A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
SEDATIVOS E HIPNÓTICOS-FARMACOLOGIA- RESUMO

Pré-visualização | Página 1 de 2

SEDATIVOS E HIPNÓTICOS 
FARMACOLOGIA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Noradrenalina, Serotonina, glicocorticoide, glutamato em excesso e endocanabinóides, 
gaba e serotonina em falta. A serotonina tem um papel dual e esse é um grande problema 
de fármacos que atuam por mecanismos serotoninérgicos, pois atuam tanto na via inibitória, 
quanto na excitatória, podendo ter um efeito comportamental. aumenta muito ela pode ter o 
efeito contrário. Frente à situações de stress, podemos usar fármacos que conseguem 
balancear à via inibitória, exacerbando efeito Gabaérgico. 
 
 
 
Canal Gaba- Os receptores GABA-A são também receptores ionotrópicos, ou seja, são 
canais iônicos regulados por ligantes. É um pentâmero com duas subunidades Alfa, duas 
beta e uma gama compondo esses canais. Frente a ligação do gaba e abertura do canal, a 
gente tem a entrada de cloreto, pois no equilíbrio iônico a gente tem mais cloreto no meio 
extra-celular do que no intracelular. O cloreto entrando transforma o meio intracelular mais 
negativo, tendo a hiperpolarização, consequentemente uma inibição neuronal maior. O 
canal GABA A tem vários sítios de ligação, como sítios de ligação de benzodiazepínicos, e 
barbitúricos entre a faceta dos monômeros alfa e beta. Além disso existem locais para 
ligação do etanol, o que explica o efeito do álcool sobre a sobre a transmissão gabaérgica e 
também de esteróides inclusive esteróides sexuais, o que explica também a modulação da 
atividade gaba por variações hormonais. 
 
 
BEATRIZ GURGEL- MEDICINA - UFMS CPTL 
SEDATIVOS E HIPNÓTICOS-FARMACOLOGIA 
 
 
Usos terapêuticos 
 -Sedação emergencial; 
 -Adjuvante anestésico (amnésia); 
 -Insônia e transtornos do sono; 
 -Anticonvulsivantes; 
 -Relaxante muscular; 
 -Transtornos de ansiedade (agudo/crônico); 
 -Transtornos de humor (agudo); 
 -Esquizofrenia (agudo/crônico); 
 -Controle de abstinência (depressores). 
 
 
OBS: Tiopental é mais lipofílico que os demais, por possuir um enxofre no lugar do 
oxigênio, sendo muito utilizado como anestésico e manutenção da sedação. 
 
1. BARBITÚRICOS 
 
Mecanismo de ação: facilitação da abertura do canal GABA​. 
Os barbitúricos se ligam nesses pontos do canal de cloreto, podendo fazer uma série de 
coisas. Eles podem aumentar a afinidade do canal pelo gaba, então percebam, só de se 
ligar eles podem atuar como moduladores alostéricos, fazendo com que seja capaz de abrir 
o canal mesmo em concentrações menores que as usuais, Ou seja, no final das contas ele 
leva um aumento da potência do gaba. I​sso por si só leva um aumento no tempo de 
abertura do canal, permitindo a entrada de cloreto em maior quantidade e uma 
hiperpolarização mais duradoura. Além disso, os barbitúricos também aumentam a 
afinidade do sítio benzodiazepínico, então se a pessoa usa benzodiazepínico e barbitúrico 
ela vai ter uma chance maior dos benzodiazepínicos também atuarem no canal e 
potencializar em um efeito. ​Os barbitúricos têm efeitos também outros receptores outros 
canais que não GABA, ele reduz ativação ampa que é excitatória, então perceberam que a 
gente tem um mecanismo Dual tá tanto em potencializar a inibição, quanto inibe a 
excitação. 
Além disso, os barbitúricos mesmo que atuem como moduladores alostéricos, podem atuar 
como agonistas plenos por si só, ou seja, frente à doses maiores eles se ligam ao canal 
GABA A e abrem o canal por si só, mesmo na ausência de gaba, atuando então como 
agonista GABA A. 
 
 
Efeitos farmacológicos e potencial indesejável 
● Anticonvulsivante (córtex); 
● Anestésico geral (sistema reticular ativador); 
● Sedativo/hipnótico (depressão da atividade do hipotálamo)- ciclo de sono e vigília. 
● Indutores enzimáticos (interações)- leva ao aumento do metabolismo de outros 
fármacos, podendo ser fonte de interação. 
 
 
BEATRIZ GURGEL- MEDICINA - UFMS CPTL 
SEDATIVOS E HIPNÓTICOS-FARMACOLOGIA 
 
 
● Tolerância e dependência- paciente precisa aumentar dose com uso cronico. 
Desmame lento. 
● Tolerância cruzada (outros depressores)- comum que indivíduo tenha tolerância à 
mecanismos de ação gabaérgica como álcool. 
● Hiperalgesia? (anestésico único?)- não são mais utilizados sozinhos. Pois podem 
inibir a via inibitória da dor. 
● Depressão geral do SNC (morte). 
● Janela terapêutica estreita; 
● Depressão cardiorrespiratória; 
● Perda de consciência e cianose- inicialmente até uma parada. 
● Interação com depressores SNC. 
 
 
Farmacocinética: ​são muito lipofílicos, muito mesmo, por isso eles tem uma absorção 
muito boa e uma biodisponibilidade bastante adequada. Quando administrados tem uma 
saída muito rápida deles do sangue, porque eles preferem um tecido mais gorduroso a 
primeiro encontro como o cérebro e as vísceras são o primeiro local de acúmulo dos 
barbitúricos. Por isso até o efeito desses faz bastante rápido, se acumula muito 
rapidamente ou no cérebro por exemplo mas assim que você tem uma estabilização na 
absorção de uma chegada um pico de biodisponibilidade você começa a ter uma 
redistribuição no organismo. 
Pacientes que usam barbitúricos a longo prazo tem uma reserva de barbitúricos no seu 
organismo, o que pode abrir brecha ou aumentar chance de uma intoxicação. 
 
 
Relação ‘duração de efeitos x aplicação clínica’ 
⌐ Em intoxicações: hidratação e ↑pH urinário. 
 
 
BEATRIZ GURGEL- MEDICINA - UFMS CPTL 
SEDATIVOS E HIPNÓTICOS-FARMACOLOGIA 
 
 
 
 
Intoxicação:​ usar alguma estratégia para alcalinizar o PH urinário a tendência que você 
aumente a capacidade de eliminação. Por exemplo de bicarbonato de sódio ou outro agente 
alcalinizante é endovenoso ou pior aula a tentativa de alcalinizar a urina e 
consequentemente aumentar a eliminação do barbitúrico. 
 
 
2. BENZODIAZEPÍNICOS 
 
Mecanismo de ação: agonistas alostéricos do canal Gaba A. Não tem capacidade de 
ativar e abrir o canal sem a presença do Gaba, apenas facilitando. 
⌐ Ligação entre αγ; 
⌐ ↑ afinidade GABA ao canal. 
⌐ ↑ frequência abertura​ e não o tempo.​ Ele abre com uma frequência maior, mas tem 
um impacto de Hiperpolarização, muito menor que os barbitúricos, causando uma 
depressão muito menor e um perfil de segurança maior. 
 
OBS: clonazepam (bloqueio adicional de canais T) e alprazolam. 
 
Efeitos farmacológicos e potencial indesejável 
 Ansiolíticos;- Estruturas límbicas, Córtex, Amígdala 
Hipocampo Hipotálamo PAG... 
 Sedativo/hipnótico; 
 
 
BEATRIZ GURGEL- MEDICINA - UFMS CPTL 
SEDATIVOS E HIPNÓTICOS-FARMACOLOGIA 
 
 
 Anticonvulsivante (age no córtex); 
⌐ Relaxante muscular que pode ou não ser vantajoso. Uma pessoa tenha mais riscos 
ao dirigir, sendo um problema. (medula espinal); 
⌐ Perda de memória, que pode ser vantajoso em adjuvante anestésico. Amnésico 
(córtex e hipocampo); 
⌐ Bloqueio de canais de cálcio T (clonazepam)- é uma excessao. 
⌐ Antidepressivo (alprazolam?)- ainda está em estudos e nem seja verdade. 
 
Principais usos e limitações terapêuticas 
● Alívio agudo de ansiedade (não é primeira escolha!)- pode ser usado para controle 
agudo, sendo interessante utilizar BZD no início do tratamento. 
● Pânico (clonazepam e alprazolam); 
● Epilepsia (clonazepam, lorazepam e diazepam); 
● Adjuvante anestésico (midazolam)- principal agente utilizado 
● TOC e PTSD- não podem e não tem vantagem terapêutica. 
● Incoordenação motora- perigoso dirigir e algumas tarefas que precisam de 
coordenacao. 
● Descontinuação gradual; 
● Uso crônico e abuso- pelo uso indiscriminado, seja com ou sem prescrição.