A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
APOL2 POLITICA EXTERNA BRASILEIRA

Pré-visualização | Página 1 de 5

Questão 1/10 - Política Externa Brasileira Contemporânea
“Durante essa fase, houve o desenvolvimento de foguetes e de naves tripuladas e não tripuladas, bem como o lançamento de sondas e satélites, foi algo bastante intenso e que contou com a participação de diversos países, não apenas dos Estados Unidos e da União Soviética. Um dos principais atores dessa fase contemporânea foi a Agência Espacial Europeia (ESA – European Space Agency), estabelecida em 1975, assim como os programas espaciais japonês, brasileiro, chinês e indiano. Nessa “era de ouro” da exploração espacial – assim chamada em razão dos altos investimentos destinados ao setor –, as potencialidades puderam ser compreendidas”.
Fonte: Pecequilo, Cristina Soreanu. Temas da agenda internacional: o Brasil e o mundo. Curitiba: InterSaberes, 2ª edição, 2019 (Capítulo 8 – O espaço e as implicações para o Brasil).
 
Considerando o conteúdo apreendido em “Política Externa Brasileira Contemporânea”, examine os enunciados abaixo e assinale a alternativa que descreve corretamente os componentes da economia do espaço.
I. Manufatura de produtos para as atividades espaciais e lançamentos espaciais.
II. Patentes relacionadas ao espaço, produção científica no setor espacial e mercado de seguros para as atividades no espaço.
III. Atividade de exploração do espaço, atividades relacionadas a voos espaciais tripulados e comércio internacional de produtos espaciais selecionados.
IV. Satélites de telecomunicação, satélites de observação da terra, satélites de monitoramento meteorológico e climático e sistemas de satélite para a navegação global.
Nota: 10.0
	
	A
	Apenas as afirmativas I e III estão corretas.
	
	B
	Apenas as afirmativas II e IV estão corretas.
	
	C
	Apenas as afirmativas I, III e IV estão corretas.
	
	D
	Apenas as afirmativas I, II e III estão corretas.
	
	E
	As afirmativas I, II, III e IV estão corretas.
Você acertou!
As afirmativas I, II, III e IV estão corretas. De acordo com o livro base da disciplina, “Dessa compreensão nasceu a expressão economia do espaço, que se tornou comum no século XXI. O termo refere-se às aplicações concretas da atuação no espaço para as sociedades e os benefícios a ela associados. Confira, a seguir, a síntese dos componentes da economia do espaço. Componentes da economia do espaço: manufatura de produtos para as atividades espaciais, lançamentos espaciais, satélites de telecomunicação, satélites de observação da terra, satélites de monitoramento meteorológico e climático, sistemas de satélite para a navegação global, atividade de exploração do espaço, atividades relacionadas a voos espaciais tripulados, comércio internacional de produtos espaciais selecionados, patentes relacionadas ao espaço, produção científica no setor espacial, mercado de seguros para as atividades no espaço. Fonte: OECD, 2014, p. 49, tradução nossa”.
Fonte: Pecequilo, Cristina Soreanu. Temas da agenda internacional: o Brasil e o mundo. Curitiba: InterSaberes, 2ª edição, 2019 (Capítulo 8 – O espaço e as implicações para o Brasil).
Questão 2/10 - Política Externa Brasileira Contemporânea
“Assistimos nas últimas décadas a uma mudança global na política de despesas sociais, transferindo a tônica do desenvolvimento para a redução da pobreza. O resultado foi uma maior ênfase no direcionamento das despesas sociais mais a favor da população pobre do que de toda a população. (Pnud, 2014, p. 86). Essa constatação indica que, mesmo que uma sociedade possa desenvolver-se, isso não significa que toda a população será beneficiada de forma igualitária. Além disso, é preciso que se faça uma distinção entre os diferentes tipos de problemas associados ao desenvolvimento, como a pobreza e a fome”.
Fonte: Pecequilo, Cristina Soreanu. Temas da agenda internacional: o Brasil e o mundo. Curitiba: InterSaberes, 2ª edição, 2019 (Capítulo 6 - Um problema global: dos primeiros desafios ao ativismo do século XXI).
Tendo como base o material discutido na disciplina “Política Externa Brasileira Contemporânea”, examine os enunciados abaixo e assinale a alternativa que faz uma análise correta das características do combate à fome.
I. O combate à fome remete ao conceito da segurança alimentar e ao aprofundamento dessa temática, assim como às distinções que apresenta com relação ao combate à pobreza.
II. Podemos afirmar que a fome é um fenômeno que se encontra presente e restrito a grupos sociais específicos, como a minorias étnicas, famílias incompletas chefiadas por mulheres e idosos.
III. Uma das causas da fome é que pode haver carestia, ou seja, o nível dos preços dos alimentos é alto em relação aos padrões salariais vigentes em função de problemas nos setores da produção e/ou distribuição.
IV. Uma das causas da fome é que, apesar de a alimentação ser relativamente barata, o baixo nível de renda das famílias não permite uma alimentação adequada em razão do peso de outros gastos fundamentais, tais como aluguel, transporte, educação e saúde.
Nota: 10.0
	
	A
	Apenas as afirmativas I e III estão corretas.
	
	B
	Apenas as afirmativas II e IV estão corretas
	
	C
	Apenas as afirmativas I, III e IV estão corretas.
	
	D
	Apenas as afirmativas I, II e III estão corretas.
	
	E
	As afirmativas I, II, III e IV estão corretas.
Você acertou!
As afirmativas I, II, III e IV estão corretas. De acordo com o livro base da disciplina, “O combate à fome remete ao conceito da segurança alimentar e ao aprofundamento dessa temática, assim como às distinções que apresenta com relação ao combate à pobreza. Embora interligados, os problemas não significam a mesma coisa, pois o acesso aos alimentos não é condicionado unicamente à eliminação da pobreza. A análise de Takagi (2010b, p. 161) traz uma posição bastante esclarecedora sobre isso: segurança alimentar é uma política que diz respeito a toda uma população e não apenas à parte pobre dela. Políticas típicas de segurança alimentar, como educação alimentar e nutricional, rotulagem de produtos, qualidade e segurança dos alimentos, entre outras, são bons exemplos de políticas que afetam todas as pessoas independentemente de sua renda. A autora, ainda, aponta que: o aspecto emergencial da segurança alimentar nos países em desenvolvimento que produzem excedentes agrícolas para exportação é a fome. […] Isso porque […] a fome tem pelo menos duas causas de ordem muito distintas: a primeira é que pode haver carestia, ou seja, o nível dos preços dos alimentos é alto em relação aos padrões salariais vigentes em função de problemas nos setores da produção e/ou distribuição; a segunda é que, apesar de a alimentação ser relativamente barata, o baixo nível de renda das famílias não permite uma alimentação adequada em razão do peso de outros gastos fundamentais, tais como aluguel, transporte, educação, saúde etc. (Takagi, 2010b, p. 161-162). A pobreza ou a renda não são os únicos fatores que levam populações à situação da fome. Takagi (2010b, p. 162) lembra que, em países desenvolvidos, a fome também é um fenômeno presente e encontra-se “restrita a grupos sociais específicos (minorias étnicas, famílias incompletas chefiadas por mulheres e idosos, entre outras)”.
 
Fonte: Pecequilo, Cristina Soreanu. Temas da agenda internacional: o Brasil e o mundo. Curitiba: InterSaberes, 2ª edição, 2019 (Capítulo 6 - A trajetória dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM)).
Questão 3/10 - Política Externa Brasileira Contemporânea
“O combate à fome e à pobreza é um dos temas mais relevantes da agenda social das relações internacionais. Apesar do reconhecimento da importância dessas questões para a estabilidade mundial e a justiça social, a dificuldade de encontrar soluções reais para a redução do sofrimento das populações atingidas permanece. No século XXI, essas metas foram incluídas como parte da agenda dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio – ODM (2000-2015) e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS (2015-2030)”.
Fonte: Pecequilo, Cristina Soreanu. Temas da agenda internacional: o Brasil e o mundo. Curitiba: InterSaberes, 2ª edição, 2019