A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
4 Controle Superior da Atividade Motora Tronco Encefálico e Medula Espinal

Pré-visualização | Página 1 de 3

Fisiologia – Marcelo 
Controle Superior da Atividade Motora – Tronco Encefálico e 
Medula Espinal 
 
Recordando a Organização Segmentar dos Neurônios Motores 
 
Recordando a divisão da medula espinal de forma mais simplista, temos a substancia 
branca de forma externa na medula e substancia cinzenta formando o H da medula 
espinhal. Nessa substancia cinzenta temos uma região anterior, uma região 
intermediária que envolve o corno lateral, em ambos os lados, e a região intermediária 
central e lateral. Além disso há a região posterior, envolvendo os cornos posteriores 
e responsáveis pela área sensitiva, assim como a região anterior é responsável pela 
parte motora, onde estão presentes as lâminas de Rexed, responsáveis por conter o 
conjunto de neurônios motores, tanto alfa quanto gama. 
Na região intermediária, mais precisamente no corno lateral, estão presentes os 
corpos dos neurônios catecolaminérgicos que fazem parte do sistema nervoso 
autonômico. Sabemos que também temos a lâmina 5 que também apresenta 
conjunto de neurônios do sistema nervoso autonômico. A região central é uma região 
sensitiva, onde encontramos corpos de neurônios sensitivos presentes ao redor do canal central da medula espinhal. 
Além disso, há um conjunto de fibras de vias que chamamos de proprioespinais, sendo neurônios localizados na região 
cinzenta da medula espinal que enviam seus axônios a diferentes níveis da medula espinal. Nesse intrincado circuito medular 
encontramos uma série de interneurônios, sendo inibitórios e excitatórios, além de células de Virchow, que são 
interneurônios inibitórios que atuam diretamente na circuitaria dos reflexos. 
Outro ponto falado na organização dessa medula espinal é a forma que os neurônios motores 
são organizados na substancia cinzenta. Vimos que as regiões mais mediais do corno anterior 
eram responsáveis por conter os corpos neuronais que controlavam tanto a musculatura axial 
do nosso corpo quanto a musculatura proximal de nossos membros. Já as regiões mais 
laterais desse corno anterior eram responsáveis por controlar a musculatura distal de nossos 
membros. Um outro detalhe interessante na organização medular é que quando falamos nas 
regiões mediais da medula, podemos observar que sua ação envolve vários níveis medulares, 
ou seja, aqueles neurônios que participam do controle da nossa musculatura axial e proximal 
dos membros enviam feixes de fibras para vários níveis da medula espinal, além de atingir a 
medula contra lateralmente. Não só, então, temos essa informação do controle da musculatura 
axial e proximal dos membros, mas também temos neurônios que enviam seus axônios para 
regiões medulares contralaterais a sua origem. Essa ocorrência acaba sendo meio óbvia pois 
essa região da medula espinal na substancia cinzenta é responsável pelo controle da nossa 
musculatura axial, nosso tronco, sendo uma musculatura postural, logo, seria natural pensar que haveria uma influencia dos 
dois lados da medula para o controle postural adequado. Também é interessante observar essas regiões já que, uma vez 
ativadas, são capazes de ativar vários níveis medulares que causará uma ativação de uma série de músculos responsáveis 
pela manutenção de nossa postura. 
 Já a região mais lateral do corno anterior, ou seja, a região responsável pelo controle da musculatura distal dos membros, 
possui uma conexão em níveis muito menor do que aquelas dos neurônios localizados mais medialmente. Isso de deve ao 
fato de que essa organização citoarquitetônica da medula espinal envolve principalmente os membros, logo, os níveis que 
são responsáveis pela ativação da musculatura dos membros são níveis pequenos, principalmente nas intumescências 
que estudamos. 
Existem também outras influencias, como por exemplo a organização proveniente das regiões superiores. Vimos que na 
medula espinal a organização nas substancias cinzentas nas regiões mediais em relação a musculatura axial e proximal dos 
membros atingem vários níveis da medula, assim como regiões contralaterais. Já as regiões mais laterais, responsáveis 
pela musculatura distal do membro e também das mãos e pés, organizam-se em pequenos níveis para esse tipo de 
musculatura. Assim também, nós temos a organização proveniente dos neurônios motores superiores, sendo que o 
estudo dessa organização começou por uma dedução devido a essa organização da medula espinal. Existem neurônios 
superiores que se projetam apenas para as regiões mediais da medula espinal, logo, há uma organização estabelecida, 
então, alguns núcleos responsáveis por enviar as suas projeções para a medula espinal para o controle motor se organizam 
da mesma forma que na medula espinal, projetando-se para regiões mediais, atingindo vários níveis na medula espinal, 
podendo também atingir o lado contralateral da medula, fazendo o controle da circuitaria da medula espinal responsável 
pela nossa postura. Os neurônios motores superiores que se projetam para as regiões laterais dos cornos anteriores 
também estão restritos a poucos segmentos medulares. Um exemplo para esse fato seria a Via Corticoespinal, que sai 
do córtex (áreas motoras primárias) e se dirige para a região mais lateral da medula. 
No esquema a seguir podemos observar detalhes presentes na substancia 
branca, o funículo lateral e o funículo anterior. Lembrando que, quando 
falamos dos centros superiores, há a organização da mesma forma que 
as circuitarias medulares, ou seja, as regiões mais mediais são responsáveis 
pelo controle da musculatura axial e proximal dos membros e as regiões 
mais laterais responsáveis pelos músculos distais dos membros. 
Vejamos como isso ocorre. Os neurônios motores superiores localizados 
na Via Corticoespinal, por exemplo, partem do córtex, cruzam a linha média (decussação das pirâmides) e vão pela 
substancia branca, no funículo lateral, e atingem os neurônios da substância cinzenta responsável pela musculatura mais 
distal dos membros. Essa é uma via lateral, devido ao fato de que desce organizada pelas regiões mais laterais da substancia 
branca. Já o sistema que chamamos de medial, que desce pelo funículo anterior, atinge os neurônios da substancia cinzenta 
responsáveis pela musculatura axial e proximal dos membros. Como exemplo podemos usar a Formação Reticular e 
também os Núcleos Vestibulares, que descem do tronco encefálico e atingem a medula espinal, tanto nas regiões mais 
mediais do mesmo lado quando do lado contralateral. Além da Formação Reticular e dos Núcleos Vestibulares, fazem parte 
do sistema medial as vias partindo do colículo superior, conhecido como via teto-espinal. Também faz parte do sistema 
lateral uma outra via que parte do tronco encefálico também, a via rubro-espinal, que também atuará nos mesmos corpos 
neuronais localizados mais lateralmente na medula espinal. 
 
Sistema Motor Superior 
 
O neurônio motor superior estará presente tanto no córtex quanto no tronco 
encefálico. Esses neurônios farão suas projeções para regiões que estão presentes na 
medula espinal que fazem parte da circuitaria do controle motor, ou seja, para os 
motores inferiores (alfa e gama), presentes na medula espinal e no tronco encefálico. 
Neurônios inferiores estão presentes na medula espinal e no tronco encefálico, sendo 
que as síndromes do neurônio inferior podem ocorrer nos dois locais. 
 No tronco encefálico também há a presença de neurônios superiores, presentes na 
formação reticular, no núcleo rubro, no colículo superior e nos núcleos vestibulares. 
Existe uma hierarquia no sistema nervoso central, sendo que o ponto mais baixo é a 
medula espinal, onde também encontramos o centro gerador de padrão, que é 
controlado por centros superiores onde encontramos os neurônios superiores, como 
o núcleo rubro, o colículo superior, as vias vestibulares e a formação reticular, além de uma região hierarquicamente mais 
importante, o córtex, de onde partem as informações mais importantes para esse controle