A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
RECURSOS NO PROCESSO DO TRABALHO

Pré-visualização | Página 2 de 3

originária. 
 
Tanto as sentenças definitivas (com resolução do mérito) como as terminativas (sem 
exame do mérito) serão passíveis de recurso ordinário. 
 
Possibilidade de retratação em 5 dias para: a) indeferimento da petição inicial; b) 
improcedência liminar do pedido; e c) extinção do processo sem resolução do mérito. 
 
Não interposto o recurso ordinário, o réu será intimado do trânsito em julgado da 
sentença. (art. 331, § 3°, CPC). 
 
Processamento: 
• Interposto o recurso ordinário, o magistrado verificará a presença ou não dos 
pressupostos recursais (cabimento, adequação, tempestividade, preparo etc.). 
• Conhecido o recurso, o juiz concederá prazo de 8 dias para o recorrido 
apresentar contrarrazões. 
• Após apresentada as contrarrazões, ou findo o prazo para tanto sem 
manifestação do recorrido, o juiz poderá reconsiderar ou não a decisão que 
admitiu o recurso (caso existam elementos que convençam o magistrado pelo 
não conhecimento). Após a apresentação da resposta pelo recorrido, é dado 
ao juízo a quo reexaminar os pressupostos de admissibilidade recursal do 
recurso ordinário; 
• Mantida a decisão que admitiu o recurso, o magistrado remeterá os autos ao 
tribunal para julgamento do apelo; 
O Relator: 
a) fará o segundo juízo de admissibilidade, 
b) poderá julgar monocraticamente o recurso nas hipóteses previstas no art. 932, 
III a V, do CPC. (art. 1.011, I, CPC); 
c) Caso tenha algum vício deverá conceder o prazo de 5 dias para que o recorrente 
possa saná-lo ou complementar a documentação exigível (art. 1.021 do CPC). 
• O relator elabora seu voto e devolverá os autos à secretaria, caso não tenha 
julgado monocraticamente o recurso. 
• A secretaria encaminhará para o presidente, que designará a sessão 
julgamento. 
• Na sessão de julgamento, o relator fará a exposição da causa e, na 
sequência, terão a palavra, nessa ordem: o recorrente, o recorrido, o 
membro do MP, se for obrigatória a intervenção- prazo de 15 minutos (art. 
937, CPC). 
• Proferidos os votos, o presidente anunciará o resultado, determinando que 
o relator redija o acórdão, ou, se vencido, o autor do primeiro voto vencedor 
(art. 941, CPC). 
• A ·ementa do acórdão será publicada no órgão oficial no prazo de 10 dias 
(art. 943. § 2°, CPC). 
 
b) RECURSO DE REVISTA 
Recurso de natureza extraordinária: nos termos da súmula 126, TST é incabível para 
reexame de fatos e provas. 
• 2 Hipóteses de cabimento: 
i) de decisão do TRT em recurso ordinário; 
ii) de decisão do TRT em agravo de petição. 
Não cabe recurso de revista em face de decisão do TRT em agravo de 
instrumento (Súmula 218 do TST). 
 
O art. 896-A, § 1°, CLT prevê que: somente será cabível quando: 
a) a questão for exclusivamente de direito; 
b) o recorrente estiver diante de uma das hipóteses específicas de 
cabimento de recurso de revista; 
c) a matéria estiver prequestionada; 
d) quando a causa oferecer transcendência com relação aos reflexos gerais 
de natureza econômica, política, social e jurídica 
 
No procedimento ordinário, art. 896, "a" e "c" da CLT, pode ser interposto 
nos seguintes casos: 
a) violação literal e direta à Constituição Federal; 
b) violação literal à lei federal; 
c) contrariedade à súmula do TST; 
d) contrariedade à orientação jurisprudencial do TST (OJ 219, SDI-1, do 
TST); 
e) contrariedade à súmula vinculante do STF; 
f) quando, na interpretação de lei federal, a decisão recorrida contrariar 
outro TRT (Pleno ou Turma); 
g) quando o acórdão recorrido divergir, na interpretação de lei federal, de 
decisão da Seção de Dissídios Individuais I ou II do TST 
Divergência jurisprudencial: Quando os Tribunais divergem entendimento sobre 
determinado dispositivo, art. 896, “b”, da CLT. 
• Prequestionamento: é pressuposto do recurso de revista, assim como dos 
demais recursos de natureza extraordinária. A matéria estará prequestionada 
quando houver sido tratada no acórdão impugnado (Súmula 297, I, do TST). 
Se o Tribunal não se pronunciar quanto à matéria impugnada, deverão ser 
opostos embargos de declaração com o objetivo de que se manifeste a respeito 
de tal matéria, sob pena de preclusão, o recorrente deve indicar o trecho da 
decisão recorrida que consubstancia o prequestionamento da controvérsia 
objeto do recurso de revista. 
• Transcendência: art. 896- A, CLT: o TST examinará previamente se a causa 
oferece transcendência com relação aos reflexos gerais de natureza 
econômica, política, social ou jurídica. 
O art. 896-A, § 1º, CLT aponta como indicadores de transcendência: 
a) econômica, o elevado valor da causa; 
b) política, o desrespeito da instância recorrida à jurisprudência sumulada do 
TST e STF; 
c) social, a postulação, por reclamante-recorrente, de direito social 
constitucionalmente assegurado; 
d) jurídica, a existência de questão nova em torno da interpretação da 
legislação trabalhista. 
• Recursos repetitivos: ao receber um recurso de revista, se o TST considerar 
que a matéria é repetitiva, ( se houver multiplicidade de recursos de revista 
fundados em idênticas questões de direito) todos os recursos que estiverem 
nos TRTs sobre o mesmo tema ficarão sobrestados aguardando a decisão do 
primeiro caso. 
Todos os recursos que estiverem nos TRTs sobre o mesmo tema ficarão 
sobrestados aguardando a decisão do primeiro caso, uma vez julgado o 
recurso paradigma (leading case), todos os demais que estavam sobrestados 
deverão ser julgados no mesmo sentido, a menos que ficar comprovado que 
existem distinção fática ou jurídica. 
Proposta de afetação: a questão poderá ser afetada à Seção !Especializada 
em Dissídios Individuais ou ao Tribunal Pleno. A Turma do TST poderá afetar 
o recurso para a sm e apenas esta poderá afetar a questão para julgamento 
pelo Pleno do TST sob o rito dos recursos repetitivos, uma vez acolhida a 
proposta de afetação, o relator na SDI ou no Pleno proferirá a decisão de 
afetação na qual identificará com precisão a questão a ser submetida a 
julgamento, os recursos afetados serão julgados em no máximo um ano e terão 
preferência sobre os demais, caso contrário cessa automaticamente a afetação 
e a suspensão dos processos. O acórdão paradigma abrangerá análise de 
todos os fundamentos suscitados à tese jurídica discutida, favoráveis ou 
contrários. 
O art. 896- C, § 13 da CLT prevê que a decisão proferida pelo Tribunal Pleno 
quanto à questão afetada e julgada sob o rito dos recursos repetitivos que 
também contenha questão constitucional, não obstará o conhecimento de 
eventuais recursos extraordinários sobre a questão constitucional 
 
c) EMBARGOS PARA O TST 
Embargos infringentes e embargos por divergência 
• Embargos infringentes: art. 894, I, CLT. 
Hipóteses de cabimento: 894, I “a”, CLT 
Decisão não unânime de julgamento que: a) conciliar, julgar ou homologar 
conciliação em dissídios coletivos que excedam a competência territorial 
dos Tribunais Regionais do Trabalho e estender ou rever as sentenças 
normativas do Tribunal Superior do Trabalho, nos casos previstos em lei; 
• Embargos por divergência: art. 894, II, CLT 
Hipóteses de cabimento: de decisões de Turma do TST que contrariar: 
a) acórdão de outra Turma do TST; 
b) acórdão da SDI; 
c) súmula do TST; 
d) orientação jurisprudencial do TST; 
d) súmula vinculante do STF. 
O art. 894, § 2º do CLT prevê que a divergência apta a ensejar os embargos 
deve ser atual, não se considerando tal a ultrapassada por súmula do 
Tribunal Superior do Trabalho ou do Supremo Tribunal Federal, ou 
superada por iterativa e notória jurisprudência do Tribunal Superior do 
Trabalho 
 
O Ministro Relator denegará seguimento aos embargos: se a decisão 
recorrida estiver em consonância com súmula da jurisprudência do Tribunal 
Superior do Trabalho ou do Supremo Tribunal Federal, ou com iterativa, 
notória e atual jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho,