
 
DIU DE COBRE: 
 
Conceito: 
• É uma pequena estrutura de plástico flexível com a forma da letra “T” com 
um fio de cobre na haste vertical do T e tubinhos de cobre em cada braço 
horizontal; 
• A inserção intrauterina deve ser realizada por profissional de saúde 
especificamente treinado; 
• Ofertado pelo SUS; 
• Validade de 5-10 anos. 
 
Mecanismo de ação: 
• Desencadeamento da reação de corpo estranho pelo endométrio (pelos 
sais de cobre e o polietileno); 
• O DIU libera uma pequena quantidade de metal afim de estimular a 
produção de prostaglandinas e citocinas no útero. Como resultado, forma-
se uma “espuma” biológica na cavidade uterina, que possui efeito tóxico 
sobre os espermatozoides e óvulos, alterando a viabilidade, o transporte 
Priscila Behrens 2020.2 
Se a paciente possui o DIU e 
desenvolve uma DIP, primeiro faz-
se tratamento com antibiótico e 
caso a inflamação não melhore, é 
necessária a remoção do DIU. 
e a capacidade de fertilização – além de dificultar a implantação por meio 
de uma reação inflamatória endometrial crônica; 
 
Indicações: 
• Mulheres que procuram métodos reversíveis de longa ação; 
• Uso inconsistente do método atual (que depende da disciplina da usuária 
para a eficácia garantida), ex: a pílula; 
• Pode ser indicado para pacientes nulíparas (que nunca tiveram filhos), 
inclusive adolescentes. 
 
Contraindicações: 
• Absolutas: 
o Gravidez; 
o DIPA ou DST atual, recorrente ou recente (últimos 90 dias); 
o Sepses puerperal; 
o Imediatamente pós-aborto séptico; 
o Cavidade uterina severamente distorcida, por mioma ou 
malformações; 
o Hemorragia vagina inexplicada; 
o Câncer cervical ou endometrial; 
o Doença trofoblástica maligna; 
o Alergia ao cobre. 
 
• Relativas: 
o Fatores de risco para DSTs, como paciente com multiplus 
parceiros; 
o Pacientes imunodeficientes; 
o Logo após o parto, pois o útero leva cerca de 48h a 4 semanas 
pós-parto para voltar ao seu tamanho normal e a chance de 
expulsão é maior; 
o Doença trofoblástica benigna. 
 
Efeitos adversos: 
• Pode oxidar e acabar corroendo o interior do útero – casos raros; 
• Aumento do fluxo menstrual; 
• Aumento dos dias de menstruação; 
• Aumento da dismenorreia. 
 
 
 
Priscila Behrens 2020.2 
DIU DE PRATA: 
• É uma versão mais moderna do DIU de cobre e foi desenvolvido para 
amenizar alguns efeitos adversos do DIU de cobre, como o aumento do 
fluxo menstrual (devido à inflamação endometrial) e a dismenorreia; 
• Possui sais de prata e de cobre na sua composição; 
• Mecanismo de ação igual ao do DIU de cobre; 
• 
• Validade de 5-10 anos. 
 
 
DIU HORMONAL: 
• Consiste em um pequeno dispositivo (32mm) em forma de “T” que é 
inserido dentro do útero e que contém um reservatório com levonorgestrel 
(52mg) ao redor da haste vertical – componente progestagênico. 
• Nome no mercado: MIRENA; 
• Validade de 3-5 anos. 
 
Mecanismo de ação: 
• Exerce um efeito antiproliferativo no endométrio, tornando-o não receptivo 
à implantação por ficar mais fino; 
• Não tem passagem hepática; 
• Altera a secreção e a peristalse das trompas de Falópio, dificultando o 
transporte do espermatozoide e do embrião até o útero. 
 
Contraindicações: 
• Câncer de colo uterino; 
• Câncer endometrial; 
• Câncer de mama; 
• Mioma submucoso ou alguma malformação uterina (septo, útero bicorno) 
com distorção da cavidade; 
• Estenose cervical; 
• Doença Inflamatória Pélvica ativa; 
Priscila Behrens 2020.2 
• Infecção puerperal ativa; 
• Pacientes com sintomas ativos de SOP. 
 
Efeitos adversos: 
• Aumento de peso; 
• Cefaleia; 
• Tontura; 
• Mudança de humor (nervosismo e depressão); 
• Dores nas mamas; 
• Queda de cabelo (pouco frequente); 
• Hirsutismo (pouco frequente); 
• Fadiga; 
• Aumento de apetite; 
• Acne e oleosidade da pele; 
• Amenorreia. 
 
MINI DIU HORMONAL: 
• Versão mais nova do DIU Mirena, produzido especialmente para 
pacientes que possuem um volume uterino menor por sua haste ser 
menor (28mm); 
• Também possui menor dose hormonal de levonorgestrel (19,5mg) do que 
o Diu Mirena; 
• Nome no mercado: KYLEENA; 
• Validade: 3-5 anos; 
• Embora seja mini, possui a mesma eficiência contraceptiva que o Diu 
Mirena; 
• Pode ter mais sangramentos de escapes por conta da baixa dose de 
progesterona – levonorgestrel.