A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Sinapses neuronais - FISIOLOGIA

Pré-visualização | Página 1 de 1

Sinapses 
É a conexão funcional entre um neurônio e a 
segunda célula. Tem duas classes sinápticas, podendo 
ser elétrica ou química. 
As sinapses podem ser constituídas por 3 
elementos: 
● Terminal pré-sináptico 
● Célula pós-sináptica 
● Fenda sináptica/junção comunicante 
 
Sinapse elétrica 
Comum nas musculaturas cardíacas; Forma as 
junções comunicantes, que permitem a passagem de 
íons entre as duas 
células, pois existem 
canais iônicos (gap 
junctions) com baixa 
resistência elétrica 
ligando as duas 
células; esse transporte 
de íons é direto e 
passivo, sendo uma 
difusão facilitada 
bidirecional. 
A velocidade de 
transmissão dessa sinapse elétrica é extremamente 
rápida, pois as junções permitem a passagem de íons 
praticamente instantâneo entre as duas células, 
iniciando ou uma despolarização (neurônio) ou algum 
outro processo na célula pós-sináptica. 
 
 
 
 
Sinapse química 
Existe a fenda sináptica entre as duas células 
(não existia na anterior), bem como as células pré 
sinápticas apresentam vesículas sinápticas, as quais 
em seu interior armazenam neurotransmissores. Essas 
moléculas são utilizada para a comunicação entre as 
duas células da sinapse. 
A sequência de eventos durante a sinapse 
química são: 
1. Síntese e armazenamento de 
neurotransmissores em vesícula 
2. Um PA invade o terminal pré sináptico 
3. Despolarização e a abertura dos canais de 
Ca+2 dependentes de voltagem 
4. Influxo de Ca+2 
5. Fusão de vesículas com a membrana pré 
sináptica 
6. Liberação dos neurotransmissores 
7. O transmissor liga-se a moléculas receptoras 
na membrana pós-sináptica 
8. Abertura ou fechamento dos canais iônico 
pós-sinápticos 
9. PPSE (Potenciais pós sinápticos excitatórios 
(despolarização)) ou PPSI (Potenciais pós 
sinápticos inibitórios (hiperpolarização)) que 
modifica a excitabilidade da célula ou a 
ativação de uma cascata enzimática 
10. Recuperação da vesícula/inativação 
neurotransmissor 
A maquinaria para regular a fusão das 
vesículas são as SNAREs, que são uma família de 
proteínas a quais desempenham um papel essencial na 
fusão de vesículas. O cálcio,com o seu influxo no PA, 
fortalece a junção entre as SNAREs da 
vesícula e da membrana pré-sináptica, 
fundindo as duas membranas e formando o 
poro para liberação dos neurotransmissores. 
 
Neurotransmissores 
Neurotransmissores são divididos em 
típicos e atípicos . Os típicos necessitam 
estar presentes no interior do terminal pré 
sináptico em vesículas, ser jogado na fenda 
sináptica e ser recebido por receptores nas 
membrana pós-sináptica. Os atípicos são 
gasosos e atuam na membrana pré e pós 
sináptica 
Os neurotransmissores podem ser 
neuropeptídeos, aminoácidos, purinas, 
aminas biogênicas, gases, opióides e 
endocanabinóides. 
A síntese de neurotransmissores é iniciado nos 
somas dos neurônios, por meio da síntese de enzimas 
(REL e Golgi), que sofrem fluxo axoplasmático e 
atingem o terminal pré sináptico, chegando no botão 
pré-sináptico; lá, se associam aos precursores dos 
neurotransmissores, formando-os, os quais já são 
armazenados nas vesículas sinápticas. 
Os neurotransmissores e o seu processo de 
ação podem ser inativados por diversos motivos: 
● pela ligação com autorreceptores presentes na 
região exterior da membrana pré sináptica, que 
faz o aumento da condutância do K+ (perde 
carga + e polariza a célula) e diminui a 
condutância do Ca+, inibindo a exocitose. 
● pela recaptação dos neurotransmissores 
● pela captação extraneuronal, feita por células 
da glia, que captam os neurotransmissores 
● difusão dos neurotransmissores para fora da 
fenda 
● inativação dos receptores dos 
neurotransmissores 
● internalização dos receptores (endocitose) 
● degradação enzimática dos neurotransmissores 
por enzimas na membrana pré e/ou pós 
sináptica. 
A importância da inativação dos 
neurotransmissores é de permitir um novo fluxo de 
PA entre as células, pela repolarização. 
 
Receptores 
Proteínas que são capazes de gerar sinais 
elétricos por abrirem ou fecharem canais iônicos na 
membrana pós ou pré sináptica. 
As classes de receptores são: 
● Receptores de modificação de potencial de 
membrana 
● Receptores que dependem de ligantes externos 
(neurotransmissores) 
● Receptores dependentes de substâncias 
mensageiras intracelulares 
● Receptores ativados devido a alteração de 
metabólitos celulares 
● Receptores ativados por alteração na 
membrana celular 
Os receptores são organizados em duas 
famílias: 
● receptores ionotrópicos: formam canais 
iônicos devido à deformação da proteína 
causado por alguma 
substância/ocorrência, 
como neurotransmissores 
ou um potencial de ação. 
● receptores 
metabotrópicos: são 
receptores acoplados com 
a proteína G, o qual ao ser 
ativado pelo neurotransmissor, ativa a proteína 
G, que desloca a sua subunidade alfa para 
ativar mensageiros, os quais, por sua vez, 
abrem ou fecham um canal iônico; são 3 tipos 
de proteínas G (​s​, ​q e ​i​); trata-se de um 
processo mais lento de ativação. 
○ s (excitatório)​: promove a abertura ou 
fechamento de um canal iônico 
○ q​: abre ou fecha canais iônico de cálcio 
○ i (inibitório)​: atua diminuindo ou 
aumentando a atividade de canais 
 
● Um outro receptor são os tirosina quinase 
(podem ser caracterizados como 
metabotrópicos), as quais apresentam um 
domínios extracelulares (receptores de 
substâncias) e intracelulares (domínio 
catalítico que fosforila algum substrato 
proteico, culminando em cascata de reações) 
● Receptores nucleares (também pode ser 
metabotrópicos), transportam substância que 
atuam no núcleo e no DNA, promovendo 
alterações de transcrição e outros coisas.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.