A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Estudo dirigido de epidemiologia e saúde coletiva

Pré-visualização | Página 1 de 1

1- Definir os conceitos: 
A) Epidemiologia - É a ciência que estuda a distribuição e os determinantes dos problemas 
de saúde em populações humanas. Estuda a saúde, mas na prática, principalmente pela 
carência de saúde sob as formas de doenças e agravos, estes últimos, definidos pelo 
diagnóstico clínico 
B) Contatos - O contato que a pessoa fez com alguma coisa contaminado. 
C) Pandemia – É quando uma doença se espelha de continente ao outro continente. 
D) Caso Suspeito - O indivíduo que apresenta alguns sinais e sintomas sugestivos de um 
grupo de agravos que compartilha a mesma sintomatologia. Exemplo: pessoa que apresenta 
quadro agudo de infecção, independentemente da situação vacinal. 
E) Caso Confirmado - um caso que é classificado como confirmado para os propósitos de 
notificação e segundo os seguintes critérios: 
Clínico: é o caso que apresenta somente as descobertas clínicas compatíveis com a 
doença, cujas medidas de controle foram efetuadas. 
Laboratorial: é o episódio que apresentou teste laboratorial reativo para detecção de vírus, 
bactérias, fungos ou qualquer outro microrganismo. Por exemplo, provas bacterioscópicas 
(identificação do bacilo de Köch no escarro), bacteriológicas, isolamento de bactéria por 
CIE, imunológicas (sorologia para detecção de anticorpos da hepatite viral B). 
 
2- Quais os objetivos da Epidemiologia? * 
O objetivo final da Epidemiologia é produzir conhecimento e tecnologia capazes de 
promover a saúde individual através de medidas de alcance coletivo. 
3- Quais são as principais aplicações do Estudo da Epidemiologia? * 
A epidemiologia é constantemente empregada para descrever o estado de saúde de grupos 
populacionais. O conhecimento da carga de doenças que ocorrem na população é essencial 
para as autoridades em saúde na tomada de decisão em relação a medidas específicas em 
saúde. Esse conhecimento permite melhor utilização de recursos por meio da identificação 
de programas curativos e preventivos prioritários à população. Em algumas áreas 
especializadas, tais como na epidemiologia ocupacional e ambiental, a ênfase está no 
estudo de populações com exposições muito particulares. Outros dois conceitos bem 
importantes, que precisam ser estudados junto com aplicações da epidemiologia é a 
Prevalência e Incidência. 
4- Definir os conceitos da Tríade Epidemiológica das doenças: 
A) hospedeiro - é um organismo que abriga outro em seu interior ou o carrega sobre si, seja 
este um parasita, um comensal ou um mutualista. 
B) agente - os causadores das doenças (ou patógenos), No modelo sistêmico o conceito 
extrapola o de agente ou fator etiológico clássico, onde um agente pode ser não só um 
micro organismo, mas um poluente químico, um gene, e outros que possam levar a agravo à 
saúde. 
C) ambiente - As condições ambientais são um componente fundamental para o 
crescimento e a disseminação de doenças. Nelas pode se dividi em fatores biológicos e 
fatores socioeconômicos podem ser divididos em fatores físicos. 
D) vetor - Existem vetores responsáveis pela transmissão de agentes infecciosos de um ser 
humano para outro. Eles fazem parte do processo, mas não causam diretamente infecção. 
Mosquitos, carrapatos, vermes, moscas, são alguns dos vetores que transmitem doenças. 
Os vetores são a causa da transmissão da doença de um hospedeiro para outro. Uma vez 
que o microrganismo ou agente patogênico deixa seu hospedeiro, ele é transferido por um 
vetor para outro hospedeiro com condições adequadas de suscetibilidade para reproduzir a 
doença. 
5- Conceituar: 
A) Promoção à saúde - Tem objetivo de políticas, planos e programas de saúde publicas 
desenvolvendo ações para prevenção de doenças e fatores de risco e, depois de instalada a 
doença, o tratamento adequado dos doentes. 
B) Prevenção de doenças - 
C) Recuperação da saúde. - Dever do Estado, garantido mediante ao acesso universal e 
igualitário 
 
6- Definição de prevenção Primária, Secundária e Terciária. 
Prevenção primária – medidas usadas para evitar que a doença (infarto) surja. Exemplo: 
tratar adequadamente fatores de risco como hipertensão arterial, diabetes mellitus, 
dislipidemia; orientar alimentação saudável e prática de exercícios físicos, etc. 
Prevenção secundária: o paciente já teve a doença (ex: paciente infartou há 3 anos) e você 
quer evitar que aquilo volte a ocorrer ou que a doença aterosclerótica nas coronárias 
progrida. São exemplos de medidas deste grupo: uso de estatinas em doses 
moderadas/altas, associação de medicações com inibidores de eca e betabloqueadores, 
etc. 
Prevenção terciária: o paciente já teve a doença e está causando limitações a sua qualidade 
de vida (ex: paciente teve infarto, ficou com disfunção ventricular importante e está cursando 
com quadro clínico de insuficiência cardíaca). O objetivo das medidas de prevenção terciária 
é limitar as consequências da doença sobre o paciente, tentando assim lhe dar uma boa 
qualidade vida. Seria, por exemplo, inscrever o seu paciente em um programa de 
reabilitação cardiovascular com o objetivo de melhorar a capacidade funcional do paciente, 
diminuir sintomas e reestabelecer as atividades cotidianas que o paciente fazia antes do 
evento isquêmico. 
 
7- O sistema de saúde de um conjunto de relações políticas, econômicas e 
institucionais responsáveis pela condução dos processos referentes à saúde de uma 
dada população que se concretizam em organizações, regras e serviços que visam 
alcançar resultados condizentes com a concepção de saúde prevalente na sociedade. 
Baseado nessas informações conceituar: 
A) Financiamento - A Constituição Federal de 1988 determina que as três esferas de 
governo (federal, estadual e municipal) financiem o Sistema Único de Saúde (SUS), gerando 
receita necessária para custear as despesas com ações e serviços públicos de saúde. 
B) Força de Trabalho - É considerado ferramenta estratégica para gestão em saúde. Ao 
autorizar aproximação do cenário da força de trabalho, indica variáveis sobre suas 
características, aspectos de lotação, provimento, movimentação e qualificação, 
empoderamento de gestores e trabalhadores para transação e tomada de decisão. 
C) Redes de serviços - Prevê atendimento continuado em Linhas de Cuidado, traçando a 
trajetória do usuário do SUS por outros níveis do sistema, que consistir em indispensáveis, 
como consultas especializadas. 
E) Insumos - São tipos de material que encontrar-se ligado diretamente ao processo 
produto ou prestação de serviço. 
F) Tecnologia e conhecimento – São conhecimentos e habilidades que se desenvolvem na 
organização de dispositivos (medicamentos, vacina, procedimentos entre outros) 
G) Organizações - fundamental para dar suporte ao conceito de risco, em função das 
múltiplas possibilidades que se tem em localizar e visualizar populações, objetos e fluxos, e 
de se especializar a situação de saúde através da distribuição de indicadores 
socioeconômicos, sanitários e ambientais que revelam as condições de vida das pessoas 
em seu interior.