A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
aph2

Pré-visualização | Página 48 de 50

utilizado no atendimento, como luvas, invólucros, gazes 
e outros resíduos, dando a eles o destino protocolar;
• não limpar nem retirar ou recolher objetos ou sujidades que já se encontravam no local;
• não circular muito na cena, procurando evitar apagar marcas de sapatos, pneus e outras;
• evitar pisar em poças de sangue; 
• não tocar em objetos da cena com as luvas sujas com sangue; e
• não mexer em objetos na cena, exceto se colocarem a segurança da equipe em risco (exemplo: arma 
muito próxima ou vidros quebrados).
Em relação ao tipo de lesão:
• em caso de ferimento penetrante, durante a retirada de vestes e exposição do paciente, preservar a área 
perfurada da veste, não fazendo cortes no local da perfuração; e
• em caso de enforcamento, se não houver sinais de morte óbvia, movimentar o paciente para permitir o seu 
atendimento, preservando o instrumento utilizado na ação, incluindo o nó, quando presente.
Diante da presença de armas de fogo ou armas brancas na cena:
• não tocar, a menos que haja risco para a equipe como, por exemplo, a possibilidade de acionamento 
inadvertido ou utilização por outra pessoa na cena;
• se houver risco, afastar a arma, manuseando-a apenas pelo cabo e com as mãos enluvadas, colocando-a 
em um lugar que seja seguro para a equipe e para terceiros;
• JAMAIS tentar manipular uma arma de fogo, visando desarmá-la, destravá-la ou desmuniciá-la;
• evitar tocar, manusear ou limpar as mãos do paciente; e
• informar ao policial se foi necessário remover a arma de lugar, descrevendo a dinâmica desse 
deslocamento. 
Na presença de sinais de morte óbvia:
• não tocar ou movimentar o paciente;
• sair da cena exatamente pelo mesmo local em que entrou, procurando não alterar os vestígios da cena; e
• não permitir a entrada de outras pessoas na cena até a chegada do policiamento.
Ter preocupação redobrada com as anotações na Ficha de Atendimento:
• anotar todos os horários com exatidão;
• anotar nomes e instituições presentes na cena, incluindo prefi xos de viaturas e de ambulâncias;
• descrever com exatidão a posição em que o paciente foi encontrado e se foi necessário movimentá-lo, 
informando a razão da movimentação;
• descrever com exatidão as lesões provocadas pela equipe no corpo do paciente em função da 
necessidade de atendimento. Exemplos: punção para acesso venoso (detalhar locais e número de 
punções), punção por agulhas para bloqueios anestésicos, suspeita de fratura do esterno e/ou costelas 
devido à realização de RCP, cricotireoidostomia (por punção ou cirúrgica); e
• anotar o nome do policial para o qual foram passadas as informações sobre o atendimento e/ou foram 
entregues as vestes e/ou objetos, ou passadas informações dadas pelo paciente, dentre outros detalhes de 
interesse no caso.
• Considerar os 3 “S” (Protocolos PE1, PE2, PE3).
• Este Protocolo tem por objetivo descrever condutas assertivas para as equipes, com a fi nalidade de 
preservar evidências periciais, sem comprometer o atendimento ao paciente. 
Observações:
2/2
PE17 - Regras gerais de abordagem em ocorrências com indícios de crime
Este protocolo foi pautado nas mais recentes evidências científi cas disponíveis. 
Adaptações são permitidas de acordo com as particularidades dos serviços. 
Elaboração: Agosto/2014 
Revisão: Outubro/2014
PE17
PE17 - Regras gerais de abordagem em ocorrências com indícios de crime
SAMU_PE_Basico_v4.indd 24 06/05/2015 02:58:54
Protocolo Samu 192
Protocolos Especiais
SUPORTE BÁSICO DE VIDA
Este protocolo foi pautado nas mais recentes evidências científi cas disponíveis. 
Adaptações são permitidas de acordo com as particularidades dos serviços. 
Elaboração: Janeiro/2016
PE18
PE 18 – Cuidados com pertences de pacientes
1/2
PE 18 – Cuidados com pertences de pacientes
Quando suspeitar ou critérios de inclusão
Presença junto ao paciente de: roupas, próteses, adornos, dinheiro, carteiras, bolsa e/ou malas, documentos, 
equipamentos eletrônicos e outros pertences de uso pessoal.
Conduta 
1. Realizar busca ativa por pertences em roupas, bolsas, sacolas, mochilas, malas, etc. que estiverem 
próximas ao paciente;
2. Arrolar e registrar os pertences encontrados em 2 vias, item a item, com ênfase para a descrição 
adequada e legível dos seguintes aspectos:
 Identifi cação do paciente, data, horário, número da ocorrência;
 Valores em dinheiro e cheques: identifi car em algarismos e valor por extenso;
 Documentos: identifi car tipo;
 Objetos de adorno: descrever aparência (ex.: metal dourado, prateado, pedra azul, etc.) 
 Equipamentos eletrônicos: descrever tipo (ex.: celular, computador, etc.)
 Identifi cação do profi ssional responsável pelo arrolamento: nome, categoria, identifi cação da viatura, data 
e horário;
 Testemunha identifi cada na cena;
3. Realizar acondicionamento e lacrar se possível:
 Em saco plástico ou similar, incluindo a própria bolsa, mochila ou mala do paciente;
 Em envelopes ou similar, no caso de valores em dinheiro e/ou cheques, adornos e documentos;
 Recomenda-se proteger óculos e próteses com ajuda de atadura, plástico ou similar para evitar quebra;
4. Quanto ao transporte dos pertences:
 VÍTIMAS DESACOMPANHADAS
 Pertences menores devem ser transportados acondicionados, junto com a vítima;
 Pertences maiores devem ser transportados acondicionados, dentro da ambulância;
 Se a vítima puder compreender, explicar os procedimentos;
 VÍTIMAS ACOMPANHADAS de ADULTO
 Incentivar a presença de um acompanhante durante todo o atendimento;
 Entregar os pertences arrolados e acondicionados ao acompanhante;
 Registrar a entrega com a identifi cação e assinatura do recebedor;
 Se a vítima puder compreender, explicar os procedimentos;
5. Quanto à entrega dos pertences na unidade de destino do paciente:
 Entregar os pertences ao profi ssional do serviço mediante checagem item a item;
 Coletar assinatura do profi ssional do serviço nas duas vias do registro;
6. Anexar uma via do registro na fi cha de atendimento/ocorrência que permanece com o paciente e a outra 
na cópia da fi cha de atendimento/ocorrência que fi ca sob a guarda da equipe.
SAMU_basico_PE.indd 17 21/06/2016 07:15:41
Protocolo Samu 192
Protocolos Especiais
SUPORTE BÁSICO DE VIDA
Este protocolo foi pautado nas mais recentes evidências científi cas disponíveis. 
Adaptações são permitidas de acordo com as particularidades dos serviços. 
Elaboração: Janeiro/2016
PE18
PE 18 – Cuidados com pertences de pacientes
2/2
PE 18 – Cuidados com pertences de pacientes
Observações
 Arrolar: v.t. Pôr em rol; inventariar. Descrever em inventário os bens.
 Sugere-se que os serviços desenvolvam normativa para:
 Registro de itens arrolados de forma simples e clara, onde constem, no mínimo: identifi cação do 
paciente e da equipe, número da ocorrência, hospital de destino e assinaturas dos responsáveis pelo 
arrolamento (com carimbo), testemunha e responsável pelo recebimento (com carimbo); 
 Guarda de pertences deixados na ambulância que inclua registro de entrada e saída do item 
(descarte ou devolução);
 Descarte de peças de roupas e outros itens cujo proprietário não possa ser localizado (sugere-se 
considerar a doação) ou estejam danifi cados;
 Devolução de documentos deixados na viatura, utilizando recursos disponíveis no sistema de Correios.
 Para minimizar atrasos na cena, o arrolamento e o registro podem ser realizados no hospital de destino.
 Em caso de pequenos pertences e/ou poucos itens, o arrolamento pode ser realizado na própria fi cha de 
atendimento/ocorrência, se houver espaço adequado.
 Esse protocolo não se aplica a alimentos, armas ou pertences deixados no interior de veículos:
 Armas devem ser transportados pelos profi ssionais do policiamento;
 Pertences deixados no interior de veículos

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.