A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
FREUD - LACAN - PSICANÁLISE - RESUMO - DISCURSO DA HISTÉRICA - DISCURSO DO MESTRE

Pré-visualização | Página 1 de 3

Castro Alves tinha um amigo chamado PENHA. Eles foram para um
bordel, pois tinham esse hábito. Imaginem um lugar retangular ou
quadrado, um pavimento, nessa parte de baixo há pessoas bebendo,
fumando, conversando. As mulheres circulando entre eles, na parte de
cima no segundo andar, eram onde ficavam os quartos ou cabines
privados. Parte de baixo mais pública e a de cima mais privado. Quem
estava em baixo olhando para cima conseguiria ver quem estava em
cima. No segundo andar era onde acontecia as intimidades das
pessoas. 
O PENHA tinha interesse por uma determinada mulher e penha procurou
pela mulher e subiu, após invadir alguns dos quartos, encontrou a
sua puta predileta, de repente, ela está com um homem tendo suas
intimidades e ao ver a cena ele é tomado pela paixão, invade a cena
e começa a briga homérica.
Começam a brigar PENHA e esse homem desconhecido, nessa briga de
socos, empurrões, chutes, o Castro Alves estava assistindo tudo vê 
 o PENHA caindo lá de cima, e com base nisso chega a essa
formulação: "Eis o homem que despenca por uma mulher que se
disputa". 
Isso é o que chamamos de Chistes, uma formação do inconsciente
porque é uma puta e ele estava disputando a puta. Que se disputa.
Uma mulher que se disputa. 
Isso é o que se trabalha quando estamos ouvindo as palavras. É
exatamente desta lógica que o analista trabalha, o que que está ali
como significantes desta história, O paciente está falando os
significantes que estão em jogo naquela história, e eisso que
precismos deixar em evidêcia, para que as pessoas que nos prodcuram
possam conhecer um pouco sobre seu desejo, O desejo é o tema central
(nas cinco lições). 
 
O Analista não escuta de forma consciente, ele deve ouvir de maneira inconsciente, e isso não tem a
ver com sua história, a história dos seus traumas, mas com a história que ele aprende no divã. Ele
aprende que o inconsciente é estruturado como uma linguagem. E se o trabalho do analista é interpretar,
analista só interpreta. 
Clínica Psicanalítica
@Mentologikas - Resumos de Eliane Cavalcante
SIGMUND FREUD OBRAS COMPLETAS VOLUME 10 - AULA 11.11.2020
Revisão da aula anterior
Atualmente nas Redes sociais nós temos os memes, gifs, que são cheios de duplo sentido.
Estamos orientados na realidade consciente mas há um transbordamento. Estamos numa linha mas
escapulimos um pouco dela. O chiste é uma expressão inconsciente. Que tem a ver com a linguagem, com
o duplo sentido. O que que você quis dizer com isso, pode estar numa palavra, numa frase, uma frase
pode ser um significantes, Nós trabalhamos (analistas) com um significante. 
Duplo sentido - Chistes
Castro Alves
"Eis o homem que
despenca por uma
mulher que se
disputa".
OBS -Semana que vem: texto do Antonio Quinet - As funções das entrevistas preliminares. 
Toulousse-Lautrec foi um dos pintores que
melhor retratou as mulheres e os bordéis
franceses do fi nal do século XIX. Na
imagem, uma cena do salão da rue des
Moulins, em Paris (1894)
Página 151 - Edição Física - Letra - último Parágrafo da letra A.
o ERRO nesse processo de recordar sucede apenas em momentos e circunstâncias em que somos
perturbados pelo envolvimento pessoal. Pois quando somos analistas nós não somos quem somos, não
estamos ali como sujeitos, não estamos como EU, estamos como objetos. 
Que objeto é esse? 
o seio, fezes, olhar e voz, que são objetos pulsionais que a gente perde quando a gente entra na
linguagem e essa perda é traumática. Tem crianças que não conseguem fazer cocô. Essa é nossa
primeira produção. 
O analista faz-se de semblantes desses objetos. O analista não está como imagem, não está sendo
visto pelo paciente. O analista coloca um objeto pulsionais que é a voz. O analista escuta e que faa
é a voz. E ser semblante do objeto A é causar o desejo da paciente e do paciente. pois são com
esses objetos pulsionais que o sujeito produz os seus sintomas. 
Essa troca vamos colocar na parte de cima, alguém ocupa esse lugar que a gente chama de AGENTE
reparem que tem uma barra das extremidades. Onde existe agente e o outro. LACAN chama esse outro de
trabalho e também de gozo, existe uma seta que chamamos de IMPLICAÇÃO (termo matemático) o agente
implica o outro a trabalhar sobre seu gozo. Isso aqui é o LAÇO SOCIAL.
Em baixo das duas barras está a verdade e do outro lado a produção. LACAN chama de IMPOTÊNCIA.
Nenhuma produção feita por esse outro responde a essa verdade que se encontra na base daquilo que
impulsiona o agente a implicar o outro uma produção. Essa relação não é circular, parece circular.
LACAN criou por que o FREUD tem um texto que fala que existem três profissões impossíveis:
governar, educar e psicanalisar no sentido da cura.
OBS -Semana que vem: texto do Antonio Quinet - As funções das entrevistas preliminares.
discurso histérico e o discurso analítico - Que o LACAN constrói, para pensar os laços sociais, todas
as formas de laços sociais, todas as formas de relacionamento humanos (as), o Lacan topologizou, deu
lugares para isso, esse quadrídope (estrutura de quatro lugares) que estão em todos os discursos, o
que faz o discurso mudar são as letras que estão nesse discurso. Ou matema (esquemas topológicos do
LACAN.
Igual ao trabalho acadêmico, extrai da fala do paciente
e devolve o que ele falou só que com a enunciação da
analista(a) 
Lacan: O desejo do analista é sua enunciação. O modo
como ele enuncia faz ouvir o que não se queria saber. 
uma forma de laço social. Uma forma de se relacionar. Nós nos relacionamos, somos
humanos, nos relacionamos uns com o outros.
Frase que está comprimida numa
palavra. Está aprisionada numa
palavra 
Clínica Psicanalítica
@Mentologikas - Resumos de Eliane Cavalcante
Holófrase Interpretação da citação
Discurso histérico e Discurso analítico
Discurso
E
xp
lic
aç
ão
Todo o agente baseado numa verdade obtem do
outro uma produção, produçao essa que não tem
nenhuma relação com a verdade. 
SIGMUND FREUD OBRAS COMPLETAS VOLUME 10 - AULA 11.11.2020
Discurso do
Mestre:
O que o FREUD diz como é impossível educar, o LACAN chamou a
impossibilidade de governar como discurso do mestre (que ele pega dos
senhores de escravo com Hegel e Karl Marx). 
Discurso analítico O que é impossível de psicanalisar é o discurso analítico.
Quem leu o caso Dora entende esse esquema que o LACAN
construiu.
O S barrado é o sintoma, é a pessoa que está sofrendo de um
sintoma, reparem que há uma barra, por que o S barrado quer
dizer que o sujeito é dividido. Há um parte desse sujeito
que ele perdeu quando ele entrou na linguagem (ou seja, ou
objetos pulsionais). 
 
Freud e as profissões impossíveis: 
 
Que estão nesse azinho, esse azinho aqui que está ocupando lugar da verdade são os objetos de gozo, o
seio, fezes, olhar e a voz. É com essa verdade aqui, que o paciente vai produzir um sintoma. 
LEITURA FREUDIANA: O sintoma é uma satisfação pulsional substituta, a satisfação pulsional não pode
acontecer (não posso ficar ali grudado fazendo relação sexual com seio, fezes, olhar e voz. Eu preciso
perder esses objetos para entrar na linguagem. Quem trabalha com a psicose sabe das questões que
envolve as alucinações visuais e alucinações auditivas, esses objetos que não entram na linguagem , que
invadem o sujeito. 
Todo o agente baseado numa verdade obtem do outro uma produção, produçao essa que não tem nenhuma relação com
a verdade. 
LACAN diz que é impossível esvaziar o desejo > ele chama isso de DISCURSO
HISTÉRICO. Impossibilidade de satisfazer o desejo.
Discurso
universitário:
Clínica Psicanalítica
Governar: todos sabem que não se governa.
Educar e
Psicanalisar no sentido da cura.
Discurso da histérica: 
@Mentologikas - Resumos de Eliane Cavalcante
Discurso histérico: 
O que é impossível de educar: LACAN chama de discurso universitário.
seio fezes olhar voz
SIGMUND FREUD OBRAS COMPLETAS VOLUME 10 - AULA 11.11.2020
Todo sujeito histérico tem uma relação com o mestre. 
E O QUE ESSE SUJEITO HISTÉRICO ELE QUER COM O MESTRE?
Ele quer uma relação com