A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
APOL OBJETIVA - LIBERDADE E FILOSOFIA

Pré-visualização | Página 1 de 2

Questão 1/10 - Liberdade e Filosofia - Eletiva IX 
Considere o fragmento a seguir: 
“Normalmente, o que nos causa prazer é considerado bom, e o que nos causa dor é considerado mau”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: FERREIRA, Alexandre de Oliveira. Liberdade e filosofia: da antiguidade a Kant. Curitiba: InterSaberes, 2013. p.79. 
Conforme o fragmento do texto e os conteúdos do livro-base Liberdade e filosofia: da antiguidade a 
Kant, relacione corretamente as emoções ativas e passivas às suas respectivas definições, segundo 
Espinosa. 
(1) Emoções ativas 
(2) Emoções passivas 
( ) são aquelas causadas por modificações em nosso corpo, são as denominadas paixões. 
( ) o prazer e a dor vêm de algo externo a nós mesmos e, normalmente, fogem ao nosso controle. 
( ) provêm da alma e são alcançadas pelo uso correto da nossa razão. 
Agora assinale a alternativa que apresenta sequência correta. 
Nota: 0.0 
 
A 1 – 2 – 2 
 
B 2 – 2 – 1 
Comentário: Esta é alternativa correta: [1] As emoções ativas, por sua vez, provêm da alma e são alcançadas pelo uso correto da nossa razão p. 80; [2]Geralmente 
as emoções passivas são aquelas causadas por modificações em nosso corpo, são as denominadas paixões; Nesse caso, o prazer e a dor vêm de algo externo a nós 
mesmos e, normalmente, fogem ao nosso controle. P.79 e 80. 
Dimensão de Bloom: Lembrar (C); Receptividade (A) 
 
C 1 – 1 – 2 
 
D 1 – 2 – 1 
 
E 2 – 1 – 1 
 
Questão 2/10 - Liberdade e Filosofia - Eletiva IX 
Considere o fragmento a seguir: 
“O termo Deus, em grego, é Theos – daí a palavra teologia. Assim, o pensamento de Espinosa é 
considerado panteísta, ou seja: Deus é tudo e está em todas as coisas, é todas as coisas”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: FERREIRA, Alexandre de Oliveira. Liberdade e filosofia: da antiguidade a Kant. Curitiba: InterSaberes, 2013. p.76. 
Conforme o fragmento do texto e os conteúdos do livro-base Liberdade e filosofia: da antiguidade a 
Kant, para Espinosa Deus é... 
Nota: 10.0 
 
A Sabedoria. 
 
B Natureza. 
Você acertou! 
Esta é alternativa correta: "Ao contrário da tradição judaico-cristã, que concebe Deus como uma substância sobrenatural que cria a natureza a partir do nada, para 
Espinosa, Deus é a natureza [...]" (livro-base, p.75. 
Dimensão de Bloom: Lembrar (C); Receptividade (A) 
 
C Conhecimento. 
 
D Razão. 
 
E Liberdade. 
 
Questão 3/10 - Liberdade e Filosofia - Eletiva IX 
Considere o fragmento a seguir: 
“Em nossa visão limitada e humana, acreditamos que algo que é ruim para nós é ruim em si mesmo. 
Assim, tudo o que parece contingente e acidental faz parte de uma harmonia universal preestabelecida por 
Deus no momento da criação”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: FERREIRA, Alexandre de Oliveira. Liberdade e filosofia: da antiguidade a Kant. Curitiba: InterSaberes, 2013. p.92. 
Conforme o fragmento do texto e os conteúdos do livro-base Liberdade e filosofia: da antiguidade a 
Kant, assinale a alternativa que explica corretamente, segundo Leibniz, como o homem pode entender os 
coisas ruins que lhe acontecem. 
Nota: 10.0 
 
A O que para o homem é uma verdade de fato, contingente e acidental, para Deus é uma verdade de razão, necessária e evidente. 
Você acertou! 
Esta é alternativa correta: “Em nossa visão limitada e humana, acreditamos que algo que é ruim para nós é ruim em si mesmo. Assim, tudo o que parece 
contingente e acidental faz parte de uma harmonia universal preestabelecida por Deus no momento da criação. Logo, o que para nós é uma verdade de fato, 
contingente e acidental, para Deus é uma verdade de razão, necessária e evidente. Isso ocorre porque nosso intelecto é finito, e o de Deus, infinito”. (livro-base, 
p.92). 
 
 Dimensão de Bloom: Lembrar (C); Receptividade (A) 
 
 
B O que para o homem é uma verdade de fato, contingente e acidental, para Deus é uma verdade de fato também, necessária e evidente. 
 
C O que para o homem é uma verdade de razão, contingente e acidental, para Deus é uma verdade de razão, necessária e evidente. 
 
D O que para o homem é uma verdade de razão, contingente e acidental, para Deus é uma verdade de fato, necessária e evidente. 
 
E O que para o homem é uma verdade de razão, contingente e acidental, para Deus é uma verdade imposta, soberana, necessária e 
evidente. 
 
Questão 4/10 - Liberdade e Filosofia - Eletiva IX 
Considere o fragmento a seguir: 
“Leibniz nasceu em 1646, na cidade de Leipzig, na Alemanha, e morreu em 1716. Um bom ponto de 
partida para a análise de seu pensamento é a relação entre lógica, existência e verdade”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: FERREIRA, Alexandre de Oliveira. Liberdade e filosofia: da antiguidade a Kant. Curitiba: InterSaberes, 2013. p.90. 
Conforme o fragmento do texto e os conteúdos do livro-base Liberdade e filosofia: da antiguidade a 
Kant, relacione corretamente as verdades da razão e verdades de fato às suas respectivas definições, 
segundo Leibniz. 
(1) Verdades da razão 
(2) Verdades de fato 
( ) são aquelas nas quais o predicado já está contido no conceito do sujeito. 
( ) são aquelas que dizem respeito à existência das coisas. 
( ) obedecem ao princípio de contradição: uma coisa não pode “ser” e “não ser” ao mesmo tempo 
( ) são necessárias e obedecem ao princípio de contradição. 
Nota: 0.0 
 
A 1 – 2 – 2 – 1 
 
B 2 – 2 – 1 – 1 
 
C 1 – 1 – 2 – 2 
 
D 1 – 2 – 1 – 2 
Comentário: Esta é alternativa correta: (livro-base, p.79 e 80). "As verdades de razão são aquelas nas quais o predicado já está contido no conceito do sujeito; as 
verdades de razão obedecem ao princípio de contradição: uma coisa não pode 'ser' e “não ser” ao mesmo tempo". (livro-base, p. 90). "São aquelas que dizem 
respeito à existência das coisas; as verdades de fato são contingentes e seus contrários não implicam contradição". (livro-base, p. 91). 
Dimensão de Bloom: Lembrar (C); Receptividade (A) 
 
E 2 – 1 – 1 – 2 
 
Questão 5/10 - Liberdade e Filosofia - Eletiva IX 
Considere o fragmento a seguir: 
“Uma das principais dificuldades na filosofia de Espinosa é o fato de ela tentar unir um determinismo ainda 
mais radical que o de Malebranche a uma teoria da liberdade”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: FERREIRA, Alexandre de Oliveira. Liberdade e filosofia: da antiguidade a Kant. Curitiba: InterSaberes, 2013. p.75. 
Conforme o fragmento do texto e os conteúdos do livro-base Liberdade e filosofia: da antiguidade a 
Kant, assinale a alternativa que apresenta o ponto de partida do pensamento de Espinosa. 
Nota: 10.0 
 
A Ideia de substância. 
Você acertou! 
Esta é alternativa correta: "O ponto de partida do pensamento de Espinosa é a ideia de substância (Copleston, 1994b)" (livro-base, p.75). 
Dimensão de Bloom: Lembrar (C); Receptividade (A) 
 
B Ideia de substrato. 
 
C Ideia de abstrato. 
 
D Ideia de importância. 
 
E Ideia de relevância. 
 
Questão 6/10 - Liberdade e Filosofia - Eletiva IX 
Considere o fragmento a seguir: 
“Mas Leibniz afirma, também, que mesmo as verdades de fato devem possuir uma razão de ser, a qual 
deve obedecer a uma necessidade lógica”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: FERREIRA, Alexandre de Oliveira. Liberdade e filosofia: da antiguidade a Kant. Curitiba: InterSaberes, 2013. p.92. 
Conforme o fragmento do texto e os conteúdos do livro-base Liberdade e filosofia: da antiguidade a 
Kant, assinale a alternativa que apresenta corretamente o nome da ideia, a que recorre Leibniz, para 
explicar que as verdades de fato também devem obedecer a uma necessidade lógica. 
Nota: 0.0 
 
A Ideia de lógica. 
 
B Ideia de razão. 
 
C Ideia de propósito. 
 
D Ideia de Deus. 
Comentário: Esta é alternativa