A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
61 pág.
Doenças renais

Pré-visualização | Página 1 de 3

DOENÇAS RENAIS
Emerson Dias, Letícia Morais, Mariana Ramos e Renata Lima
CITOLOGIA APLICADA ÀS ANÁLISES CLÍNICAS
CONTEÚDO DA APRESENTAÇÃO
Insuficiência Renal Aguda
Insuficiência Renal 
Crônica
Urolitíase
Alterações no exame de urina
SISTEMA 
URINÁRIO
Filtração sanguínea
Excreção de produtos 
indesejáveis
(Mundt, Shanahan, 2012)
FISIOLOGIA 
RENAL
Formação da urina
Urina pode conter 
cilindros, cristais, 
células sanguíneas e 
células epiteliais
(Mundt, Shanahan, 2012)
Insuficiência Renal Aguda 
Insuficiência Renal 
Crônica
Urolitíase
Alterações no exame de urina
o Problema de saúde pública mundial;
o Altos níveis de morbimortalidade;
o Mortalidade elevada (30 a 50%);
o Altos custos para a saúde;
o Possibilidade de evolução para doença renal
crônica.
(Riella, 2018)
IRA é definida como a redução aguda da função renal
em horas ou dias. Refere-se principalmente a
diminuição do ritmo de filtração glomerular e/ou do
volume urinário, porém, ocorrem também distúrbios
no controle do equilíbrio hidroeletrolítico e
acidobásico.
(Sociedade Brasileira de Nefrologia)
Estadiamento da Insuficiência renal aguda segundo AKIN - Acute Kidney Injury
Network
ESTÁGIOS CREATININA SÉRICA DIURESE
1
Aumento de 0,3 mg/dL ou
aumento de 150-200% do valor
basal (1,5 a 2 vezes)
<0,5 mL/Kg/h por 6h
2
Aumento >200-300% do valor
basal (>2-3 vezes)
<0,5 mL/Kg/h por 
>12h
3
Aumento >300% do valor basal
(>3 vezes ou Cr sérica ≥ 4,0
mg/dL com aumento agudo de
pelo menos 0,5 mg/dL)
<0,3 mL/Kg/h por 24h 
ou anúria por 12h
CLASSIFICAÇÃO
1. PRÉ-RENAL: redução do volume circulante.
Desidratação, sangramentos, uso de diuréticos, insuficiência 
cardíaca
2. RENAL: lesão no tecido renal.
Glomérulos, túbulos e vasos
3. PÓS-RENAL: obstrução das vias urinárias.
Neoplasias da próstata ou bexiga, cálculos renais
(Riella, 2018)
Fonte: Clevernurses. Disponível em : 
https://www.instagram.com/p/CFpjVRfBNhf/
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
(Riella, 2018)
• Volume urinário: 
normal ou menor;
• Rim começa a 
perder 
capacidade de 
excretar 
adequadamente 
os compostos 
nitrogenados.
Inicial
• Volume 
urinário <500 
mL/dia é 
insuficiente 
para excretar 
quantidades 
necessárias de 
soluto.
Oligúrica
• Aumento 
gradual da 
TFG, apesar da 
taxa de 
reabsorção do 
epitélio estar 
menor.
Poliúrica
• Após vários dias
de diurese
normal;
• Redução
gradativa da ureia
e creatinina.
Recuperação 
funcional
DIAGNÓSTICO
Análise do sedimento 
urinário
Cilindros hialinos indicam 
insuficiência pré-renal
(Mundt, Shanahan, 2012)
Cilindros hialinos
Fonte: Mundt, Shanahan, 2012
IRA pré-renal e renal: presença de 
hemácias dismórficas e cilindros 
hemáticos (gromerulonefrite aguda)
Hemácia dismórfica
Fonte: CCS – Nefrologia - UEL
Cilindro hemático
Fonte: Mundt, Shanahan, 2012
IRA renal: cilindros granulosos, discreta 
leucocitúria e grande número de células tubulares
Cilindro granuloso
Fonte: LACES, UFG
Leucocitúria
Fonte: Mundt, 2012
Células tubulares
Fonte: 
docenteifsc.com.br
ACHADOS NA FITA 
REAGENTE
Proteinúria leve (traços) → IRA pré-
renal e renal
Hematúria
(Sociedade Brasileira de Nefrologia)
Insuficiência Renal Aguda
Insuficiência Renal 
Crônica
Urolitíase
Alterações no exame de urina
IRC é definida como perda progressiva e irreversível
das funções dos néfrons, que vai ocorrendo ao longo
dos anos. Logo, diagnósticos e tratamentos devem
ser realizados o mais rápido possível, para evitar piora
no prognóstico.
o Lesão renal persistente durante um período ≥ 90 dias;
o Anormalidade funcional e estrutural dos rins, tendo ou não
diminuição no filtrado glomerular;
o No Brasil, estima-se que em 2006, de cerca de 1,75 milhões de
indivíduos portadores de IRC para, em 2009, superar 400
portadores/milhão de habitantes na população.
(Silva, Sousa, Rocha, 2017)(Santos et al., 2018)
FATORES DE RISCO
o Diabetes* e hipertensão arterial*;
o Glomerulonefrite e pielonefrite;
o Rins policísticos;
o Infecções urinárias e cálculos renais de repetição;
o Doenças autoimunes;
o Uso abusivo de anti-inflamatórios.
(Pinheiro, 2020)
*Principais 
fatores
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
Mais vontade de ir ao banheiro,
especialmente a noite
Inchaço nos olhos, pés ou
pernas
↑Pressão arterial
Descontrole glicêmico
Anemia, falta de apetite, náuseas
e vômitos
Sonolência, cansaço, fraqueza
e falta de ar
Dor ao urinar e na região dos
rins
Mudança na coloração da urina
ESTÁGIOS
Fonte: Fundação ProRenal
DIAGNÓSTICO
Realizado por meio da avaliação dos sintomas/sinais
clínicos e exames laboratoriais; considerado um
desafio para a medicina laboratorial atuar no
desenvolvimento de biomarcadores que detectem
precocemente lesões renais. O sucesso na descoberta
de tais marcadores, evita progressão para quadros
crônicos e terminais.
TAXA DE FILTRAÇÃO 
GLOMERULAR (TFG)
Melhor método de avaliar função renal; baseia-se na
capacidade de depuração renal de uma determinada
substância que deveria ser eliminada apenas via rins,
não sendo reabsorvida ou secretada pelos túbulos
renais.
(Waintuke, 2016)
Jovens e adultos: TFG ~ 125 
mL/min/1,73m²
Declínio de ~ 10 mL/min/1,73m² 
por década, após 40 anos
Idosos: TFG entre 60-90 
mL/min/1,73m²
F
Ó
R
M
U
L
A
S
(Waintuke, 2016)
•
140 −𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 ×𝑝𝑒𝑠𝑜
72×𝑐𝑟𝑒𝑎𝑡𝑖𝑛𝑖𝑛𝑎 𝑠é𝑟𝑖𝑐𝑎 ×85 (𝑚𝑢𝑙ℎ𝑒𝑟)
Cockcroft-Gault - ClCr (mL/min)
• 186 × 𝐶𝑟 1,154 × 𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 0,203 × 1,212 𝑎𝑓𝑟𝑜𝑑𝑒𝑠𝑐𝑒𝑛𝑑𝑒𝑛𝑡𝑒 ×
0,742(𝑚𝑢𝑙ℎ𝑒𝑟)
MDRD - TFG (ml/min/1,73 m²)
• 141 × min
Cr
k
, 1 1,209 × 0,993(𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒) × 1,018(𝑚𝑢𝑙ℎ𝑒𝑟) ×
1,159(𝑎𝑓𝑟𝑜𝑑𝑒𝑠𝑐𝑒𝑛𝑑𝑒𝑛𝑡𝑒)
CKD-EPI - TFG (ml/min/1,73m²)
UREIA
Proveniente do metabolismo da degradação de
proteínas, tendo sua biossíntese nos hepatócitos, a
partir da amônia que é um composto nitrogenado.
Uma pequena porção é reabsorvida e 80% é
excretada. Considerada marcador clássico, porém
não é específica para esse diagnóstico e seus valores
podem alterar com a ingestão proteica .
(Silva, Sousa, Rocha, 2017)
CREATININA
Proveniente do metabolismo da degradação de
proteínas, ela é amplamente usada por ser uma
substancia endógena, em que taxa de produção é
constante e por não se ligar a proteínas plasmáticas,
sendo livremente filtrada.
(McPherson, Pincus, 2012)
VR por idade 
(mg/kg/dia):
♂ 28 – 0,2 anos
♀ 23,8 – 0,17 anos
UREIA/CREATINIA
(Waintuke, 2016)
Processo que estimula reabsorção 
de sódio, aumenta 
desproporcionalmente ureia em 
relação a creatinina 
Avalia pacientes com grandes 
quedas de TFG
TIRAS REAGENTES
o Método precoce de
diagnóstico de lesão renal;
o Detecção de hematúria e
proteinúria contida na
urina;
o Sinal precoce de doença
renal.
(Waintuke, 2016)
Achados laboratoriais incluem cristais, 
cilindros céreos e largos, hemoglobinúria e 
proteinúria.
Fonte: Índice de Saúde Cilindro céreo e leucócitos
Fonte: Mundt, Shanahan, 2012
Cilindros céreos
Fonte: Pinterest
Fonte: Cyberspaceandtime.
OUTROS ACHADOS
Excreção de urina diminuída, com incapacidade de
variar a gravidade específica, ureia e creatinina
aumentadas e diminuição do clearance de creatinina.
(Mundt, Shanahan, 2012)
URINA DE 24 HORAS
(Pinheiro, 2020)
Urina normal < 150 mg/dia e albuminúria < 30 mg/dia
Albuminúria moderadamente 
aumentada
Albuminúria entre 30-300 
mg/dia
Proteinúria discreta 300-500 mg/dia
Proteinúria leve 500-1000 mg/dia
Proteinúria moderada 1000-3500 mg/dia
Proteinúria grade acima de 3500 mg/dia
Insuficiência Renal Aguda
Insuficiência Renal 
Crônica
Urolitíase
Alterações no exame de urina
Acomete mais homens 
(3:1) entre 20 aos 40 anos
(Porto & Porto, 2019)
Formação de concreções 
calculosas nos rins e nas 
vias urinárias
FORMAÇÃO DOS CÁLCULOS 
URINÁRIOS
Distúrbios 
metabólicos
Infecções 
urinárias
Anormalidades 
anatômicas
Causas 
idiopáticas pH urinário
Volume 
urinário Dieta
(Petrik, Seitz, Straub, 2012)
LITÍASE RENAL
o Cálculos renais podem ser únicos ou múltiplos;
o Ao aumentar de tamanho, calculo lesa o rim
gravemente;
o

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.