A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Introdução ao Estudo do Direito

Pré-visualização | Página 1 de 2

PROVA IED
 
1) No que tange às diferentes potencialidades do direito, desenvolva o argumento apresentado a
seguir: “o direito contém, ao mesmo tempo, as filosofias da obediência e da revolta”.
 
O direito é caracterizado por ter sido, historicamente, um dos principais pilares a sustentar a atividade
estatal, sua legitimação e controle das massas e a mediação das interações sociais dos mais diversos
gêneros.
 
2) Comente os pontos que a partir do texto do D.Dimoulis são apresentados como convergências
entre as diversas definições sobre o que é o direito. Nesse contexto, quais as implicações do debate sobre
a universalidade do direito?
 
A universalidade do direito suscita-o como fonte da ordem social. Mesmo que em cada época haja um
direito próprio, todas as sociedades contam com a existência do direito. O ponto em comum que garante
que o sistema normativo não deixe de ser o direito corresponde à fundamentação deste na natureza
humana, “pois somente as regras, as sanções e a coerção permitem a convivência social pacífica”; A
universalidade do direito tem uma fundamentação antropológica exemplificada por Hobbes: tem como
propósito evitar o ‘estado de natureza’ humano em que a vida em sociedade não seja concebível.
No entanto, as discordâncias deste ponto de vista universalista propõem que é extremamente genérico
caracterizar e considerar de mesmo peso os códigos sociais e regras de comportamento e as leis na
concepção positivista. Tal ato causaria uma perda de sentido do que seria direito, devido a uma
definição tão ampla. Não há como afirmar com precisão que toda sociedade já existida contava com a
existência de um sistema jurídico. Pressupõe-se desta forma para que o direito moderno possa ser
legitimado e se torne incontestável, absolutamente necessário, como se não houvesse a possibilidade
de uma sociedade sem o mesmo. O conceito de direito em questão pode ser reduzido à compreensão
ocidental, de características inerentes às sociedades capitalistas, não podendo ser comparado às
normas de comportamento se sociedades do passado.
 
DIMOULIS
 
3) No campo da dogmática do direito, N. Bobbio estabeleceu um sistema de classificações a partir
de distinções amplas, chamadas de grandes dicotomias. Comente sobre as mesmas e apresente exemplos.
 
Sendo uma área de vasta abrangência e de dimensões que se relacionam com as mais variadas
problemáticas e complexas razões sociais, o direito apresenta diretrizes nas quais se personificam
dicotomias cuja discussão é de primordial importância para o entendimento de suas ordenações,
permitindo sua sistematização mais concreta e clara, sendo as principais delas o Direito público vs
privado, que remonta a uma distinção já apresentada no direito romano germânico. Coagido pela
necessidade de sobrevivência, o homem exercia atividades de labor na busca de alimento e ações que
somente supriam suas necessidades particulares, determinando o campo privado. A ação política na
pólis, por outro lado, delegada entre iguais, estendia-se a um campo mais abstrato, da arte política de
governar, do discurso, da liberdade das ideias, assim delimitando a esfera pública. Enquanto ação e
labor denominavam-se como processos contínuos, o trabalho delimitava início, meio e objetivo final,
sendo aquele exercido especialmente pelas atividades mercantis. Público, portanto, era tido como local
da ação e reunião de homens livres, enquanto o privado área de abrangência do labor e atividades
voltadas à sobrevivência. Na Idade Média, tal cissão torna-se mais esfumaçada e de difícil distinção.
Será na Idade Moderna que esta dicotomia ganhará novos arquétipos, a partir da relação que se faz
entre esfera pública e mercado, como um espaço coletivo de socialização. Há porém, uma nova
necessidade de elemento distintivo entre as esferas, papel que passa a ser assumido pelo Estado.
Figura de autoridade soberana, torna-se sinônimo da defesa neutra do coletivo e coerção normativa
para a imposição de um determinado ordenamento social amplo e administrativo, no entanto também no
âmbito privado, voltado à defesa dos direitos individuais e da propriedade. Como exemplo, pode-se
colocar a questão da taxação sobre grande fortunas. O Estado pretende arrecadação tributária
proporcional à riqueza do indivíduo para manutenção de suas atividades, que beneficiam toda a
população sob sua tutela. O indivíduo, por outro lado, clamará muitas vezes pelo seu direito privado a
tal propriedade, seja pela meritocracia ou uma série de outros argumentos.
Outra grande dicotomia abordada seria a questão do Direito objetivo vs subjetivo: Derivada da
polissemia característica da palavra direito, distinguida em inglês entre right e law. Com a aquisição, por
influência cristã, de uma nova concepção de liberdade, que não mais se define, como acontecia na
Antiguidade, a um status social de condição política, mas à individualidade e seu livre arbítrio. A partir
desta chave conceitual delimita-se uma nova forma de realizar a ação do aparato jurídico.
Enquanto o direito objetivo se restringe como uma disposição clara das leis postas pelo Estado,
ordenamentos de leis expressas que delimitam com especificidade aquilo que não é legitimado na ação
em esfera sob tal autoridade, o direito subjetivo é descrito, por muitos autores, como sendo o poder ou
domínio da livre vontade do homem, que o ordenamento protege e confere, o interesse defendido com
respaldo na lei definida pelo direito objetivo. Seria o caso do famoso exemplo “eu tenho direito de
propriedade/eu tenho direito a esta propriedade”, no qual a objetividade latente das leis explícitas
garantem o direito sob determinadas circunstâncias à propriedade e, na subjetividade de suas
faculdades, o indivíduo expressa seu desejo particular sobre a propriedade, cuja realização é
respaldada pela estrutura jurídica precedente.
 
4) Oponha a ideia de direito natural àquela de direito positivo. Em que sentido se pode afirmar
que a polêmica entre o jusnaturalismo e o positivismo jurídico gira em torno da relação entre direito e
moral?
 
O jusnaturalismo defende que além do Direito escrito, existe uma ordem superior que é a do Direito
justo. É a ideia do Direito perfeito que deveria servir de modelo para o legislador. Fundamentado na
natureza humana e no fim a que esta tende a realizar, o jusnaturalismo mobiliza o Direito Natural, que
expressa a justiça provinda das evidências da dimensão social humana e estabelece seus princípios a
partir de três caracteres: o Direito Natural deve ser eterno, imutável e universal. Isto porque, sendo a
natureza humana a grande fonte desses Direitos, ela é, fundamentalmente, a mesma em todos os
tempos e lugares. A função moderna do Direito Natural é traçar as linhas dominantes de proteção ao
homem, para que este tenha as condições básicas para realizar todo o seu potencial para o bem. “Os
partidários da ideia do Direito Natural, levantam uma bandeira de reivindicação, no sentido de colocar o
Direito Positivo em harmonia com a ordem natural. O jusnaturalismo revela-se, assim, como um meio ou
instrumento a atacar todas as formas de totalitarismo.”
A ideia do Direito Natural tem sido apresentada em dois níveis: como ontologia e deontologia. Os
jusnaturalistas que defendem o Direito Natural ontológico admitem o Direito Natural como ser do Direito,
como o legítimo Direito. Os jusfilósofos partidários do Direito Natural deontológico representam esse
Direito apenas como um conjunto de valores imutáveis e universais, mais identificados com a Ética. Os
críticos do Direito Natural tendem a se ater mais ao Direito Positivo. Estes utilizam do monismo jurídico,
que reduzirá o Direito a apenas a ordem jurídica positiva. Para o positivismo, devem-se valorizar apenas
os fatos concretos da realidade observável e comprovados pela experiência, rejeitando toda abstração e
metafísica. Desta forma, o Direito Positivo se aproxima mais da moral, que é composta das regras
efetivas que orientam o viver humano e determinam o que é certo

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.