A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Digestão e metabolismo de carboidratos

Pré-visualização | Página 1 de 1

Odontologia - 1º semestre 
 
Digestão e metabolismo de carboidratos 
 O que é digestão? 
É um conjunto de reações químicas que ocorrem no tubo digestivo, transformando moléculas 
complexas em moléculas simples. 
 
 digestão 
 
 
 
 
Células epiteliais 
- liberam: enzimas 
- absorvem: açúcar 
 
 circulação 
 
 
 
 
 
 
 Digestão de carboidratos: 
 
Amido → amilase → Maltose → maltase → glicose 
Pão glicoses 
gli-gli livres 
 
Enzima amilase: 
Boca - glândulas salivares 
Intestino – produzidas pelo pâncreas 
 
 No sistema digestório: 
 
Amido (gli-gli-gli) → amilase → gli gli gli 
Sacarose (gli-fru-gli) → sacarase → gli fru gli 
Maltose (gli-gli-gli) → maltase → gli gli gli 
Lactose (gli-gal-gli) → lactase → gli gal gli 
 
Açúcar → enzimas → glicoses livres 
 
 Metabolismo de carboidratos: 
 
- Transporte de glicose → entrada nas células → metabolismo celular 
- Para entrar nas células, os açúcares precisam de transportadores (GLUT e SGLUT) 
 
 Transportadores de glicose: 
 
GLUT 
 
- 14 tipos 
- A favor do gradiente de concentração (transporte passivo) 
- Transportam apenas glicose (açúcar) 
- GLUT-4 depende da insulina 
 
 
 
Moléculas complexas: 
 Polissacarídeos 
 Triglicerídeos 
 Proteínas 
 
Moléculas simples: 
 Ácidos graxos 
 Monossacarídeos 
 Aminoácidos 
 
 
Células (corpo) 
METABOLISMO 
EXEMPLO: 
Carne → digestão → aminoácido 
Odontologia - 1º semestre 
 
 
SLUT 
- 5 tipos 
- Transporta sódio e glicose 
- Sódio: a favor do gradiente de concentração 
- Glicose: contra o gradiente de concentração 
- Para que a célula consiga manter mais sódio fora do que dentro, ela gasta energia 
 
 Utilização da glicose nas células: 
 
- A glicose dentro da célula pode ter várias funções 
- C5 → ribose/desoxirribose 
 
 Fosforilação da glicose ao entrar na célula: 
 
Glicose comum → glicose – 6 – P (não consegue sair da célula) 
 
Respiração celular 
 
Aeróbica: 
 
- Produz grande quantidade de ATP 
- Depende de oxigênio 
 
Matéria orgânica → ATP → reações químicas 
 Açúcares 
 Lipídeos 
 Aminoácidos 
 
Glicose → fosforilação → glicólise → transportadores de elétrons CH+ - NAD/FAD → fluxo de 
elétrons e hidrogênio (mitocôndria) → ATP 
GLICÓLISE – glicose quebrada 
- 1º fase da respiração celular (citoplasma) 
- Converte a glicose em 2 moléculas ácido pirúvico (piruvato) 
- Gera 4 ATP – Consome 2 ATP = 2 ATP 
- Na presença de oxigênio, cada molécula de ácido pirúvico entra na mitrocôndria 
 
Ácido pirúvico + coenzima A (HsCoA) → acetil- CoA (Ciclo de Krebs) 
 
 
 
 
Odontologia - 1º semestre 
 
CICLO DE KREBS 
- Ocorre a formação de 3 moléculas de NADH e 1 molécula de NADH 
- Transportam hidrogênios e elétrons – que receberam do NADH e do FADH – para a cadeia 
respiratória 
- Cadeia respiratória: conjunto de proteínas – e outras substâncias – presentes na membrana 
interna da mitocôndria 
- Transporte: 
ELÉTRONS 
 Até a molécula de oxigênio 
 Aceptor final – última proteína 
 Produto final – H2O (glicose + O2 → CO2 + H2O + energia) 
 Enquanto houver oxigênio, o fluxo de elétrons será constante 
HIDROGÊNIOS 
 Quando chegam à cadeia respiratória são transportados para o espaço entre as duas 
membranas 
 Se acumulam no espaço entre as membranas 
 Retorna para a matriz mitocondrial através da ATP – sintase (proteína) 
 Liberam/perdem energia ao atravessar a ATP – sintase para juntar ADP + Pi para formar ATP 
 
Observações: 
o Sem oxigênio a cadeia respiratória para 
o Cai a produção de ATP de 38 para 8 moléculas (muito pouco) 
o Respiração aeróbica = 38 ATP 
 
Anaeróbica: 
 
- Fermentação 
- Ausência de oxigênio 
- Cadeia respiratória e o Ciclo de Krebs não funcionam 
- Apenas a glicólise funciona 
- Ácido pirúvico convertido em ácido lático 
- NADH produzidos voltam a ser NAD (utilizado somente na glicólise – ATP) 
 
 
 
 
 
Atividade muscular intensa → respiração anaeróbica (fermentação) → produção de ácido lático → 
músculo/fígado 
 
Lançado no sangue 
 
 
 
 Fígado 
 
 
 
 Sangue 
 
 
 
 Músculos 
 
 
Sem oxigênio a cadeia respiratória 
para e assim, para a produção de 
ATP 
Odontologia - 1º semestre 
 
 
CICLO DE CURI – Glicogênse 
 
- Síntese do glicogênio (polissacarídeo) → material (glicose) de reserva das células animais 
- Processo de construção do glicogênio, a partir das moléculas de glicose 
 
Glicose – 6 – P 
- Respiração celular 
- Via das pentoses 
 
Glicose – 1 – P 
- Glicogênio → fígado (manter a glicemia do sangue nos intervalos) e músculos (gera glicoses 
para produção de ATP) 
 
GLICOGENÓLISE 
 Caminho inverso da glicogênese 
 Processo de quebra do glicogênio liberando moléculas de glicose 
 No fígado: durante períodos longos de alimentação (8h) 
 Nos músculos: síntese de ATP 
- Só ocorre em atividade física intensa 
- Não consegue lançar glicose no sangue 
VIA DAS PENTOSES 
1ª FASE: 
- Conjunto de reações que ocorre no citoplasma produzindo NADPH (Transportador de 
hidrogênios) e outros açúcares 
- A glicose – 6 – P inicia o processo e resulta em ribulose – 5 – P (açúcar de 5 carbonos) 
- NADPH 
 Biossíntese de ácidos graxos 
 Biossíntese de colesterol 
 Estresse oxidativo 
 
2º FASE: 
- Ribulose: convertida em vários tipos de açúcares 
- Ribose – 5 – P → síntese de nucleotídeos (ATP, UTP, DNA, RNA) 
- Glicólise → para gerar respiração celular