A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
23 pág.
Case Mount Everest - Português

Pré-visualização | Página 7 de 9

Também não podia 
comunicar-se com os que estavam à frente do grupo, porque ele e Jangbu tinham os únicos rádios da 
For the exclusive use of T. Veronez, 2015.
This document is authorized for use only by Tarik Veronez in Analise da Decis?o 2015 - 2 sem-1 taught by Fernando de Almeida, Universidade de Sao Paulo (USP) from March 2015 to 
September 2015.
Monte Everest - 1996 
13 
equipe da Mountain Madness (já que os procedimentos de Fischer determinavam que o primeiro 
ficasse à frente e o segundo atrás do grupo). 
Muitos alpinistas notaram que a condição de Fischer estava se deteriorando, porém ninguém 
questionou seu plano de prosseguir. Mais tarde, quando vários alpinistas desceram ao Acampamento 
IV, encontraram Fischer ainda tentando subir com grande dificuldade. Entretanto, “ninguém discutiu 
a aparência exausta de Fischer” ou aconselhou-o a voltar.70 A condição física do Dr. Weathers também 
se deteriorou durante a subida. Ele descreveu o problema: “Um olho estava completamente opaco, eu 
mal podia enxergar pelo outro, e eu havia perdido toda visão de profundidade.”71 Mesmo assim, 
quando Hall tentou mandá-lo de volta ao Acampamento IV, ele convenceu o líder da expedição a 
deixá-lo continuar. 
Por volta de meio-dia, vários alpinistas aproximaram-se do Cume Sul, 100 metros abaixo do 
topo. Ainda precisavam fixar cordas ao longo do Degrau de Hillary, uma parede vertical de 
pedra e gelo de 40 pés, antes de alcançar o topo da montanha.72 Dados os contínuos atrasos, 
muitos clientes escolheram levar sua terceira garrafa de oxigênio do Cume Sul a caminho do 
topo, contrariamente ao plano inicial. 
Pouco depois da uma da tarde, Krakauer, Harris e Boukreev tornaram-se os primeiros alpinistas a 
atingir o topo. Beidleman e Adams chegaram pouco depois. Enquanto os outros decidiram descer 
rapidamente, Beidleman ficou para trás, à espera dos clientes de sua equipe. Harris ficou muito 
desorientado durante a descida e cometeu um erro crítico; ele concluiu, equivocadamente, que não 
restava oxigênio suplementar no Cume Sul. Krakauer e Adams descobriram o erro quando chegaram 
ao Cume Sul, mas não puderam convencer Harris de que ele estava errado. Por isso continuaram em 
frente sem ele, esperando que ele logo os seguisse. Mais tarde, Krakauer lamentou não ter levantado 
questões quanto à condição física de Harris ou sua capacidade de descer em segurança. Ele explicou: 
Minha capacidade de discernir o óbvio estava exacerbada até um certo ponto pelo 
protocolo entre o guia e seu cliente...É inconcebível para mim que eu tivesse descuidado de 
reconhecer sua provação. Mas nessa expedição, Harris havia sido colocado no papel de guia 
invencível, que estava ali para cuidar de mim e dos outros clientes;nós havíamos sido 
doutrinados especificamente a não questionar o julgamento de nossos guias. Nem passou por 
minha mente...que um guia podia precisar de ajuda urgente minha.73 
Até duas da tarde, a maioria dos clientes de Fischer não havia chegado ao topo. Beidleman ficou 
preocupado. Ele tinha sérias ressalvas quanto a pessoas que escalassem muito depois do meio-dia, 
mas não se sentia confortável em dizer a Fischer e outros membros da equipe que eles deveriam 
voltar. Beidleman explicou: “Eu era definitivamente considerado o terceiro guia, então tentei não ser 
insistente. A consequência foi que nem sempre falei quando deveria.”74 Krakauer ofereceu avaliação 
similar: 
Porque a experiência de Beidleman em grande altitude era relativamente limitada, sua 
posição na cadeia de comando estava abaixo da de Boukreev e Fischer. E seu pagamento 
refletia seu status inferior: ele aceitara US$ 10.000 para ser guia no Everest, comparados aos 
US$ 25.000 que Fischer pagava a Boukreev. Beidelman, sensível por natureza, estava bastante 
consciente de seu lugar na hierarquia da expedição.75 
Hall e Groom chegaram ao topo às duas e meia da tarde com vários clientes das duas expedições. 
Os clientes descansaram e comemoraram seu feito por 40 minutos. Naquele momento, o tempo não 
preocupava ninguém. Fischer alcançou o topo às quinze para as quatro e descobriu Hall ainda à 
espera de Hansen. Hansen chegou ao topo pouco depois das quatro da tarde. (Para uma cronologia 
detalhada dos eventos durante a investida ao topo, ver Anexo 5.) 
For the exclusive use of T. Veronez, 2015.
This document is authorized for use only by Tarik Veronez in Analise da Decis?o 2015 - 2 sem-1 taught by Fernando de Almeida, Universidade de Sao Paulo (USP) from March 2015 to 
September 2015.
 Monte Everest - 1996 
14 
A Descida 
Ao descerem até o Cume Sul, os clientes notaram uma piora no tempo. Nuvens de tempestade 
começaram a mover-se para a área, os ventos elevaram-se e a neve começou a cair. Os clientes 
pegaram mais garrafas de oxigênio e tentaram descer rapidamente. Entretanto, muitos se moviam a 
passo de tartaruga devido a sua considerável fadiga e às condições de tempo que se deterioravam 
com rapidez. Só Boukreev chegou ao Acampamento IV antes que a escuridão caísse sobre a 
montanha. O guia russo explicou sua decisão de voltar depressa, em vez de esperar seus clientes: 
Eu receava que os alpinistas que desciam pudessem ficar sem oxigênio antes de retornar ao 
Acampamento IV...Eu queria descer ao Acampamento IV o mais depressa possível para me 
esquentar e apanhar um suprimento de bebidas quentes e oxigênio para o caso de ter de subir 
de volta à montanha para dar assistência aos alpinistas na descida.76 
Mais tarde, Krakauer e outros questionaram a decisão de Boukreev. Eles destacaram que escalar 
sem oxigênio suplementar dificultava sua resistência a baixas temperaturas; isso o forçou a descer 
depressa para se esquentar. Além disso, eles questionaram sua decisão de monitorar a situação dos 
clientes a partir do Acampamento IV, já que ele não podia enxergar o caminho da escalada por causa 
da visibilidade zero, e também não podia comunicar-se com os clientes pelo rádio.77 
Entrementes, enquanto os outros desciam, Hall permanecia acima do Degrau de Hillary com o 
agonizante Hansen, que precisava desesperadamente de mais oxigênio. Hall pediu assistência a 
Harris pelo rádio, mas o desorientado guia informou erradamente que não restava mais oxigênio no 
Cume Sul. Harris então subiu para auxiliar Hall e Hansen. Quando os céus escureceram, Fischer 
também começou a sucumbir logo abaixo do Cume Sul. Ele exclamou, “Estou muito doente... 
Lopsang, estou morto.”78 O xerpa tentou ajudar Fischer, mas não conseguiu movê-lo. Ele não queria 
sair do lado de Fischer, mas Fischer implorou que descesse ao Acampamento IV e mandasse 
Boukreev de volta para ajudá-lo. 
Às seis da tarde, Hall permanecia com Hansen acima do Degrau de Hillary, incapaz de descê-lo 
pela parede vertical de gelo. Pelo rádio, outros suplicavam a Hall que deixasse Hansen para trás, mas 
Hall não queria abandonar seu cliente. Pouco depois, Boukreev voltou em direção à montanha para 
auxiliar os outros. Infelizmente, ele encontrou tempestades de neve e vento que o forçaram a 
abandonar sua tentativa de socorro. 
Às nove da noite, só Krakauer e Adams haviam-se juntado ao guia russo no Acampamento IV. 
Mais tarde naquela noite, um grupo de alpinistas convergia nas encostas acima do Acampamento IV. 
Sem que soubessem, o campo estava a uma curta distância dali. Entretanto, eles não conseguiam 
achar o caminho por causa das horríveis condições de tempo. O grupo incluía Beidleman, Groom, 
sete clientes e três xerpas. Os alpinistas vagaram por um tempo, mas finalmente decidiram agrupar-
se e esperar uma pausa na tempestade. O tempo havia ficado terrível; visibilidade zero, e o efeito do 
vento baixava a temperatura a menos 100 graus Fahrenheit. Fox recordou seus pensamentos de então: 
Naquela hora eu estava quase acabada pelo frio. Meus olhos estavam congelados. Eu não 
via como íamos sair daquilo vivos. O frio doía tanto que eu não pensava que

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.