A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
RECURSOS NO PROCESSO DO TRABALHO

Pré-visualização | Página 3 de 3

cumprindo-
lhe indicá-la; e nas hipóteses de intempestividade, deserção, irregularidade 
de representação ou de ausência de qualquer outro pressuposto extrínseco 
de admissibilidade. 
 
Da decisão denegatória dos embargos caberá agravo, no prazo de 8 (oito) dias. 
 
d) AGRAVO DE INSTRUMENTO- art. 897, b da CLT 
Prazo para interposição e contraminuta: 8 dias 
Finalidade: Impugnar os despachos que deneguem o seguimento de recurso, ou seja, 
sempre que o 1º juízo de admissibilidade negar seguimento a recurso ordinário, 
recurso de revista, agravo de petição e extraordinário, ainda que interposto de forma 
adesiva, caberá a interposição de agravo de instrumento objetivando destrancar o 
apelo e fazer com que o mesmo suba à instância superior. 
Interposição: interposto perante o juízo que não conheceu o recurso, admitindo o 
chamado juízo de retratação ou reconsideração. 
Caso a decisão objeto do agravo de instrumento seja mantida, o agravado será 
intimado para que, no prazo de 8 dias, ofereça razões de contrariedade • ao agravo e 
ao recurso principal, instruindo o agravo com as peças que entender necessárias ao 
seu julgamento. 
Competência: tribunal que seria competente para conhecer o recurso cuja 
interposição foi denegada, conforme previsão no art. 897, § 4, CLT. 
 
e) AGRAVO DE PETIÇÃO- art. 897, “a” da CLT 
 
Prazo para interposição do recurso e da contraminuta: 8 dias 
 
Impugnar decisões definitivas o terminativas proferidas no curso do processo de 
execução trabalhista. 
 
Pressuposto específico de admissibilidade: art. 897, § 1º, CLT: Delimitação, justificada 
das matérias e valores impugnados, não sendo admitido agravo de petição genérico. 
As parcelas que não forem impugnadas serão imediatamente executadas 
definitivamente 
 
f) EMBARGOS DE DECLARAÇÃO: 897- A da CLT- prazo 5 dias 
Hipóteses de cabimento: 
• omissão 
• obscuridade 
• contradição 
• manifesto equívoco na análise dos pressupostos extrínsecos do recurso 
• erro material 
• Prequestionamento 
Não há manifestação da outra parte, salvo se o juiz vislumbrar o efeito modificativo 
no julgado, então concede prazo de 5 dias, caso contrário a decisão pode ser 
anulada 
A interposição dos embargos de declaração interrompe o prazo para interposição 
de outros recursos até que seja proferida a decisão, para as duas partes, salvo 
quando intempestivos. 
Multa por embargos protelatórios: manifestamente protelatórios juiz ou o tribunal, 
em decisão fundamentada, condenará o embargante a pagar ao embargado multa 
não excedente a dois por cento sobre o valor atualizado da causa (art. 1.026, § 2°, 
do CPC). Na reiteração poderá ser elevada para 10 % do valor da causa. 
Se o acolhimento dos embargos de declaração resultar a modificação da decisão 
embargada e o embargado que já tiver interposto outro recurso contra a decisão 
originária, o embargado tem o direito de complementar ou alterar suas razões, nos 
exatos limites da modificação, no prazo de 8 (oito) dias, contado da intimação da 
decisão dos embargos de declaração (art. 1.024, § 4°, do CPC). 
 
g) AGRAVO REGIMENTAL 
A doutrina não é unânime quanto à distinção de agravo interno e agravo regimental. 
O agravo interno é o previsto nos arts. 894, § 3°, da CLT e 1.021 do CPC, aplicável 
ao Processo do Trabalho; e o agravo regimental é o previsto no regimento interno do 
tribunal. Portanto, estaremos diante do agravo regimental quando o recurso não tiver 
previsão legal, mas estiver disciplinado no regimento interno do tribunal. Por outro 
lado, havendo previsão legal, o recurso será o agravo interno. 
O agravo interno, é cabível nas hipóteses: 
• das decisões monocráticas não proferidas com base no art. 894, § 4°, da CLT; 
• o das decisões monocráticas proferidas nos termos do art. 932 do CPC, ou 
seja, decisão do relator que monocraticamente apreciar o pedido de tutela 
provisória; não conhecer de recurso inadmissível, prejudicado ou que não 
tenha impugnado especificamente os fundamentos da decisão; negar 
provimento ou dar provimento ao recurso, nos casos do art. 932, V e V, do 
CPC; decidir incidente de desconsideração da personalidade jurídica, quando 
instaurado originariamente no tribunal. 
• em face de decisão monocrática do relator no julgamento dos recursos, à luz 
do art. 1.021 do CPC e art. 9°, parágrafo único, da Lei 5584/1970. 
• A Lei 7.701/1988, nos arts. 2º , II, "d", e 3º , III, estabelece a possibilidade de 
interposição de agravo regimental contra a decisão que indeferir recurso em 
ações coletivas e nos embargos de divergência em ações individuais. Muito 
embora faça referência a agravo regimental, na verdade, trata-se de agravo 
interno. 
O prazo do agravo regimental e interno é de 8 dias. 
O agravo interno é interposto perante o órgão judicial que proferiu a decisão 
impugnada. 
Possibilidade do juízo de reconsideração ou retratação 
h) RECURSO ADESIVO 
O recurso adesivo não tem previsão explícita na Consolidação das Leis do Trabalho, 
sendo aplicável, subsidiariamente, o art. 997 do CP(, conforme estabelecido na 
Súmula 283 do TST. 
Conforme previsto na Súmula 283 do TST, o recurso adesivo pode ser interposto em 
face do recurso ordinário, recurso de revista, embargos e agravo de petição, sempre 
no prazo de oito dias. 
O recurso adesivo é interposto no prazo das contrarrazões do recurso principal, 
consoante previsto no art. 997, § 2. 0 , I, do CPC. 
Para utilização do recurso adesivo é preciso que tenha havido sucumbência recíproca. 
Deve preencher os demais pressupostos gerais e específicos de admissibilidade 
exigidos dos recursos principais (inclusive com pagamento de custas e recolhimento 
do depósito recursal, quando for o caso), sendo recebido apenas no efeito devolutivo. 
Não há necessidade de que a matéria deduzida no recurso adesivo esteja relacionada 
com a do recurso principal interposto pela parte contrária. 
Caso o litigante recorra de forma autônoma da parte da decisão que lhe seja 
desfavorável, não poderá mais se valer do recurso adesivo, PRINCÍPIO DA 
UNIRECORRIBILIDADE. 
 
i) RECURSO EXTRAORDINÁRIO: ART. 102, III,CF 
O prazo para interpor e contra-arrazoar o recurso extraordinário é de 15 dias e o 
recurso será julgado por turma do STF. 
Somente pode ser interposto de decisão do TST, em única ou última instancia, quando 
já esgotados todos os recursos trabalhistas admissíveis. 
Prequestionamento: questão federal seja prequestionada, de maneira explícita (por 
meio, normalmente, de embargos de declaração), sob pena de não conhecimento do 
apelo. Sum 282 e 356 do STF. 
Não cabe para reexame de provas. 
Repercussão geral: o recorrente deverá demonstrar a repercussão geral das 
questões constitucionais discutidas no caso, a fim de que o Tribunal examine a 
admissão do recurso. (arts. 1.035, 1.036 e 1.039, parágrafo único, do CPC). 
 
j) PEDIDO DE REVISÃO 
Era cabível exclusivamente para impugnar o valor da causa fixado pelo juiz no 
procedimento sumário foi revogado tacitamente pelo art. 840, § 1 º, da CLT. 
 
k) RECLAMAÇÃO CORREICIONAL 
Também chamada de correição parcial, é um procedimento administrativo 
regulamentado pelos Regimentos Internos dos Tribunais do Trabalho. 
No Processo do Trabalho, a correição parcial é mencionada no art. 709, II, da CLT. 
Requisitos: 
• O ato deve ser atentatório à boa ordem processual; 
• Não deve haver recurso cabível contra este ato; 
• Deve ser demonstrado o prejuízo processual à parte recorrente do referido ato. 
Dirigida ao corregedor do tribunal e tramita de acordo com o regimento interno dos 
tribunais. 
 
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 
SARAIVA, Renato; LINHARES, Aryanna. Processo do Trabalho para concursos 
públicos. 14 ed. Salvador: Jus PODVM, 2018.p 318 a 382.