A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROCESSUAL PENAL

Pré-visualização | Página 1 de 2

DIREITO PROCESSUAL PENAL I
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DO CÓDIGO PROCESSUAL PENAL
Interpretação da lei processual penal 
LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO 
Art. 1º O processo penal reger-se-á, em todo o território brasileiro, por este Código, ressalvados: - princípio da territorialidade no direito penal não é absoluta, mas no processo penal ela é absoluta, mas o código trás ressalvas (exceções) 
I - os tratados, as convenções e regras de direito internacional; - se houver algum destes (ratificados) que dispõe de forma diferente do CPP brasileiro, aplica-se a regra e não o nosso código 
II - as prerrogativas constitucionais do Presidente da República, dos ministros de Estado, nos crimes conexos com os do Presidente da República, e dos ministros do Supremo Tribunal Federal, nos crimes de responsabilidade - os crimes praticados por essas pessoas citadas tem uma ritualística, procedimento diferente da sistemática prevista no CPP, pois é uma exceção 
III - os processos da competência da Justiça Militar; (e justiça eleitoral) - não seguira o CPP brasileiro, possui o próprio CPP militar, e no caso da justiça eleitoral segue o código eleitoral, nestes casos o CPP pode ser suplementar 
IV - os processos da competência do tribunal especial (Constituição, art. 122, no 17); - o código de 88 proibiu o tribunal especial, não se aplica mais esse inciso, está previsto ainda pois o código é anterior a 88. Todo crime será julgado por tribunais pré existentes, instituídos previamente - evitar irregularidades. 
V - os processos por crimes de imprensa. (STF) (Vide ADPF nº 130) - a lei de imprensa não foi recepcionada pela constituição de 88
Parágrafo único. Aplicar-se-á, entretanto, este Código aos processos referidos nos IV e V, quando as leis especiais que os regulam não dispuserem de modo diverso.
No Brasil, aplica-se o princípio da TERRITORIALIDADE:
ABSOLUTA: No Processo Penal
RELATIVA: No Direito Penal
Art. 2º A lei processual penal aplicar-se-á desde logo, sem prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior. - (Lei processual penal no tempo) - no curso do processo penal se aplica a lei de imediato, caso venha uma nova lei penal processual ao longo do processo considera-se válido todo processo e se aplica a lei nova lei, independente se for benéfica ou não ao réu essa é a regra (diferente do direito penal que aplica-se apenas de benéfica ao réu), mas se for uma norma de natureza hibrida ou mista não se aplica (exceção), por exemplo, mudanças na lei que trata-se de prescrição devem ser tratadas/interpretadas da mesma forma como no direito penal ( e não processual penal), ou seja, não retrocede, apenas se for benéfica ao réu, pois tem consequências diretas na liberdade do indivíduo, é um direito fundamental. 
Art. 3º A lei processual penal admitirá interpretação extensiva e aplicação analógica, bem como o suplemento dos princípios gerais de direito. - Diferenças importantes: no processo penal aplica-se de imediato mantendo válido tudo o que foi feito até então, e sempre é possível analogia 
CUIDADO: no direito penal, a analogia só é possível em IN BONAM PARTEM, mas no processo penal, a analogia é possível, ainda que para piorar a situação do réu. EXCEÇÃO: leis híbridas e mistas (com natureza de direito penal e direito processual penal - neste caso se interpreta como norma de direito penal, já que é mais benéfica ao réu). Na prática quem vai indicar que a lei é híbrida ou não é o judiciário. 
APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO TEMPO - 3 sistemas ("lei nova")
1 - Unidade: a mesma lei processual penal se aplica do início ao fim do processo, se o processo começou não se aplica a lei nova em nenhum momento do processo (não se aplica no Brasil)
2 - Fases do processo: 1 postulatória 2 instrutória 3 decisória - pelo sistema de fases que não é o aplicado no Brasil, vai sempre aplicar a lei processual penal nova à fase subsequente. 
3 - Isolamento dos atos do processo (Tempum regit actum): a cada ato (é a adotado no Brasil) - não precisa aguardar o início de uma fase seguinte para aplicar a lei nova lei processual penal, aplica-se de imediato, sendo assim, na mesma fase processual pode ser aplicada a lei nova e a antiga 
QUESTÃO
(FCC) Sobre a aplicação da lei processual penal e a interpretação no processo penal, é INCORRETO afirmar:
A) A legislação brasileira segue o princípio da territorialidade para a aplicação das normas processuais penais. (CORRETA)
B) O princípio da territorialidade na aplicação da lei processual penal brasileira pode ser ressalvado por tratados, convenções e regras de direito internacional. (CORRETO)
C) A lei processual penal aplica-se desde logo, sem prejuízo da validade dos atos realizados sob a vigência da lei anterior. (CORRETO -art. 2º CPP)
D) A norma processual penal mista constitui exceção à regra da irretroatividade da lei processual penal. (CORRETO - pois vai retroagir se for mista já que se interpreta como norma penal)
E) No processo penal, assim como no direito penal, é sempre admitida a interpretação extensiva e aplicação analógica das normas. (INCORRETA - no direito penal só aplica analogia para beneficiar o réu, não é sempre). 
TEORIAS DO LUGAR DO CRIME 
1 Teoria da atividade: local da ação/omissão, será competente o local da prática dessa conduta, seja comissiva ou omissiva. 
2 Teoria do resultado: local do resultado do crime
3 Teoria mista ou da ubiquidade: local da atividade OU local do resultado
ATENÇÃO: NO CÓDIGO PENAL (aplica-se a teoria mista) 
Lugar do crime: 
 Art. 6º - Considera-se praticado o crime no lugar em que ocorreu a ação ou omissão, no todo ou em parte, bem como onde se produziu ou deveria produzir-se o resultado
Tempo do crime: 
 Art. 4º - Considera-se praticado o crime no momento da ação ou omissão, ainda que outro seja o momento do resultado
*macete: LUTA (Lugar do crime teoria da Ubiquidade, Tempo do crime teoria da Atividade)
MAS NO PROCESSO PENAL 
Lugar do crime é o local onde ocorreu o resultado: (não é o local da atividade também, diferente do direito penal que é ubiquidade, aqui em regra é a teoria do resultado). 
Art. 70. A competência será, de regra, determinada pelo lugar em que se consumar a infração, ou, no caso de tentativa, pelo lugar em que for praticado o último ato de execução. (Há exceções - seja pela lei, seja pela jurisprudência). 
QUESTÃO 
FEMPERJ - Quanto à aplicação da lei processual penal no espaço, é correto afirmar:
A) orienta-se pelas mesmas regras da aplicação da lei penal no espaço; (INCORRETO)
B) aplica-se o princípio da extraterritorialidade no processo penal, quando o crime ocorre no exterior; (INCORRETO - processo penal só se aplica no Brasil, por isso territorialidade absoluta) 
C) quando a autoridade judiciária brasileira cumpre uma carta rogatória, aplica lei do Estado rogante; (INCORRETO - carta rogátoria ocorre de um país para outro - artigo 105 da CF competência do STJ; artigo 784, §1º CPC está desatualizada ). 
D) orienta-se pelo princípio da territorialidade, que determina a exclusão da lei processual penal estrangeira em território brasileiro; (CORRETO)
E) vige a regra do local do crime, adotando-se a norma processual do local onde a infração se consumou. (INCORRETO - está correto, no entanto, para os crimes formais a consumação ocorre no local da atividade e se torna competente o local do resultado, sendo o resultado mero exaurimento). 
SISTEMAS PROCESSUAIS: 
1 sistema inquisitivo: função de acusar, defender e julgar são concentradas em uma pessoa (juiz acusa, investiga e julga). O julgador busca pela "verdade real" dos fatos (alguns autores consideram a existência da verdade real no sistema brasileiro, em razão da revelia, mas é muito criticado já que a verdade real dá ao juiz o poder de produzir provas). A prova possui valor estabelecido em lei. (tarifação de provas - provas mais importantes que as outras). Não tem ampla defesa e nem contraditório. O juiz atua nas fases de investigação processual, com ampla gestão de provas. O processo é sigiloso. 
2 sistema acusatório: é o adotado no Brasil, tem