Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
51 pág.
07 Instalações Prediais de Águas Pluviais-b7827f244996040c1fd7ab6d70a38758

Pré-visualização | Página 1 de 2

Projetos de sistemas hidráulicos
Instalações Prediais de Águas Pluviais
Prof.: Dalton Cardozo Bracarense
dalton.bracarense@ceulp.edu.br
Universidade Luterana do Brasil (ULBRA)
Palmas (TO)
mailto:dalton.bracarense@ceulp.edu.br
Conteúdo
1. Introdução
2. Definições
3. Elementos de hidrologia
4. Dimensionamento
2
6. Instalações 
prediais de águas 
pluviais
3
NBR 10844/89
6.1. Introdução
4Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.1 Introdução
5
– Instalações prediais de águas pluviais - NBR 10844/89: técnicas 
mínimas quanto a higiene, segurança, economia e conforto;
– Projeto de instalações hidráulicas:
– Memórias descritivas, justificativas e de cálculo;
– Planta, cortes, detalhes 
– Especificação do material e normas para sua aplicação;
– Orçamento.
Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.1 Introdução
6
– As instalações prediais de águas pluviais devem ser projetadas de 
modo a: 
– recolher e conduzir a vazão de projeto até locais permitidos pelos dispositivos 
legais;
– ser estanques;
– permitir a limpeza e desobstrução de qualquer ponto no interior da 
instalação;
– absorver os esforços provocados pelas variações térmicas a que estão 
submetidas;
– não provocar ruídos excessivos;
– resistir às pressões a que podem estar sujeitas;
– ser projetadas e fixadas de maneira a assegurar resistência e durabilidade.
Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.1. Introdução
7Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.1. Introdução
—Umidade em uma edificação:
— Deficiência de telhados e coberturas;
— Deficiência do sistema de coleta e disposição de águas pluviais;
— Subida de umidade pelas fundações;
— Mau hábito de uso.
8Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.1. Introdução
—Umidade em uma edificação pode causar:
— Problemas de saúde;
— Danos físicos à pintura e à madeira;
— Mal-estar e desconforto ao usuário.
9Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.1. Introdução
— Soluções para combater a umidade:
— Adequados telhados e sistemas de coberturas;
— Adequado sistema pluvial;
— Impermeabilização das fundações;
— Boa ventilação natural;
— Boa insolação;
— Bom uso (venezianas e vidraças abertas).
10Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.2. Definições
—Calha: intercepta e recebe as águas de chuva de uma cobertura;
—Condutor: tubo vertical que recebe as águas das calhas;
—Águas do telhado: jargão técnico para os planos de escoamento da 
água de chuva.
11Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.2. Definições
—Destino das águas pluviais:
— Disposição no terreno
— Disposição na sarjeta
— Cisterna
12Instalações Prediais de Águas Pluviais
13
6.2. Definições
Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.3. Elementos de Hidrologia
— Intensidade pluviométrica: medida do quanto de chuva cai em 
determinado local num espaço de tempo (mm/h)
—Tempo de retorno: tempo decorrido entre duas ocorrências de uma 
chuva com determinada intensidade.
—Tempo de duração: período de tempo que dura uma chuva.
—Tempo de concentração: tempo que uma área contribuinte leva para 
toda ela estar contribui ara o ponto considerado.
14Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.4. Dimensionamento
— T=1 ano para obras externas onde um eventual alagamento pode ser 
tolerado;
— T= 5 anos para cobertura e telhados
— T=25 anos para locais onde um empoçamento é inaceitável
— Para obras de vulto corrente e área de telhado de até 100 m², adotar 
intensidade de 150mm/h duração de 5 minutos
— Vazão a ser coletada pela calha:
Q=i x A/60
— i= intensidade pluviométrica, mm/h
— A= área de contribuição, m²
— Q= vazão, L/min
15Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.4. Dimensionamento
16Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.4. Dimensionamento
17Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.4. Dimensionamento
18Instalações Prediais de Águas Pluviais
h
6.4. Dimensionamento
19Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.4. Dimensionamento
20Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.4.1. Calhas
23Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.4.1. Calhas
24Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.4.1. Calhas
25Instalações Prediais de Águas Pluviais
—Declividade mínima: 0,5%
—Aumento de vazão em casos de curva na calha
— Passos:
— Cálculo da área de contribuição
— Definição de intensidade pluviométrica
— Cálculo da vazão de projeto (com majoração em caso de haver curvas)
— Definição do material
— Cálculo do diâmetro da tubulação
6.4.1. Calhas
26Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.4.1. Calhas
27Instalações Prediais de Águas Pluviais
Calhas de beiral ou platibanda: 
quando a saída estiver a menos de 4 m de uma mudança de direção, a vazão de 
projeto deve ser multiplicada pelos seguintes coeficientes multiplicativos.
Tipo de curva Curva a menos de 2m 
da saída da calha
Curva entre 2 e 4m da 
saída da calha
Canto reto 1,20 1,10
Canto arredondado 1,10 1,05
Tabela 1 – Coeficientes multiplicativos da vazão de projeto
6.4.1. Capacidade de calhas
28Instalações Prediais de Águas Pluviais
— A seção transversal é calculada utilizando a fórmula de Manning 
Strickler e a equação da continuidade:
Rh= ____Área molhada______
Perímetro molhado
Q = vazão na seção final da calha em l/min
K= 60.000 = coeficiente de transformação em m³/s para l/min
A= área molhada em m²
Rh= raio hidráulico em m
i= declividade da calha em m/m
n= coeficiente de Manning
6.4.1. Capacidade de calhas
29Instalações Prediais de Águas Pluviais
Exemplo: calcular a capacidade de uma calha retangular em que a declividade seja de 
0,5%, altura 10cm, largura de 40cm e
n=0,013
Rh= ____Área molhada______
Perímetro molhado
Q = vazão na seção final da calha em l/min
K= 60.000 = coeficiente de transformação em m³/s para l/min
A= área molhada em m²
Rh= raio hidráulico em m
i= declividade da calha em m/m
n= coeficiente de Manning
6.4.1. Capacidade de calhas
30Instalações Prediais de Águas Pluviais
Exemplo: calcular a capacidade de uma calha retangular em que a 
declividade seja de 0,5%, altura 10cm, largura de 40cm e
n=0,013
— i=0,5% =0,005m/m
—A área molhada será A= 10cm x 40cm = 0,10 . 0,40 = 0,04m2
—O perímetro molhado P= 40cm+ 10cm+10cm =60cm = 0,60m
—O raio hidráulico Rh= A/P = 0,04 m2/ 0,60m =0,066m
6.4.1. Capacidade de calhas
31Instalações Prediais de Águas Pluviais
Exemplo: calcular a capacidade de uma calha retangular em que a 
declividade seja de 0,5%, altura 10cm, largura de 40cm e
n=0,013
—Q = 60.000 . (A/n) . RH^2/3 . i ½
—Q = 60.000 . (0,04/0,013) . 0,066 2/3 . 0,005 ½
—Q= 2.171 L/min= 36,2 L/s
6.4.1.1. Calhas planas
32Instalações Prediais de Águas Pluviais
—Recomenda-se largura mínima de 30cm
Q= 0,0058 ( A³/B) 0,5
Sendo:
— Q= vazão de pico (L/min)
— A= área da seção molhada da calha (mm²)
— B= largura da lamina da água da seção molhada (mm)
6.4.2. Condutores verticais de águas pluviais
— Dados:
— Q – vazão trazida pelas calhas que alimentarão o condutor;
— L – altura do condutor (soma dos pés-direitos da edificação);
— H – altura de água na calha 
— Procedimento: 
— Levantar uma vertical por Q até interceptar as curvas de H e L correspondentes. 
— No caso de não haver curvas dos valores de H e L, interpolar entre as curvas existentes. 
— Transportar a interseção mais alta até o eixo D. 
— Adotar o diâmetro nominal cujo diâmetro interno seja superior ou igual ao valor 
encontrado.
— Diâmetro mínimo de 70 mm  75 mm (recomendado: 100mm)
33Instalações Prediais de Águas Pluviais
Exemplo: Q=800 L/min, L = 3 m e H= 60mm
34
6.4.2. Condutores verticais de águas pluviais
Instalações Prediais de Águas Pluviais
6.4.2 Condutores verticais de águas pluviais
Exemplo: Determinar o diâmetro do condutor vertical para as seguintes 
condições:
—Calha com saída em aresta viva
—Vazão: Q=1300 L/min
—Comprimento: L= 2,00m
—Altura da lâmina d’água = 80mm
35
Exemplo: Q=1300 L/min, L = 2,00 m e H= 80mm
36
6.4.2. Condutores verticais de águas pluviais
Instalações Prediais de Águas Pluviais
Página12