A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Casos clínicos em fisioterapia traumato ortopedia

Pré-visualização | Página 1 de 1

CASOS CLÍNICOS (06.11.2020)
1.Paciente S.M.L, 30 anos, sexo masculino, natural de Santarém, sofreu acidente de moto contra uma árvore. Chegou ao hospital com dor intensa e impossibilidade de deambular. Apresentava várias escoriações, deformação anatômica em membros inferiores e ferimento aberto em região lateral da coxa direita. O estudo radiográfico evidenciou perda da continuidade da epiderme e comunicação com o meio externo na parte diafisária e epifisária no fêmur direito. No mesmo dia do trauma, introduziram-se Cefazolina, Metronidazol e Gentamicina para profilaxia de infecções. O paciente foi submetido à correção cirúrgica sob anestesia geral. No primeiro dia de pós-operatório, apresentou pequena quantidade de secreção no trajeto dos pinos do fixador externo e em dreno de ferida operatória no joelho. Paciente recebeu alta do CTI três dias depois.
a) Qual o diagnóstico inicial?
b) Qual possível fixador foi utilizado?
2. Paciente E.S.C, 25 anos, masculino, pedreiro, foi encaminhado para a fisioterapia, o mesmo chegou em cadeira de rodas, relata ter sido vítima de homicídio, com uma perfuração por arma de fogo (PAF) em coxa D (com orifício de entrada e saída), não houve fratura, precisou de enxerto e possui ferida aberta em parte medial da perna. Paciente apresenta pé caído, relata dor no local da lesão e não sentir a parte posterior da perna e pé.
a) Qual o diagnóstico?
b) Quais possíveis condutas podem ser realizadas?
3. Paciente M.R.C, 50 anos, sexo feminino, casada, domestica, foi para o hospital um dia após acidente automobilístico. Os exames de imagem constatam luxação do quadril E associada à fratura de acetábulo. A paciente foi submetida a tração transtibial e fixação interna. Não foi observada lesão nervosa, não apresentou alterações de sensibilidade, trombose ou outras complicações. Após alta hospitalar, fez uso de cadeira de rodas e por motivo pessoal não teve acompanhamento fisioterapêutico por dois meses. Chegou à unidade de fisioterapia queixando-se de dor em região de joelho E e incapacidade funcional global, exceto membros superiores. Não apresentava edema, mas possuía postura viciosa, com membro inferior E em rotação externa, hipotonia, hipotrofia e encurtamento de isquiotibiais e flexores de quadril.
a) Qual diagnóstico clínico?
b) Trace um plano de tratamento fisioterapêutico para essa paciente.
4. Paciente A.K.M.L, 31 anos, sexo masculino, médico, chegou a clínica de fisioterapia relatando ter sofrido uma queda e como consequência perda da congruência articular do olecrano após ser atacado por um cão. Relatou dor grau 6 em escala EVA, edema, limitação de movimento, sensibilidade ao toque e fraqueza muscular. Não houve cirurgia.
a) Qual o diagnóstico?
b) Quais são os objetivos para tratamento?
c) Quais as possíveis condutas a serem realizadas? 
5. Paciente D.G.C, 15 anos, sexo feminino, estudante, chega ao pronto socorro com queixa de dificuldade de deambulação e dor em membro inferior D associada à febre, relata que não consegue move-la há 18 horas, nega qualquer tipo de trauma. Paciente tomou Dipirona e ibuprofeno, mas não houve melhora nos sintomas. Paciente relata que a dor iniciou na porção superior anterior do joelho e depois começou a irradiar para todo membro e o glúteo. Mãe diz que no meio da noite, seu filho acordou com dores, calafrios e febre e no início da manhã do dia seguinte, ao acordar, o paciente já começou a apresentar alterações na deambulação e dores intensas. A mãe também relatou que há três semanas, foram ao pronto atendimento devido à febre e queixas de dor auricular do filho, cujo diagnóstico foi otite média. Durante o exame foi possível observado edema em MID abaixo do joelho, ao redor estava eritematosa e o paciente sentia dor à palpação e havia limitação de ADM. Foi feito radio-x apresentou-se sem alterações e exames laboratoriais verificou-se positivo para Staphylococcus aureus.
a) Analisando o caso clínico, qual o diagnóstico?
b) Qual o quadro clínico?
6. Paciente de 40 anos, sexo masculino chega ao hospital com quadro de isquemia pós acidente de carro. A acompanhante relata que houve hemorragia pela parte da coxa D, diminuição da temperatura e presença de palidez. 
a) Qual foi a possível lesão ocorrida?
b) Nesse caso, qual conduta deveria ser tomada no local do acidente? 
7. Paciente M.L.M, 67 anos, sexo feminino, obesa, sofre com estenose de canal, causando forte degeneração do segmento e grave compressão medular. A paciente relata dores com irradiação para membros inferiores, marcha claudicante, perda de sensibilidade do joelho para baixo nas duas pernas com limitação de movimentos. Fez cirurgia com abordagem inicial anterior (abertura do abdômen), para retirada de todo o disco intervertebral e colocação de suporte anterior tipo ALIF (Anterior Lumbar Interbody Fusion). Por via posterior foi feito fixação com parafuso pedicular, barras e ampla descompressão posterior. A cirurgia foi um sucesso, a retirada do disco e a fixação do parafuso pedicular permitiu a descompressão da medula e trouxe alívio total do quadro de dor lombar e ciática. Nas imagens de tomografia da região operada, mostrou bom posicionamento do implante. Após foi encaminhada para a fisioterapia.
a) Qual cirurgia foi feita?
b) Quais objetivos fisioterapêuticas para essa paciente?
8. Paciente C.A.R, 41 anos, masculino, natural de Santarém, chegou ao hospital com história de trauma em fratura fechada de fêmur E. 
a)Qual procedimento foi realizado?
 
9. Paciente S.L.P, 50 anos, sexo masculino, administrador, chegou a clínica de fisioterapia com dor na coluna lombar grau 7 em escala EVA com irradiação para MID, relatou que sente há mais ou menos 5 meses, fazia uso de relaxante muscular e anti-inflamatório, porém as dores permaneciam. Na avaliação foi visto que as dores pioram aos movimentos, manobra de valsalva negativo e teste de lasegue positivo. Foi analisado assimetrias da cintura escapular e pélvica com lado D mais elevado, fechamento triângulo de Tales D e cabeça inclinada à D.
a) Qual o diagnóstico clínico?
b) Quais as possíveis condutas fisioterapêuticas a serem realizadas?

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.