A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Anotações - Introdução ao Direito do Trabalho - Diferenças entre Estagiário e Aprendiz

Pré-visualização | Página 1 de 1

DIFERENÇA DE APRENDIZ E ESTAGIÁRIO 
 Estagiário não tem vínculo empregatício (direitos trabalhistas), aprendiz tem 
 Estagiario tem lei especifica 
 Estagiário tem caráter pedagógico – varias formalidades deverão ser cumpridas 
 Estagiário deve estar, obrigatoriamente, matriculado em ensino superior, médio ou 
fundamental (modalidade jovens e adultos) 
 
DIREITOS DO ESTAGIÁRIO 
 Jornada de comum acordo entre a instituição de ensino, a parte concedente e o aluno 
estagiário 
1. De 4 horas diárias (20 semanais) para alunos da educação especial e dos finais do 
ensino fundamental; 
2. De 6 horas diárias (30 semanais) para alunos de ensino superior e médio. 
 Contraprestação para estagio obrigatório 
 Recesso de 30 dias para estágios superiores a 1 ano 
 Seguro contra acidentes pessoais 
 Redução da jornada pela metade no período de provas 
 
TELETRABALHO 
 Regulamentado pela reforma trabalhista; 
 Caracteristicas: 
1. Prestação de serviços preponderantemente fora das dependências do empregador; 
2. Utilizar tecnologias de informação e comunicação na prestação dos serviços – se 
não utilizar, configura-se trabalho externo 
 Formalidades: 
1. O contrato deve ser escrito; 
2. Pode haver mudança no regime de trabalho (teletrabalho para o presencial) a 
determinação da empresa – mínimo de 15 dias para adaptação + aditivo contratual 
formalizando isso 
 Direitos: 
1. Instrução expressa e ostensiva sobre as prestações a tomar a fim de evitar doenças 
e acidentes de trabalho – o empregado deve assinar termo de responsabilidade 
 
FORMAS INDIRETAS DE CONTRATAÇÃO DE TRABALHADORES 
 Quando há um intermediário entre o tomador de serviços e o trabalhador; 
 Terceirização 
1. Três sujeitos – contratante, empresa intermediária, trabalhador 
2. Relação civil entre contratante e empresa intermediaria 
3. Relação civil ou trabalhista entre empresa intermediária e trabalhador 
 Trabalho temporário 
1. Trabalho temporário só pode acontecer nas hipóteses previstas em lei, quais sejam: 
1.1. Demanda complementar de serviço – aquilo não está ligado à vontade da 
empresa contratante, é uma coisa excepcional ou sazonal, por exemplo, no 
período da páscoa as fábricas de chocolate precisam contratar mais pessoas 
1.2. Substituição por situação transitória de pessoal permanente – por exemplo, 
gravidez ou férias 
2. O contrato de trabalho temporário não pode ser superior a 180 dias corridos, 
independente de os serviços ocorrerem em dias consecutivos ou não – Art. 27 do 
Decreto nº 10.060/2019 
2.1. Caso a hipótese que deu origem a contratação de trabalho temporário 
permanecer, o contrato pode ser prorrogado apenas UMA vez, por 90 dias 
corridos para além do período máximo 
3. O trabalhador temporário só poderá prestar serviço para a mesma empresa 
novamente após o decurso do prazo de 90 dias 
4. O contrato de trabalho temporário deverá ser obrigatoriamente escrito 
5. No contrato deve constar a justificativa da contratação por trabalho permanente 
6. As obrigações trabalhistas são devidas pela empresa intermediária 
7. Empregador: 
7.1. Pessoa física ou jurídica; 
7.2. Com ou sem fins lucrativos; 
7.3. Assume o risco da atividade econômica; 
7.4. Remunera e dirige a prestação pessoal de serviços; 
7.5. Tem poder de direção e evidencia a existência de subordinação 
 
PODER DE DIREÇÃO 
LIMITES 
 O empregador não pode estabelecer sistema de monitoramento de e-mail pessoal de 
empregados, mas sim do e-mail corporativo – de forma moderada e generalizada 
SANÇÕES DISCIPLINARES 
 Advertência: aviso de que o empregado descumpriu uma regra ou uma ordem do 
superior hierárquico – advertência não tem previsão em lei, ela decorre do cotidiano – 
pode ser verbal ou escrita 
1. Caso a advertência seja por escrito e o trabalhador se recusar a assiná-la, devem ser 
chamadas 2 pessoas para serem testemunha da recusa 
 Suspensão disciplinar: “congelamento do contrato” – não há prestação de serviços, não 
há pagamento de salário e dos demais benefícios – não há previsão legal quanto ao 
tempo da suspensão, porém, se passar de 30 dias consecutivos importa na rescisão 
injusta do contrato de trabalho 
1. Rescisão injusta significa que o empregado pode pedir o fim do contrato por justa 
causa do empregador – abuso do empregador 
2. Na prática, a suspensão é aplicada por 3 a 5 dias 
 Demissão por justa causa: término do contrato de trabalho por motivo grave 
1. O empregado perde os direitos trabalhistas proporcionais, só recebe os adquiridos 
(salário dos dias trabalhados e férias adquiridas) 
 
 Critério de aplicação das sanções: avaliar o grau de gravidade da conduta (art. 482 CLT), 
o histórico do empregado, a função do empregado e se existe culpa ou dolo – os critérios 
foram definidos pela doutrina 
 A sanção disciplinar não é para ter caráter punitivo, mas sim pedagógico 
SUCESSÃO DE EMPREGADOR 
 Alterações no contrato só podem ser feitas para melhorar a situação do empregado, 
não para piorar