A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Recursos em processo penal- Resumo- Capez

Pré-visualização | Página 1 de 2

RECURSOS 
CONCEITO: recurso é um retorno ao estágio inicial do processo, anterior à prolação 
da decisão, propiciando à parte uma nova oportunidade no julgamento de sua 
pretensão. 
FUNDAMENTOS: necessidade psicológica do vencido, na falibilidade humana e no 
combate ao arbítrio. 
Juízo a quo: é o órgão prolator da decisão recorrida; 
juízo ad quem: é o órgão a quem se pede o reexame e reforma da decisão. 
PRESSUPOSTOS PROCESSUAIS 
Pressupostos objetivos: cabimento, adequação, tempestividade, regularidade e 
inexistência de fato impeditivo ou de fato extintivo. 
Pressupostos subjetivos São eles: interesse jurídico e legitimidade para recorrer. 
EFEITOS 
Suspensivo: o recurso funciona como condição suspensiva da eficácia da decisão, 
que não pode ser executada até que ocorra o julgamento final. 
Extensivo: No caso de concurso de agentes, a decisão do recurso interposto por um 
dos réus, se fundado em motivos que não sejam de caráter exclusivamente pessoal, 
aproveitará aos demais. 
Regressivo, iterativo ou diferido: é o efeito que possibilita o juízo de retratação por 
parte do órgão recorrido, possibilitando, assim, ao prolator da decisão, a possibilidade 
de alterá-la ou revogá-la parcial ou inteiramente 
1. APELAÇÃO: prazo 5 dias após a intimação 
Interposta a apelação, as razões devem ser oferecidas dentro do prazo de oito dias, 
se for crime, salvo nos crimes de competência do juizado especial criminal, quando 
as razões deverão ser apresentadas no ato da interposição. 
Interposto da sentença definitiva ou que tenha força de definitiva com a finalidade de 
que se realize o reexame da matéria. 
Recurso residual: só pode ser interposto se não houver previsão expressa no RESE. 
Legitimidade e interesse: O MP não tem legitimidade para apelar da sentença 
absolutória proferida em ação penal de iniciativa privada mas tem legitimidade para 
apelar em favor do réu, seja a ação pública ou privada, na qualidade de fiscal da exata 
aplicação da lei, o assistente da acusação só tem legitimidade recursal supletiva, de 
modo que, se a apelação do Ministério Público for ampla, mas não pode recoorer 
visando aumento da pena. A defensoria pública tem legitimidade para apelar em favor 
do réu revel, independentemente de sua ratificação. 
Cabimento da apelação nas sentenças do juiz singular: Cabe apelação das 
sentenças definitivas de condenação ou absolvição e caberá apelação contra a 
sentença de absolvição sumária. Decisões com força de definitivas ou interlocutórias 
mistas: são aquelas que põem fim a uma fase do procedimento (não terminativas) ou 
ao processo (terminativas), sem julgar o mérito, ou seja, rejeição da denúncia ou 
queixa, sentenças definitivas de absolvição ou de condenação, sentença 
homologatória e não homologatória da transação penal, e sentença homologatória da 
suspensão condicional do processo. 
Apelação das decisões do Júri: tem caráter restrito, pois não devolve à superior 
instância o conhecimento pleno da questão, por força da garantia constitucional da 
soberania dos veredictos, cabível em 4 hipóteses: Nulidade posterior à pronúncia; 
Sentença do juiz-presidente contrária à letra expressa da lei ou à decisão dos jurados; 
Quando houver erro ou injustiça no tocante à aplicação da pena ou da medida de 
segurança; e Quando a decisão dos jurados for manifestamente contrária à prova dos 
autos. 
2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO: 
Prazo: 5 dias a partir da intimação da sentença 
Realização de reexame de uma decisão nas matérias especificadas em lei, 
possibilitando ao próprio juiz recorrido uma nova apreciação da questão, antes da 
remessa dos autos à segunda instância. 
Cabimento: art. 581, CPP, não admite ampliação e tem a exclusão daqueles descritos 
na LEP. 
Competência: interposição far-se-á perante o juiz recorrido, para que este possa 
rever a decisão, em sede de juízo de retratação. 
o recurso em sentido estrito subirá nos próprios autos e dentro do prazo de dois dias, 
o recorrente deverá oferecer as suas razões. 
Se o juiz mantiver o despacho, remeterá os autos à instância superior; se reformá-la, 
o recorrido, por simples petição, e dentro do prazo de cinco dias, poderá requerer a 
subida dos autos. O recorrido deverá ser intimado, no caso de retratação do juiz. 
Efeitos: Devolutivo, regressivo e, em alguns casos, o suspensivo. 
3. AGRAVO EM EXECUÇÃO 
Cabimento: recurso cabível contra as decisões do Juiz da VEP (Vara de Execuções). 
Fundamento jurídico: art. 197 da Lei 7.210/84 (LEP). 
Prazo: 5 dias para interposição e 2 para apresentar as razões 
Possibilidade de juízo de retratação 
Efeitos: devolutivo, em regra, suspensivo e regressivo 
4. CARTA TESTEMUNHÁVEL 
Instrumento destinado a promover o conhecimento do recurso ou meio pelo qual se 
provoca o reexame de uma decisão, qual seja a denegatória de um outro recurso 
Deve ser requerida dentro de quarenta e oito horas, após a ciência do despacho que 
denegar o recurso ou da decisão que obstar o seu seguimento. 
A carta testemunhável não tem efeito suspensivo. A falta de razões na carta não 
impede seu conhecimento. 
5. CORREIÇÃO PARCIAL 
Providência administrativo-judiciária contra despachos do juiz que importem em 
inversão tumultuária do processo, sempre que não houver recurso específico previsto 
em lei. 
6. EMBARGOS INFRINGENTES 
Recurso contra decisão não unânime de segunda instância, desde que desfavorável 
ao réu. 
Prazo: dez dias, a contar da publicação do acórdão- intimação pessoal. 
Cabimento: recurso em sentido estrito e apelação. 
7. EMBARGOS DECLARATÓRIOS 
Interposto para o mesmo órgão prolator da decisão, dentro do prazo de dois dias, no 
caso de ambiguidade, obscuridade, contradição ou omissão da sentença. 
Prazo: dois dias perante o próprio juiz prolator da decisão. 
Pressupostos: 
• ambiguidade, obscuridade, omissão ou contradição 
• Indicar no requerimento, o ponto a ser declarado ou corrigido 
Legitimidade: acusação e defesa. 
Efeito: suspensivo 
8. REVISÃO CRIMINAL 
Reexame de um processo já encerrado por decisão transitada em julgado, é uma ação 
rescisória. 
Legitimidade: próprio réu, no caso de morte do réu, a revisão poderá ser movida pelo 
seu cônjuge, descendente, ascendente ou irmão 
Prazo: Após o trânsito em julgado, a qualquer tempo. 
Cabimento: Quando a sentença condenatória for contrária a texto expresso da lei, 
contrária à evidência dos autos, se fundar em provas comprovadamente falsas, 
surgirem novas provas da inocência do condenado, novas provas de circunstância 
que autorize a diminuição da pena. 
Admissibilidade: sentenças absolutórias impróprias onde há imposição de medida 
de segurança, não cabe da sentença de pronúncia. 
Competência: STFcompete rever quando por ele proferida ou mantida; STJ, quando 
dele tiver emanado a decisão condenatória; Se a decisão condenatória for proferida 
pelo TRF em única ou última instância, caber-lhe-á julgar a revisão; Nos demais casos, 
competirá ao tribunal de justiça estadual. 
9. “HABEAS CORPUS” 
Finalidade de evitar ou fazer cessar a violência ou a coação à liberdade de locomoção 
decorrente de ilegalidade ou abuso de poder. 
Espécies: liberatório ou repressivo ou preventivo 
Legitimidade: qualquer pessoa. 
Admissibilidade: É inadmissível a impetração de habeas corpus durante o estado de 
sítio; transgressão disciplinar, só não cabe a impetração se a punição for militar; se 
não há atentado contra a liberdade de locomoção; contra dosimetria da pena de multa. 
Impetração: A impetração do habeas corpus pode ser feita por qualquer pessoa, 
denominada impetrante. 
10. MANDADO DE SEGURANÇA 
Destinado a proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou 
habeas data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for autoridade 
pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público. 
Admissibilidade: O mandado de segurança só pode ser concedido diante de direito 
líquido