A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
27 pág.
INTERVENÇÃO

Pré-visualização | Página 1 de 3

INTERVENÇÃO
CONCEITO
presente em nossa ordem jurídica nacional, desde a Constituição de 1891, segundo AGRA (2007, p. 297) a intervenção federal é: “O remédio típico da forma de Estado federativa, constituindo-se no instrumento cabível para a sua manutenção, de utilização necessária todas as vezes que um estado-membro ou um Município desrespeitar os princípios constitucionais federativos ou provocar uma instabilidade na normalidade jurídica”.
Humberto Peña de Moraes (2005, p. 229) define que a intervenção federal é: “Instituto típico da estrutura do Estado Federal, repousa a intervenção no afastamento temporário da atuação autônoma da entidade federativa sobre a qual a mesma se projeta”.
ORGANIZAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO
INTERVENÇÃO FEDERAL E INTERVENÇÃO ESTADUAL
I - Adoção sem pedido de destituição do poder familiar
II – Estipulação de visitas como o juiz bem entender;
III – discorre sobre o seu casamento como excelente e pede a dissolução da união estável.
IV – pede anulação do casamento e divórcio em cumulação própria simples.
2
CONCEITO
Segundo Marinoni (2015, p. 833): “a Intervenção opera, a despeito de o quanto isso possa soar paradoxal, como garante da integridade e do equilíbrio da Federação e, portanto, da respectiva autonomia que demarca a condição própria dos seus integrantes”.
Assim, podemos afirmar que a intervenção federal nada mais é do que o afastamento temporário da autonomia de um ente federal que tem por objetivo a preservação da própria federação.
Ressalta-se que o princípio que preside o Estado Federal é o da não-intervenção, na forma da dicção dos artigos 34 e 35 da CRFB/88.
ORGANIZAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO
INTERVENÇÃO FEDERAL E INTERVENÇÃO ESTADUAL
I - Adoção sem pedido de destituição do poder familiar
II – Estipulação de visitas como o juiz bem entender;
III – discorre sobre o seu casamento como excelente e pede a dissolução da união estável.
IV – pede anulação do casamento e divórcio em cumulação própria simples.
3
CONCEITO E CARACTERÍSTICAS
No caso Brasileiro possui três características:
DA EXCEPCIONALIDADE – Aplica-se somente em casos de anormalidade, sendo a regra a não-intervenção.
DO CUNHO LIMITADO (provisoriedade) – Tal limitação será tanto de aspectos de “ordem espacial, temporal, procedimental e quanto ao objeto, visto que o ato interventivo, já pela sua natureza e caráter excepcional, não implica um espécie de “cheque em branco” passada ao interventor, devendo, pelo contrário, obediência a critérios rígidos previstos na CF” (MARINONI, 2015, p. 834).
DA TAXATIVIDADE – somente pode ocorrer nos casos taxativamente previstos na constituição.
ORGANIZAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO
INTERVENÇÃO FEDERAL E INTERVENÇÃO ESTADUAL
I - Adoção sem pedido de destituição do poder familiar
II – Estipulação de visitas como o juiz bem entender;
III – discorre sobre o seu casamento como excelente e pede a dissolução da união estável.
IV – pede anulação do casamento e divórcio em cumulação própria simples.
4
CONCEITO E CARACTERÍSTICAS
Além das características citadas, a doutrina também elenca a NATUREZA POLÍTICA como tal, afirmando que o critérios que movimentam a autoridade responsável pela expedição do decreto são essencialmente políticos, portanto, do juízo da conveniência e oportunidade da medida. 
Conveniência é signo que importa na aferição de juízo de valor político acerca da efetiva necessidade no adotar-se a providência. 
Oportunidade, por outro lado, significa examinar o momento político da sua execução. A autoridade responsável pelo início da intervenção não usa um ou outro, mas os dois. 
ORGANIZAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO
INTERVENÇÃO FEDERAL E INTERVENÇÃO ESTADUAL
I - Adoção sem pedido de destituição do poder familiar
II – Estipulação de visitas como o juiz bem entender;
III – discorre sobre o seu casamento como excelente e pede a dissolução da união estável.
IV – pede anulação do casamento e divórcio em cumulação própria simples.
5
CONCEITO E CARACTERÍSTICAS
Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:
I. Manter a integridade nacional;
II. Repelir invasão estrangeira ou de uma unidade da federação em outra;
III. Pôr termo a grave comprometimento da ordem pública;
IV. Garantir o livre exercício de qualquer dos poderes nas unidades da federação;
V. Reorganizar as finanças da unidade da federação que:
	a) Suspender o pagamento da dívida fundada por mais de dois anos consecutivos,
salvo motivo de força maior;
	b) Deixar de entregar aos Municípios receitas tributárias fixadas nesta Constituição,
dentro dos prazos estabelecidos em lei;
ORGANIZAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO
INTERVENÇÃO FEDERAL E INTERVENÇÃO ESTADUAL
I - Adoção sem pedido de destituição do poder familiar
II – Estipulação de visitas como o juiz bem entender;
III – discorre sobre o seu casamento como excelente e pede a dissolução da união estável.
IV – pede anulação do casamento e divórcio em cumulação própria simples.
6
CONCEITO E CARACTERÍSTICAS
Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:
VI. Prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judicial;
VII. Assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais:
	a) Forma republicana, sistema representativo e regime democrático;
	b) Direitos da pessoa humana;
	c) Autonomia municipal;
	d) Prestação de contas da administração pública, direta e indireta;
	e) Aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde.
ORGANIZAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO
INTERVENÇÃO FEDERAL E INTERVENÇÃO ESTADUAL
I - Adoção sem pedido de destituição do poder familiar
II – Estipulação de visitas como o juiz bem entender;
III – discorre sobre o seu casamento como excelente e pede a dissolução da união estável.
IV – pede anulação do casamento e divórcio em cumulação própria simples.
7
CONCEITO E CARACTERÍSTICAS
Já nos casos de intervenção pelos estados-membros nos municípios se dará na forma do art. 35 da CRFB/88:
Art. 35. O Estado não intervirá em seus Municípios nem a União nos Municípios localizados em Território Federal, exceto quando:
I. Deixar de ser paga, sem motivo de força maior, por dois anos consecutivos, a dívida fundada;
II. Não forem prestadas contas devidas, na forma da lei;
III. Não tiver sido aplicado o mínimo exigido da receita municipal na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde
ORGANIZAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO
INTERVENÇÃO FEDERAL E INTERVENÇÃO ESTADUAL
I - Adoção sem pedido de destituição do poder familiar
II – Estipulação de visitas como o juiz bem entender;
III – discorre sobre o seu casamento como excelente e pede a dissolução da união estável.
IV – pede anulação do casamento e divórcio em cumulação própria simples.
8
CONCEITO E CARACTERÍSTICAS
	Quando o pedido de intervenção federal se fundamenta em descumprimento de ordem judicial ou decisão judiciária a intervenção deixa de ser ato discricionário do Presidente da República, ficando o tribunal prolator da ordem desobedecida obrigado a comunicar a desobediência ao STF (tratando-se de matéria constitucional), ao STJ (para o descumprimento de lei federal) ou ao TSE (tratando-se de matéria eleitoral) que requisitará a intervenção se julgar conveniente.
ORGANIZAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO
INTERVENÇÃO FEDERAL E INTERVENÇÃO ESTADUAL
I - Adoção sem pedido de destituição do poder familiar
II – Estipulação de visitas como o juiz bem entender;
III – discorre sobre o seu casamento como excelente e pede a dissolução da união estável.
IV – pede anulação do casamento e divórcio em cumulação própria simples.
9
ESPÉCIES DE INTERVENÇÃO
Duas são as espécies de intervenção, a ESPONTÂNEA e a PROVOCADA.
ESPONTÂNEA – trata-se de discricionariedade, juízo de oportunidade e conveniência, do presidente da República, ou seja, ato exclusivo da vontade do chefe do Poder Executivo que deverá obter posterior aprovação por parte do Congresso Nacional,