Neurociência Cognitiva - Conceitos Fundamentais 1
44 pág.

Neurociência Cognitiva - Conceitos Fundamentais 1


DisciplinaPedagogia192.952 materiais1.054.560 seguidores
Pré-visualização7 páginas
/
DEFINIÇÃO
Introdução às Neurociências. Organização morfofuncional e desenvolvimento do Sistema Nervoso Central (SNC).
Funcionamento neuropsicológico e integração cerebral. Imagiamento do funcionamento cerebral.
PROPÓSITO
Compreender os conceitos fundamentais da área de Neurociência Cognitiva, desde a organização morfofuncional do
SNC até o imagiamento das funções neuropsicológicas.
INTRODUÇÃO
Vamos explorar os conteúdos essenciais da área de Neurociência Cognitiva, que visa conhecer os fundamentos
neurocientíficos do comportamento e da cognição.
Iniciaremos com uma breve introdução às Neurociências, apontando seus conceitos fundamentais. Depois,
mostraremos como se organiza o Sistema Nervoso (SN), tanto em termos estruturais (organização física) quanto em
termos funcionais (organização dinâmica).
Para a compreensão da característica integrativa e adaptativa do SN, abordaremos pontos-chave ligados a seu
desenvolvimento e funcionamento neuropsicológico, o que evidenciará a integração cerebral, que pode ser estudada
pelas chamadas técnicas de neuroimagem, que encerram o conteúdo.
/
OBJETIVOS
 
Reconhecer as definições básicas e as finalidades das Neurociências
 
Definir a organização morfofuncional do Sistema Nervoso Central
 
Descrever as etapas de desenvolvimento do Sistema Nervoso Central
 
Relacionar a integração cerebral com o funcionamento neuropsicológico
/
 
Identificar diferentes modalidades de exames do funcionamento cerebral
\uf192 Reconhecer as definições básicas e as finalidades das Neurociências
ORIGEM DAS
NEUROCIÊNCIAS
A década de 1990 ficou conhecida como década do
cérebro devido ao volume de material científico produzido
naquele momento sobre o assunto (THOMPSON, 2005).
Entretanto, o interesse pelo conhecimento sobre o cérebro
remonta à Antiguidade. Há muito tempo, o ser humano
tenta descobrir como os pensamentos, as emoções e os
comportamentos poderiam estar ligados à cabeça, de
forma mais geral, e ao cérebro em si, de forma mais
específica.
Nosso propósito presente é apresentar as definições
básicas e as finalidades das Neurociências, deixando o
aspecto histórico da área para leitores interessados em se
aprofundar posteriormente.
 
Fonte: Shutterstock
CIÊNCIAS COMPONENTES DAS NEUROCIÊNCIAS
Atualmente, é muito comum vermos o prefixo neuro inserido nas mais diversas áreas e atividades humanas:
Neuroeconomia, Neuropsiquiatria, Neuropsicologia, Neuroreabilitação, Neuromarketing etc.
Sempre que vemos essas palavras ou expressões, buscamos compreender que se tratam de tentativas de conhecer
como determinada área ou atividade humana ocorre relacionada aos substratos neurais.
Assim, por exemplo, a palavra Neuroeconomia significa que os profissionais e estudiosos do campo estão mapeando
áreas cerebrais que possam orientar escolhas e comportamentos na área de Economia. Isso é feito por meio de
/
determinados questionamentos:
 
Fonte: Freedomz / Shutterstock.
Como e por que algumas pessoas poupam mais?
 
Fonte: only_kim / Shutterstock.
Como e por que alguns sujeitos têm perfil de compra assumindo mais riscos?
/
 
Fonte: Ravil Sayfullin / Shutterstock.
O que o Sistema Nervoso (SN) tem a ver com isso?
Uma vez que as Neurociências estão \u201cna moda\u201d, é fácil perceber que o nome neuro pode ser simplesmente uma
tentativa de segui-la. Por isso, é importante buscar referências científicas sobre os diferentes temas. A partir disso,
podemos nos interrogar:
Quais são as ciências que compõem as Neurociências?
De acordo com LENT (2008), do nível micro para o macro, são elas:
 
Fonte: Shutterstock
Biologia \u2013 que estuda o aspecto celular e o
funcionamento das células;
Fisiologia \u2013 que estuda o funcionamento dos
diferentes sistemas;
Medicina
Neurologia \u2013 área da medicina que estuda as
patologias do sistema nervoso.
Psicologia \u2013 voltada para o estudo do funcionamento
do organismo em termos perceptuais, emocionais,
comportamentais e sociais.
É claro que as áreas se especializaram, e as Neurociências permitem e se valem de um caráter muito abrangente,
fazendo com que inúmeras áreas possam ter interseções com o funcionamento do Sistema Nervoso.
/
NEUROPSICOLOGIA
Para direcionar nosso foco às Neurociências Cognitivas (FUENTES et al., 2008), vamos escolher como orientadora de
nossos conceitos a ciência da Neuropsicologia.
NEUROPSICOLOGIA
Braço da Psicologia que estuda o aspecto neuro.
\uf059 VOCÊ SABIA
A premissa principal da Neuropsicologia é que todo comportamento é originado de um bom funcionamento das
áreas central e periférica do Sistema Nervoso. Em outras palavras, todo comportamento tem um substrato neural
(FUENTES et al., 2008).
O termo comportamento deve ser entendido de forma bem abrangente, o que inclui:
 
Fonte: masata / Shuttersock.
nossas percepções (visão, olfato, a identificação de um rosto etc.);
javascript:void(0)
/
 
Fonte: masata / Shuttersock.
pensamentos, emoções, memórias;
 
Fonte: masata / Shuttersock.
comportamentos no mundo externo (a fala, o caminhar etc.).
Para a Neuropsicologia, só conseguimos realizar tudo isso porque há uma integridade dos módulos neurais que
cuidam de cada uma dessas habilidades, e porque eles funcionam de forma organizada.
Os primeiros estudos na área de Neurociência Cognitiva ocorreram a partir de indivíduos com lesões cerebrais: as
funções cognitivas eram prejudicadas ou perdidas na medida em que havia um prejuízo no tecido nervoso
(THOMPSON, 2005).
FUNÇÕES COGNITIVAS
javascript:void(0)
/
Também chamadas genericamente de cognição ou funções neuropsicológicas. São as habilidades funcionais
com substrato neural correspondente, que auxiliam o organismo na convivência com seu ambiente interno e
externo.
Exemplos: sensação, percepção, memória, atenção, emoção, linguagem, funções executivas etc.
Fonte: FUENTES et al., 2008; LENT, 2008.
\uf005 EXEMPLO
Diante de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) ou de uma lesão por acidente, havendo lesão no tecido cerebral, o
paciente pode apresentar alterações nas funções mentais e, por conseguinte, em suas atividades da vida diária.
Utilizando muitos exemplos correlatos das mesmas áreas lesionadas e funções perdidas, a Neuropsicologia consegue
correlacionar áreas e funções, propiciando uma enormidade de testes para avaliação neuropsicológica, que se
aproxima da psicológica.
AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA
Avaliação das funções cognitivas.
Assim, ficou evidente que há duas organizações no Sistema Nervoso:
Morfológica \u2013 ou seja, física, estrutural; Funcional \u2013 pois as estruturas têm funções específicas.
\ue1c1 Atenção! Para visualização completa da tabela utilize a rolagem horizontal
VERIFICANDO O APRENDIZADO
/
1. AS HABILIDADES FUNCIONAIS QUE PERMITEM AO NOSSO ORGANISMO GERAR
SENSAÇÕES, SENTIMENTOS, EMOÇÕES, PERCEPÇÕES E COMPORTAMENTOS
CORRESPONDEM:
A) À Neuropsicologia.
B) À Neuroimagem.
C) Às funções neuropsicológicas.
D) Ao Sistema Nervoso Central.
2. SOBRE AS FINALIDADES DAS NEUROCIÊNCIAS, É CORRETO AFIRMAR QUE:
A) Estão dadas, uma vez que tal ciência já se desenvolveu por completo.
B) Abrangem apenas conteúdos estritamente relacionados à Biologia.
C) Relacionam-se a aspectos elementares e à compreensão dos substratos neurais de comportamentos complexos.
D) São destacadas do desenvolvimento tecnológico.
GABARITO
1. As habilidades funcionais que permitem ao nosso organismo gerar sensações, sentimentos, emoções,
percepções e comportamentos correspondem:
A alternativa "C " está correta.
As funções neuropsicológicas ou cognitivas são habilidades funcionais na medida em que auxiliam o sujeito a se
adaptar ao ambiente externo. A memória e a linguagem são outros exemplos dessas funções.
2. Sobre as finalidades das Neurociências, é correto afirmar que:
A alternativa "C " está correta.
As Neurociências estão em pleno desenvolvimento e, ao acompanhar o avanço da tecnologia, excedem a biologia do
sistema neural. Assim, objetivam tanto estudar aspectos celulares quanto entender como comportamentos complexos