A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
179 pág.
guia_de_profissoes_unesp_09-09-2020

Pré-visualização | Página 46 de 46

tem como perspectiva 
profissional um conjunto amplo de 
possibilidades de atuação tanto no 
país como fora dele, ainda como 
estudante. Ele exerce funções em 
agências de turismo, operadoras 
turísticas, setores de restauração 
(A&B), hotelaria, eventos e em 
setores de planejamento de des-
tinos turísticos, gerenciamento de 
parques, nos transportes, entre 
outros segmentos estratégicos que 
exigem mão de obra qualificada. 
Dados do Ministério do Turismo 
(MTUR) indicam a importância 
do turismo e a necessidade de 
pessoas capacitadas para plane-
jamento, execução e avaliação do 
setor, sendo, portanto, imprescin-
dível o fortalecimento de cursos 
de graduação em Turismo no 
país. A atividade turística se con-
solidou na sociedade do século 
XXI como um direito da socieda-
de ao lazer e entretenimento. A 
velocidade do desenvolvimento 
tecnológico e científico faz com 
que surjam segmentações de 
público e, consequentemente, 
novas possibilidades de expansão 
do turismo. Nessa perspectiva, é 
necessária a formação de um pro-
fissional adequado ao setor, com 
visão globalizada e sensibilizada 
às atitudes econômicas, sociais, 
culturais, ambientais e políticas 
voltadas ao lazer na sociedade 
contemporânea. O bacharel em 
Turismo formado pela Unesp deve 
ser capaz de analisar e propor 
processos de planejamento que 
permitam o desenvolvimento res-
ponsável da atividade, contribuin-
do com pesquisas para a detecção 
de possíveis impactos negativos 
que acompanham as práticas da 
atividade. A aprendizagem multi-
disciplinar contextualiza turismo, 
economia, administração, cultura, 
artes, história, geografia, lazer, re-
creação, meio ambiente e gastro-
 Guia de Profissões  177
nomia; solidifica o conhecimento 
e prepara o jovem empreendedor 
para atuação na sociedade, visan-
do uma carreira de perfil criativo e 
inovador e, ao mesmo tempo, or-
ganizado e responsável. A inclusão 
de novos consumidores nos países 
emergentes intensificou o turismo 
no mundo e no Brasil, acelerando 
a busca por especialistas na área. 
Para atender a essa demanda, a 
Unesp tem oferecido, desde 2003, 
no Câmpus de Rosana (oeste do 
Estado), o curso de bacharelado 
em Turismo. Seu diferencial está 
na formação de pessoas aptas à 
prática do turismo responsável, 
que una o respeito a aspectos 
ambientais e socioculturais à 
lógica econômica do setor, que 
possibilite sua atuação profissio-
nal, individual e em equipe, com 
responsabilidade social e ética 
A inclusão de novos 
consumidores nos 
países emergentes 
intensificou o turismo 
no mundo
nas diversas atividades turísticas. 
Na Unesp, Câmpus de Rosana, 
o futuro bacharel é incentivado 
ao desenvolvimento de projetos 
de extensão, à iniciação científica, 
à publicação de pesquisas, ao 
intercâmbio estudantil, para que 
adquira segurança profissional para 
uma atuação plena. O Câmpus 
de Rosana possui infraestrutura 
adequada às demandas do curso. 
Conta com um ônibus exclusivo 
para atividades acadêmicas, como 
viagens técnicas locais, regionais, 
nacionais e internacionais, acom-
panhadas por docentes. A intenção 
é observar a realidade de destinos 
turísticos relacionando teoria e 
prática num processo crítico e 
aplicável em que a reflexão se 
soma ao aprendizado, orientando 
os alunos a uma visão ampla e 
sistêmica que envolve o turismo 
nas localidades visitadas. Desta 
forma, essa atividade pode ser 
considera da como um dos eixos 
de articulação da aprendizagem no 
turismo neste curso. Laboratórios 
de Alimentos e Bebidas, Eventos, 
Informática, Idiomas, recreação 
e lazer, Agenciamento e Estágios 
somam-se às possibilidades de 
aprimoramento profissional em 
empresas e instituições convenia-
das com a Unesp na região, no 
Estado de São Paulo ou em outras 
cidades no Brasil.
O dia da matrícula e a primeira semana de aulas 
dos alunos ingressantes na faculdade são, quase 
sempre, marcados pela recepção aos calouros. Ações 
já tradicionais, como pedágios nas esquinas para 
arrecadar dinheiro (a ser utilizado em festas), rostos 
pintados e cabeças raspadas foram, em meados dos 
anos 1980, assumindo novas e perigosas conotações, 
que resultaram em agressões, mutilações e até mes-
mo óbitos de calouros.
Para evitar que atitudes constrangedoras ocorram 
na Unesp, a Universidade proibiu o trote em 1999, 
pela Resolução no 86. Ela estabelece que cada fa-
culdade deve definir as diretrizes e atividades de 
recepção ao aluno ingressante e que eventuais trans-
gressões – agressão física, moral ou outras formas 
de constrangimento, dentro ou fora do espaço físico 
da Universidade – serão consideradas faltas graves, 
passíveis de suspensão ou expulsão.
Atividades de integração e 
alcance social
Fomentar saúde, cultura, esporte e lazer
A Resolução no 86 está em consonância com a 
Lei no 10.454, promulgada em 1999, e com a Lei n. 
11.365, promulgada no ano seguinte, ambas abolin-
do o trote e instituindo ações solidárias.
Para não acabar com a tradição, que simboli- 
za a passagem de uma etapa da vida para a outra 
e, principalmente, significa a aceitação do novo 
aluno no mundo universitário, diretores, profes-
sores e estudantes da Unesp se mobilizam para 
criar formas inovadoras de recepção aos calouros, 
caracterizadas por atividades solidárias e de alcance 
social, como arrecadação de gêneros alimentícios e 
plantio de árvores.
A Universidade conta com um Grupo de Trabalho 
(GT) de Prevenção à Violência. Aprovado dia 10 de 
março de 2015 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa 
e Extensão Universitária (CEPE), coordenado pelo 
vice-reitor e com a participação de docentes, alunos 
e servidores técnico-administrativos de diferentes 
unidades da Universidade, o grupo tem como obje-
tivo fomentar a saúde, a cultura, o esporte e o lazer, 
criando novos mecanismos, mais próximos do aluno 
e de suas necessidades em todos os aspectos – aca-
dêmicos, sociais e psicológicos –, num contexto que 
leve em conta o ambiente universitário e a sociedade 
como um todo. 
Denúncias contra trote violento ou contra qualquer 
outra espécie de violência podem ser realizadas junto 
à vice-direção da Unidade, à Ouvidoria Local ou à 
Ouvidoria Geral (ouvidoria.reitoria@unesp.br). 
Os contatos gerais para realizar denúncias contra 
trote violento estão em: unesp.br/ouvidoria.
178 - Guia de Profissões
RECEPÇÃO AOS INGRESSANTES

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.