A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
3 Tecido Muscular

Pré-visualização | Página 1 de 3

Tecido Muscular 
 
CARACTERÍSTICAS GERAIS 
- tecido especializado em contração → locomoção, constrição, bombeamento, movimentos de 
propulsão 
- constituído por células e matriz extracelular → as células são chamadas de ​fibras musculares​ e são 
especializadas para contração 
- alguns componentes recebem nomes característicos: sarcolema (membrana plasmática); 
sarcoplasma (citosol); retículo sarcoplasmático (REL); sarcossomas (mitocôndrias) 
 
 
MÚSCULO ESTRIADO ESQUELÉTICO 
- célula progenitora: mioblastos → fusão de mioblastos formam miotubos (células multinucleadas co                       
núcleo periférico) → diferenciação dos miofilamentos dão origem à fibra muscular 
- a síntese de proteínas filamentosas permite o alongamento celular e a diferenciação da fibra                           
muscular 
- fibras musculares esqueléticas são responsáveis pelos movimentos ​voluntários​ do corpo 
- origem embriológica:​ mesoderma lateral somático (origem do mioblasto) 
- células satélites: localizadas perifericamente às fibras musculares; células indiferenciadas que, sob                     
estímulos específicos, podem se fundir com fibras musculares para causar hipertrofia ou entram em                           
divisão para formar novas fibras musculares para causar hiperplasia do tecido. 
 
Características histológicas 
- feixes de células muito longas (até 30 cm), que se organizam de forma paralela 
- formato cilíndrico 
- células multinucleadas com núcleos periféricos, próximo ao sarcolema 
- presença de filamentos proteicos citoplasmáticos, relacionados com a contração, chamados                   
miofibrilas 
- a característica mais evidente são as estriações transversais, observadas em cortes longitudinais (se a                           
fibra for cortada transversalmente, não há observação das estriações) 
 
 
 
 
Organização muscular 
- não existe separação física entre essas estruturas → são continuidades que vão se simplificando 
- epimísio:​ envolve o músculo inteiro ⇒ tecido conjuntivo denso não-modelado 
- principal suprimento vasculonervoso do músculo 
- perimísio:​ envolve feixes (ou fascículos) de fibras musculares ⇒ tecido conjuntivo frouxo 
- endomísio:​ envolve cada fibra muscular ⇒ formado de lâmina basal associado a fibras reticulares 
- apresenta vasos sanguíneos de pequeno diâmetro e ramos neuronais mais finos 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
- os elementos do tecido conjuntivo são interconectados. Isso garante: 
- manutenção das fibras musculares unidas 
- contração individual das células musculares resulta na contração do tecido como um todo 
- tecido conjuntivo é contínuo com tendões e aponeuroses → garante a transmissão da força de                             
contração 
- possui extensa rede capilar (capilares contínuos, sem fenestração), vasos linfáticos e nervos 
 
- estriações transversais: alternância de faixas claras e escuras →                 
organização paralela de miofibrilas longitudinais no sarcoplasma 
 
 
 
 
 
ARRANJOS 
LONGITUDINAIS E 
PARALELOS DE 
MIOFIBRILAS NO 
SARCOPLASMA 
MUSCULAR (80% do 
sarcoplasma é 
ocupado por 
miofibrilas) 
 
 
 
 
 
 Banda A: ​faixa escura (anisotrópica - não permite passagem de luz) 
Banda H: ​região mais clara (menos elétron densa) no centro da banda A 
Linha M: ​linha mais escura (mais elétron densa) bem no meio da banda H 
Banda I: ​faixa clara (isotrópica - permite a passagem de luz com mais facilidade) 
​Linha Z: linha mais escura (elétron densa) no meio da banda I → divide a banda I em duas                                     
semi-bandas] 
 
- SARCÔMERO:​ entre duas bandas Z (banda A + 2 semi bandas I) ⇒ unidade contrátil da fibra muscular 
- MIOFIBRILAS:​ repetições de unidades de sarcômeros ⇒ a repetição gera o padrão de estriação 
 
Composição das bandas: 
- Banda I: possui somente miofilamentos finos 
- Banda A: possui miofilamentos finos e grossos 
- Banda H: possui somente miofilamentos grossos 
- Linha M: somente miofilamentos grossos         
associados a proteínas estabilizadoras 
 
- filamentos finos: ​actina + tropomiosina + troponina             
⇒ projetam-se a partir da linha Z e não se encontram na região mediana do sarcômero (banda H)                                   
filamentos grossos: miosina II ⇒ não se estendem por todo o comprimento do sarcômero (não                             
invadem banda I) 
 
MIOFIBRILAS 
 
Filamentos de actina 
- polímeros longos (actina F) formados por duas cadeias de monômeros globulares (Actina G) torcidas                           
uma sobre a outra, em hélice dupla 
- possui sítio ativo de ligação para a cabeça da miosina II 
- extremidade (+) do filamento de actina fica ancorada na linha Z 
- extremidade (-) do filamento de actina fica voltada para o centro do sarcômero 
 
Tropomiosina 
- molécula longa e fina (40 nm de comprimento) 
- formada por duas cadeias polipeptídicas enroladas,           
que se localizam ao longo do sulco entre os filamentos de                     
actina F organizada em dupla hélice → esse               
posicionamento recobre sítios ativos nas moléculas de             
actina 
 
Troponina 
- TnT: liga-se à tropomiosina 
- TnC: ​liga-se ao Cálcio 
- TnI:​ cobre o sítio ativo da actina (“recurso extra”) 
 
Miosina II 
- formato de bastão: possui duas cadeias           
pesadas polipeptídicas em hélice 
- cabeça globular na região N-terminal 
- 2 pares de cadeias leves de miosina 
- é a ​molécula motora → apresenta sítio de               
ligação com actina e sítio de ligação com               
ATP (atividade ATPásica) 
 
Proteínas estabilizadoras 
 
 
Suporte e estabilização para o         
sarcômero a fim de manter sua           
organização e garantir sua       
funcionalidade 
 
 
 
 
 
 
 
 
Mecanismo de contração 
 
Teoria do deslizamento dos miofilamentos 
Durante a contração, as linhas Z se aproximam               
no momento em que os filamentos finos             
deslizam por sobre os filamentos grossos 
 
Repouso: 
- miosina ligada à uma molécula de ATP             
(atividade ATPásica) → cliva ATP em ADP + Pi                 
mas ainda não utiliza da energia resultante da               
reação (não libera as moléculas) 
- actina com seu sítio para a miosina             
recoberto pelo complexo     
troponina-tropomiosina ⇒ repressão do local         
de ligação actina-miosina 
- troponina não ligada ao Ca²​+ 
- filamentos não sofrem interação 
 
Contração: 
- um impulso nervoso ocasiona a         
liberação intracelular de íons cálcio 
- cálcio liga-se à TnC → mudanças           
conformacionais no complexo     
troponina-tropomiosina que culminam na       
exposição do sítio ativo de actina 
- interação de actina com a miosina II está apta a ocorrer → essa ligação ocasiona a liberação de ADP e                                       
Pi que já haviam sido clivados, oriundos de uma molécula de ATP 
- o uso da energia liberada causa uma ​alteração conformacional da cabeça da miosina II, que se                               
movimenta. Como o filamento de actina está associado a ela, o movimento da cabeça de miosina                               
arrasta o filamento de actina, provocando seu deslizamento → ​movimento feio em direção ao centro                             
do sarcômero, provocando seu encurtamento 
 
Parada da contração: 
1) nova ligação com ATP: desliga da actina e se liga a uma outra molécula de actina em outra região 
- rigor mortis:​ sem ATP = músculo contraído 
2) remoção de Ca²​+: miosina desliga-se da actina, retorna à sua posição de origem; sem cálcio, ela não                                 
encontra outro sítio descoberto de actina e, com isso, a contração cessa 
 
Retículo sarcoplasmático 
- rede de cisternas de REL que armazena e regula o fluxo de Ca2​+​ no sarcoplasma 
 
1. despolarização ocorre por toda a membrana da célula  
2. invaginação da membrana da célula fica próxima ao retículo                 
sarcoplasmático, fazendo com