A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
262 pág.
Dir Processual Penal - CESPE - 1001QC - Nourmirio Tesseroli Filho

Pré-visualização | Página 43 de 50

MPE-SE/2010) Acerca do procedimento nos 
feitos de competência do tribunal do júri, os peritos podem ser 
ouvidos em audiência de instrução e julgamento para 
esclarecimento sobre laudos, mas isso depende de prévio 
requerimento e de deferimento pelo juiz, dependendo, ainda, de 
prévio requerimento e de deferimento. 
501. (CESPE/Analista Processual-MPU/2010) Os prazos, no processo 
penal, são sempre contínuos e peremptórios, e, como regra geral, 
não podem ser prorrogados nem interrompidos; há, entretanto, 
situações em que é admitida a suspensão temporária dos prazos 
processuais, tais como nas de comprovação de doença mental do 
acusado, presença de questão prejudicial e impedimento do juiz, 
casos em que se suspende o curso normal do procedimento, sem 
que instância se desfaça, ensejando-se a chamada crise de 
instância. 
502. (CESPE/Analista Processual-MPU/2010) Na atual sistemática 
processual penal, a absolvição sumária e a rejeição da denúncia 
têm como finalidade a extinção, de forma antecipada, do 
processo: no primeiro caso, ocorre o exame do mérito da 
questão, obstando-se a propositura de nova ação penal acerca 
dos mesmos fatos; no segundo, enseja-se a declaração de 
desconformidade com os aspectos formais indispensáveis à 
propositura da ação penal e, supridas as exigências legais, 
poderá a ação ser intentada novamente. 
503. (CESPE/Promotor MPE-RO/2010) A Lei nº 9.034/1995, que 
dispõe a respeito do crime organizado, não veda a concessão de 
liberdade provisória aos agentes que tenham tido intensa e 
efetiva participação na organização criminosa. 
504. (CESPE/Promotor MPE-RO/2010) Ao acusado que tenha 
colaborado efetiva e voluntariamente com a investigação e com o 
processo criminal, desde que dessa colaboração tenha resultado 
identificação dos demais coautores ou partícipes da ação 
1001 Questões Comentadas – Direito Processual Penal – CESPE 
Prof. Nourmirio Tesseroli Filho 
133 
 
criminosa, o juiz poderá conceder o perdão judicial, 
independentemente dos antecedentes criminais do beneficiário 
desse perdão. 
505. (CESPE/Promotor MPE-RO/2010) Com relação à primeira fase 
do procedimento do tribunal do júri, o juiz absolverá o acusado 
quando não existir prova de ter este concorrido para a infração 
penal. 
506. (CESPE/Defensor Público da União/2010) Na fase pré-
processual, havendo conflito de atribuições entre membros do 
Ministério Público Federal e do Ministério Público do Estado, ele 
deve ser solucionado pelo Superior Tribunal de Justiça, 
seguindo-se a mesma sistemática constitucionalmente delineada 
para resolução de conflito de competência entre juízes 
vinculados a tribunais diversos. Idêntico procedimento adotado 
quando do arquivamento de inquérito policial por juiz 
materialmente incompetente. 
507. (CESPE/Defensor Público da União/2010) Atualmente, o rito 
estabelecido no CPP para os crimes de responsabilidade de 
funcionário público é o comum ordinário, como regra geral, 
ressalvados os procedimentos estabelecidos especificamente 
para o júri e para os juizados especiais criminais. No que diz 
respeito aos crimes praticados por funcionário contra a 
administração em geral, deve ser seguido o procedimento 
especial estabelecido no CPP. Caso condenado à pena privativa 
de liberdade por tempo igual ou superior a um ano de detenção 
ou de reclusão, nos crimes praticados com abuso de poder ou 
violação de dever com a administração, o funcionário poderá 
suportar, como efeito secundário extrapenal, a perda de cargo 
público, se isso constar, expressa e fundamentadamente, na 
sentença penal. 
508. (CESPE/Exame de Ordem Unificado 2009.3) O exame de 
avaliação da saúde mental do acusado poderá ser ordenado na 
fase de inquérito, mediante representação da autoridade judicial 
ao juiz competente. 
509. (CESPE/Exame de Ordem Unificado 2009.3) Caso seja 
comprovada a insanidade mental do acusado, ao tempo da 
infração penal, o processo deverá ser imediatamente extinto, 
decretando-se a extinção da punibilidade do réu. 
510. (CESPE/Exame de Ordem Unificado 2009.3) Conforme a 
complexidade do caso, após a audiência de instrução e 
julgamento, poderá o juiz conceder às partes prazo de cinco dias 
sucessivamente para a apresentação de memoriais. 
511. (CESPE/Exame de Ordem Unificado 2009.3) Na audiência de 
instrução e julgamento, deverá proceder-se à tomada das 
1001 Questões Comentadas – Direito Processual Penal – CESPE 
Prof. Nourmirio Tesseroli Filho 
134 
 
declarações do ofendido e do réu, designando-se nova data para 
a inquirição das testemunhas e dos peritos. 
512. (CESPE/Exame de Ordem 2009.1) A respeito do questionário 
utilizado no tribunal do júri, o juiz-presidente não deve formular 
quesitos sobre causas de diminuição de pena alegadas pela 
defesa, visto tratar-se de matéria atinente à fixação da pena, que 
incumbe ao juiz-presidente, e não, aos jurados. 
513. (CESPE/Exame de Ordem 2009.1) No processo para apuração 
de ato infracional de adolescente, não se exige defesa técnica por 
advogado. 
514. (CESPE/Exame de Ordem 2009.1) O adolescente que atinge 18 
anos de idade deve ser compulsoriamente liberado da medida 
socioeducativa de internação em razão do alcance da maioridade 
penal. 
515. (CESPE/Defensor Público-ES/2009) O defensor pode abandonar 
o processo por qualquer motivo, desde que comunique 
previamente ao juiz sua decisão. 
516. (CESPE/Defensor Público-ES/2009) Se forem relevantes os 
motivos alegados no pedido de desaforamento, o relator poderá 
determinar, fundamentadamente, a suspensão do julgamento 
pelo júri. 
517. (CESPE/Defensor Público-AL/2009) Na hipótese de o réu ser 
processado por mais de um crime, cada um deles com 
procedimento diverso, deve ser seguido o procedimento mais 
genérico possível para todos os delitos. 
518. (CESPE/Defensor Público-PI/2009) Assiste, a cada um dos 
litisconsortes penais passivos, o direito – fundado em cláusulas 
constitucionais –, de formular reperguntas aos demais co-réus, 
que serão obrigados a respondê-las. 
519. (CESPE/Defensor Público-PI/2009) O réu pode ser processado e 
julgado com base em leis “ex post facto”. 
520. (CESPE/Defensor Público-PI/2009) A arbitrária recusa em 
permitir ao co-réu a formulação de reperguntas qualifica-se 
como causa geradora de nulidade processual relativa, por 
implicar transgressão ao estatuto constitucional do direito de 
defesa. 
521. (CESPE/Defensor Público-PI/2009) O réu tem direito de 
presença e de participação ativa nos atos de interrogatório 
judicial dos demais litisconsortes penais passivos, quando 
existentes. 
522. (CESPE/Promotor MPE-RN/2009) Para apurar dano provocado 
ao erário, admite-se a quebra do sigilo bancário e fiscal dos 
1001 Questões Comentadas – Direito Processual Penal – CESPE 
Prof. Nourmirio Tesseroli Filho 
135 
 
envolvidos diretamente pelo MP, sem necessidade de autorização 
judicial. 
523. (CESPE/Juiz Federal Substituto-TRF 1ª/2009) Compete à 
União, aos estados e ao DF legislar concorrentemente sobre 
procedimentos em matéria processual. Uma lei estadual pode 
fixar prazo prescricional para a conclusão dos processos 
administrativos instaurados para apuração de falta grave no 
âmbito das execuções penais. 
524. (CESPE/Juiz Federal Substituto-TRF 1ª/2009) A jurisprudência 
do STF firmou-se no sentido de que, nos crimes de sonegação 
fiscal, a ação penal só poderá ser instaurada após a definitiva 
constituição do crédito tributário na esfera administrativa. No 
entanto, tal orientação jurisprudencial não impõe o trancamento 
de inquérito policial instaurado para a apuração do delito, uma 
vez que não há constrangimento ilegal, além do que não se 
revela razoável impedir, antes da solução no âmbito 
administrativo, os simples atos investigativos, especialmente 
diante da possibilidade de desaparecimento