A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Prisão em Flagrante

Pré-visualização | Página 1 de 1

Prisão em Flagrante
Aluno: Fernando Andrade Holanda
Direito-Vespertino-2017.1
Conceito
Prisão consiste na restrição da liberdade de alguém;
Flagrante é o delito que está sendo cometido ou acabou de sê-lo;
Prisão em flagrante delito é, assim, a prisão daquele que é surpreendido no momento da realização da conduta criminosa.
Prisão Penal X Prisão Processual(prisões provisórias: flagrante/preventiva/temporária);
Art. 283 do CPP: Ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente, em decorrência de sentença condenatória transitada em julgado ou, no curso da investigação ou do processo, em virtude de prisão temporária ou prisão preventiva.
Classificação
FLAGRANTE FACULTATIVO: qualquer pessoa pode prender aquele que se encontre em flagrante delito; 
FLAGRANTE NECESSÁRIO/COMPULSÓRIO: refere-se as autoridades policiais e seus agentes que deverão prender aquele que se encontre em flagrante delito;
FLAGRANTE PRÓPRIO (Art. 302, I e II, CPP): : considera-se em flagrante de delito aquele que esta cometendo uma infração penal ou acabou de cometê-la;
 
4) FLAGRANTE IMPRÓPRIO (Art. 302, III, CPP): aquele que é perseguido, logo após, pela autoridade policial, pelo ofendido ou por qualquer pessoa, em situação que se faça presumir ser autor da infração; 
Se faz necessário a perseguição de imediato
5) FLAGRANTE PRESUMIDO (Art. 302, IV, CPP): aquele que é encontrado, logo depois, com os instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir ser ele o autor da infração; 
Nesse caso, não existe perseguição, entretanto, localizado na posse de alguns desses elementos mencionados na lei, presume-se ser o autor da infração; 
6) FLAGRANTE PROVOCADO/ PREPARADO: é aquele em que há a indução ou a instigação para que alguém pratique o crime, com o objetivo de efetuar a sua prisão.
 Súmula 145, do Supremo Tribunal Federal: “Não há crime quando a preparação do flagrante pela polícia torna impossível a sua consumação”.
7) FLAGRANTE ESPERADO: ocorre quando o sujeito ativo, tendo conhecimento prévio, mediante denúncia anônima, que o delito estava prestes a ser cometido, surpreende o agente na prática da ação delitiva;
8) FLAGRANTE FORJADO: ocorre quando são criadas provas inexistentes, na busca de incriminar e prender alguém em flagrante. Trata-se de um fato atípico; 
9) FLAGRANTE RETARDADO/DIFERIDO: é a possibilidade que a polícia possui de retardar a realização da prisão em flagrante, para obter maiores dados e informações a respeito do funcionamento, componentes e atuação de uma organização criminosa;
Sujeitos da prisão em flagrante
Sujeito Ativo: refere-se ao autor da prisão;
Sujeito passivo: qualquer pessoa; 
EXCEÇÕES (dispensa de flagrante):
a) Menor de Idade (arts. 171 e ss da Lei n. 8.069/90);
b) Presidente da República (art. 86, § 3º, da CF);
c) Diplomatas Estrangeiros (imunidade diplomática);
d) Autor de acidente automobilístico culposo que preste pronto e integral socorro à vítima (art. 301 do CTB/Lei n. 9.503/97);
e) Autor de infração penal de menor potencial ofensivo (art. 69, § único, da Lei n. 9.099/95);
f) Usuário de Drogas (para consumo pessoal – arts. 28 e 48, § 2º, da Lei n. 11.343/06).
Art. 310 do CPP: Após receber o auto de prisão em flagrante, no prazo máximo de até 24 (vinte e quatro) horas após a realização da prisão, o juiz deverá promover audiência de custódia com a presença do acusado, seu advogado constituído ou membro da Defensoria Pública e o membro do Ministério Público, e, nessa audiência, o juiz deverá, fundamentadamente: 
I - relaxar a prisão ilegal; ou (Incluído pela Lei nº 12.403, de 2011).
II - converter a prisão em flagrante em preventiva, quando presentes os requisitos constantes do art. 312 deste Código, e se revelarem inadequadas ou insuficientes as medidas cautelares diversas da prisão; ou (Incluído pela Lei nº 12.403, de 2011).
III - conceder liberdade provisória, com ou sem fiança. (Incluído pela Lei nº 12.403, de 2011).
PRISÃO DOMICILIAR
CONCEITO: De acordo com o artigo 317 do Código de Processo Penal, a prisão domiciliar consiste no recolhimento do indiciado ou acusado em sua residência, só podendo dela ausentar-se com autorização judicial. 
É aplicada em favor dos condenados que cumprem pena em regime aberto, mas, há situações excepcionais em que se tem concedido a modalidade domiciliar mesmo quando o sentenciado não está no regime aberto.
HIPÓSTES DE CABIMENTO
Art. 117 da LEP: Somente se admitirá o recolhimento do beneficiário de regime aberto em residência particular quando se tratar de:
I - condenado maior de 70 (setenta) anos;
II - condenado acometido de doença grave;
III - condenada com filho menor ou deficiente físico ou mental;
IV - condenada gestante.
PRISÃO DOMICILIAR COMO MEDIDA CAUTELAR
Art. 318 do CPP:  Poderá o juiz substituir a prisão preventiva pela domiciliar quando o agente for:   
I - maior de 80 (oitenta) anos;          
II - extremamente debilitado por motivo de doença grave; 
III - imprescindível aos cuidados especiais de pessoa menor de seis (seis) anos de idade ou com deficiência;
IV - gestante;  (não importa o tempo de gestação)          
V - mulher com filho de até 12 (doze) anos de idade incompletos;
VI - homem, caso seja o único responsável pelos cuidados do filho de até 12 (doze) anos de idade incompletos;
Parágrafo único.  Para a substituição, o juiz exigirá prova idônea dos requisitos estabelecidos neste artigo.