A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
18 pág.
Resumo nutrição animal

Pré-visualização | Página 1 de 6

Resumo Nutrição
Vantagens do Ruminante:
Utiliza NNP p sintetizar proteína microbiana; Qualidade da proteína microbiana; Digeri fibra produzindo AGC que são absorvidos pela parede do rúmen e metabolizados; Microrg. Do rúmen sintetiza aa essenciais, VIT B e K
Desvantagens: Perda de energia em forma de gases; Glicogenese; Perda de N em forma de uréia; aa de proteína de alimento são desdobrados em compostos simples no Rumen; Cerais e/ou forragem além do leite para o bezerro acelera o desenvolvimento do rúmen.
Água
Funções: Termorregulador; Propriedade laxativa; Proteção de órgãos; Liquido sinovial; Transporte de reagentes e minerais; Alto calor especifico.
Perda: Suor; Fezes aves<ovin<bov/suin; Urina; Expiraçao(3%); Produtos formados ovo 36g leite 1kg/840g.
Incorporação: - Alimentos_raçao farelada e forragem tenra. - Metabolica_gordura 118%; proteína 41%, CHO 60%. - Agua bebida
Interferencia no consumo: Temp. água e do amb; Espécie animal av<ovin<bov; Ativid. Fisiológica; Nível de prod.
CHOs
Monossacarideos: Sem importância alimentar, constiuem chos complexos.
 Treozes: dihidroxicetona e gliceraldeidol; Hexoses: glicose, frutose, galactose; Ac. Galacturônico. 
Dissacarideos: Sacarose(gli+fru): beterraba e cana-de-açucar; Lactose(gli+galac): Leite; Maltose(gli+gli): quebra do amido.
Trissacarideo: Rafinose(gli+galac+fru)_Semente de algodão.
Polissacarideo: Alto peso molecular, n mono.
Amido: n glicose(a 1,4 e a 1,6) Amido-Amilase(linear a1,4)-Amilopectina(ramificada a1,6)-Maltose-Glicose. Reserva veg; Alimentaçao monogast; Digerido no ID do ruminante.
Glicogênio: n glicose; Sintetizado e armazenado no fígado.
Celulose: n glicose(B 1,4); A enzima Bglicodase é microbiana; Efeito laxativo p monogástricos.
Hemicelulose: n xilose(B 1,4); Enzima microb; Junto com celulose(parede veg.)
Pectina(polpa cítrica): n Ac. Galacturonico.
*lignina: não é CHO, associa-se a eles; Indigerivel; Efeito depressivo na Dig CHO.
Digestao Ruminal de CHOs.
Amido – Hemicelulose – celulose _gases e AGV.
Celulose e CHOs estruturais
Fatores que interferem: 1%N no rúmen; Minerais essenciais ao cresc. Microbiano(Ca,P,S e micronutrientes);Grau de lignificação(qnto menos melhor);CHOs não estruturais; Microflora ruminal; Ác. Butírico,isobutirico,2 metil-butirico, valerico, isovalerico; Deaminaçao leucina, valina, isoleucina.
Amido e CHOs não estruturais: Amido de milho dig. Completa; Amido farelo de arroz alto by pass, digerido no intestino; Prod. de AGV(Ac. Propiônico, butírico, acético); Alimentação rica em amido, ac. propiônico_glicogênio; Alimentaçao rica em CHOs estruturais, ac acético_B OH butirato.
Acidose Ruminal: Alimentaçao baseada em CHOs não estruturais, reduz PH, produzindo ac lático e propionico que se acumulam na corrente sanguinea sendo armazenados na musculatura. Reduz pop. de protozoários induzindo a dig no rúmen. Sintomas:Ulceraçao; Abcessos no fígados; queda de apetite e pH; desidratação.Prevençao: Adicionar substancia tamponante(calcário calcitico, oxido Mg ou bicarbonato de sódio); Uso aditivo ionóforo.
Proteínas CHON(16%)PSFe.
Alto peso molecular; aa unidos por lig. Peptídica; Proteinas simples: Prod. final aas; Proteinas conjugadas: prot simples + grupo prostéico(glicoproteinas, hemoproteinas, fosfoproteina, lecitoproteina); 
Aas essenciais: Sintese limitada ou não é sintetizado; Suino: lisina, metionina, tryptofano; Aves: metionina, lisina, tryptofano; Felinos: taurina; 
Aas não essenciais: sintetizados eplo organismo; metionina:subs. detoxificante; Funçoes: Síntese de hormônio e tecido; Reparo de tecidos;Enzimas são proteínas; Defesa do org.; Transp. de nutrientes.; 
Digestão: Parte da proteína que chega no rúmen é hidrolisada em aa. Parte dos aa é utilizado para síntese de PM e parte sofre deaminaçao Amoni+Keto acido.Parte da NH3 é utilizado para síntese de PM e parte é absorvida e transf. em uréia no fígado. A uréia é excretada por urina ou é levada pela saliva ao rúmen. Chegando no rúmen é hidrolisada pela uréase microbiana produzindo NH3 +keto acido, determinando o ciclo da uréia. Posterior a dig. no rúmen, a proteína não degradada no rúmen e a PM sofrem dig glandular, absorvendo então os aas essenciais para o ruminante.
NNP: nitrito e nitrato (tóxicos); hidrozil e hidroxilamonio (altera pH); Ureia (+ comum e de fácil adaptação). Utilizaçao: uréia endógena: fígado; uréia exógena: agrícola e pecuaria; A ureia é tóxica qndo a concentraçao de NH3 no sangue for maior que a capacidade do fígado em prod. uréia(NH3_figado).;Urease pH prox. 7,00.; sintomas de toxidez: estase ruminal e inquietação; sintomas nervosos(tremor musc. Incoordenaçao e regugitaçao); morte. Intoxicaçao depende: Qntde ingerida; Qualidade da alimentação; Jejum; 0,45g uréia/kg peso vivo/dia.; Antidoto: vinagre ou ac acético, reduz pH, menor ação da urease. Interferem no aproveitamento da uréia: CHOs não estruturais mais eficiente, veloc dig comptaviel com hidrolise da uréia/ Estruturais veloc dig lenta comparada a hidrolise da uréia; Prença de pqnas qntdes de proteína e/ou aa; pqnas qntdes de prot. Fornecem aas de difícil síntese microbiana (sulfuroso_cistina, cisteina, metionina); Na falta de proteína e NNP fornecer S : enxofre elementar 98% de pureza não se dissolve em h20(pecuário); Sulfato de amônio se dissolve em h20; Sulfito de sódio; Influencia do próprio animal.;Fornecimento da uréia: Add 1,5 a 2% em ração concentrada; Não exceder 1/3 do N da ração total; Add ao melaçao 9m:1ureia; Add a cana picada com 30% de matéria seca (3% P 65%NDT); Add as misturas minerais proteinadas.; Restriçoes da cana: Defic. em proteína; Não permite absorção de glicose; fibra curta.
Lipídeos:
 Solúveis em comp. Orgânicos(clorofórmio e benzeno); 3 classes: Lipideos simples éster de ác Graxo com glicerol (óleo e gordura); Lipideos composto simples + B.N+ CHO/ fosfato (glicolopidio e fosfolipídio); Lipideos sem glicerol cera, cerebrosideo, esteróis, terpeno. 
Funções: Altamente energético, reserva energética, isolante térmico, marmoreio, água metabólica, auxiliam na absorção de vit lipossolúveis, precursor VIT A e D. Ác. Graxos saturados: Gordura (-c-c-c-); butírico (c4-o), caproico( c6-o), caprilico(c8-o), caprico(c10-o), láurico(c12-o); meristico(c14-o);palmítico(c16-o); esteárico(c18-o); Araquinidico(c20-0);lignocérico(c24-o). 
Ác. Graxos insaturados: Oleo (-c=c-c=c-); Palmitoleico(16c-1);oléico(18c-1);linoléico(18-2);linolênico(18-3);aracdonio(20-4). 
Ac. graxo essencial(AGE): não são sintetizados; Metabólico: linoléico_linolenico_aracdonio; Alimentar: linoléico.; Funçoes AGE: Compoe fosfolipídio, fenômeno reprodutivo/ gonodas são ricas em AGE.; Sintomas de deficiência: Suínos- pele seca/áspera, antrofia de testículo, queda de pelos, vesícula biliar pequena. Aves: Empenamento deficiente, morte nas 1as semanas de vida, queda fertilidade e eclodibilidade, ovos menores.; 
Digestao dos lipídeos simples: Rumen: lípase microbiana (triglicerídeos_ac graxo.) e biohidrogenaçao (ac graxo insaturado_saturado); ID: Ocorre lípase pancreática TG _MG + ac graxo. Parte do MG é absorvido intacto (50-78% das gorduras) e a outra parte é isomerizada sofrendo ataque da lípase _ glicerol + ac graxos; Absorçao: Formaçao das micelas emulsificadas por sais biliares (ac, graxos, MG e glicerol)-produtos de dig gorduras. Após a absorção resintetiza TG que é transportada em forma de kilomonio. FABP: proteína transportadora de ac. graxos.; Ac graxo saturado _insaturado: contra biohidrogenaçao- formol + gordura + proteína é um complexo estável ao pH do rúmen que só é desfeito no ID.
Vitaminas:
Cofatores de reações metabólicas; lipossolúveis ADEK; hidrossolúveis complexo B e VITC.; Lipossoluveis: armazenadas no fígado e liberadas por um período de 4 meses; Hidrossoluveis: não são armazenadas.; VIT A: Fontes: origem animal/óleo de fígado de bacalhau; vegetais contem precursores de VIT A/ a b g caroteno, cripitoxantina (OH) b caroteno (b caroteno mais potente).; 3 formas químicas: Alcool Natural, mais potente(retinol); Acido (Ac. retinoico); Esterificada (palmitato).; VITA e caroteno