A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
22 pág.
QUESTIONÁRIO ORTO

Pré-visualização | Página 1 de 11

QUESTIONÁRIO ORTODONTIA – FINAL 2018/02 – Micael de Melo Ojeda 
1. QUAL A DIFERENÇA ENTRE 
ORTODONTIA PREVENTIVA, 
INTERCEPTATIVA E CORRETIVA? 
A ortodontia preventiva atua nos pacientes novos, no 
período da dentadura mista ou decídua, impedindo que 
se instale uma máoclusão, sendo possível prevenir e 
observar o paciente. A ortodontia interceptativa a 
máoclusão já foi instalada e é pra reverter uma situação 
de maoclusão no início, para evitar a progressão. A 
ortodontia corretiva ocorre depois que a maloclusão já 
foi instalada, para corrigir os dentes mal posicionados. 
2. O QUE É OCLUSÃO IDEAL, OCLUSAL 
NORMAL E MÁ-OCLUSÃO? 
A oclusão normal é a ausência de sintomatologia ou 
desconforto em pacientes que possui morfologia dento-
faciais aceitáveis e que não fizeram o uso de aparelho 
ortodôntico, caracterizado por ter relação molar classe 
I, curva de Spee suave, trespasse vertical 3mm, 
trespasse horizontal 2mm, nenhum mal 
posicionamento, equilíbrio muscular e harmonia facial. 
A oclusão ideal é a ausência de sintomatologia ou 
desconforto em pacientes que foram submetidos a 
tratamento ortodôntico. A má-oclusão é um desvio 
morfológico do padrão normal que envolve apenas os 
arcos dentários. 
3. QUAL A DIFERENÇA DE APARELHOS 
FIXOS E REMOVÍVEIS? 
Aparelhos fixos podem ser preventivos para evitar 
trespasse e corretivos para depois que a má-oclusão já 
se instalou. Aparelhos removíveis podem ser 
preventivos, interceptativos e podem ajudar na correção 
também. 
4. QUAIS SÃO AS DIREÇÕES DE 
CRESCIMENTO E DESLOCAMENTO DA 
MAXILA, MANDÍBULA E BASE DO 
CRÂNIO? 
Maxila: tem direção de crescimento pra cima e para trás, 
com deslocamento pra frente e pra baixo; Mandíbula: 
tem direção de crescimento pra cima e para trás, com 
deslocamento pra frente e pra baixo; Base do crânio: 
tem direção de crescimento pra baixo e pra frente, com 
deslocamento pra baixo e pra frente. 
5. QUAIS SÃO AS CLASSIFICAÇÕES DE 
MÁ-OCLUSÃO DESCRITAS POR 
ANGLE? 
Classe I: a cúspide mésio-vestibular do primeiro molar 
superior, oclui no sulco mésio-ocluso-distal do primeiro 
molar inferior. Possui problemas dentários, tem 
relativamente maxila e mandíbula bem relacionadas. 
Pode ter biprotrusão maxilar quando bem relacionadas 
entre si e mal posicionadas com a base do crânio. É 
caracterizado por ter perfil um pouco convexo. 
Classe II: a cúspide mésio-vestibular do primeiro molar 
superior, oclui a frente do sulco mésio-ocluso-distal do 
primeiro molar inferior. Mal relacionamento entre 
maxila e mandíbula do ponto de vista ósseo (não 
dentário), maxila à frente da mandíbula, podendo ter 
protrusão maxilar, retrusão mandibular ou os dois 
combinados, considerando apenas o aspecto ósseo. 
Classe III: a cúspide mésio-vestibular do primeiro molar 
superior, oclui atrás do sulco mésio-ocluso-distal do 
primeiro molar inferior. Maxila está atrás da mandíbula, 
mal relacionada com a base do crânio. Pode ter retrusão 
maxilar, protrusão mandibular ou os dois combinados. 
6. QUAL A IMPORTANCIA DE INTERVIR 
NO SURTO PUBERAL DE 
CREESCIMENTO PARA AJUDAR NO 
TRATAMENTO DE PACIENTES 
PORTADORES DE UMA MÁ-OCLUSÃO? 
É a fase que o indivíduo responde melhor ao tratamento, 
devido à aposição, reabsorção, remodelação e 
recolocação óssea. Com isso, é possível acompanhar o 
crescimento real, as direções de crescimento e se 
necessário, intervir para evitar uma má-oclusão ou 
estimular o crescimento ósseo. 
7. QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS FATORES 
QUE INTERFEREM NA VELOCIDADE 
DO CRESCIMENTO? 
Durante o processo de crescimento ósseo, sofre algumas 
influencias físicas. Existe vários fatores que 
influenciam como a saúde, por exemplo, mas o principal 
é o potencial genético, de acordo com o que é herdado, 
fator hereditário, tendo importância secundária, entra os 
fatores nutricionais e fatores raciais. 
8. EM QUE MOMENTO É OPÇÃO DE 
ESCOLHA PARA O TRATAMENTO 
INTERCEPTATIVO EM PACIENTES 
COM MÁ-OCLUSÃO SUAVE E SEVERA 
CLASSE III? 
É quando aproveita o surto puberal de crescimento que 
o indivíduo está para intervir com o tratamento, 
mexendo nas estruturas faciais do indivíduo. Se for má-
oclusão suave e não acentuada, é possível intervir. Se 
for má-oclusão severa, espera todo o crescimento 
acontecer para um plano de tratamento, sendo um 
tracionamento da maxila ou redução da mandíbula, 
quando o paciente não tem mais crescimento, para não 
haver recidiva e haver estabilidade. 
9. QUAL É O CONCEITO DE 
CRESCIMENTO, DESENVOLVIMENTO 
E MATURAÇÃO? 
Crescimento são mudanças normais na quantidade de 
substancia viva, mudanças que ocorre com o passar do 
tempo sem perder as características normais, um 
aspecto quantitativo do desenvolvimento biológico, 
medido em unidades de aumento por unidades de 
tempo. Desenvolvimento é o processo pelos quais a 
forma adulta pode ser atingida, aspecto qualitativo, 
sendo aprendizados e habilidades adquiridas. 
Maturação é o pleno desenvolvimento, estabilização do 
estado adulto. 
10. COMO OCORRE O CRESCIMENTO DOS 
OSSOS LONGOS E MANDÍBULA? 
No surto crescimento, entre a diáfise e a epífise, aparece 
uma área radiolúcida, composta por uma cartilagem 
chamada de cartilagem epifisária, que é onde ocorre o 
crescimento, responsável pelo aumento dos ossos 
longos. Na idade adulta não tem mais a cartilagem 
epifisária, pois o osso não aumenta mais de tamanho. 
Na mandíbula se difere por não ter essa cartilagem 
epifisária, tendo no centro do côndilo ocorrendo o 
crescimento da mesma maneira, sendo uma 
característica própria da mandíbula. 
11. QUAIS SÃO OS TIPOS DE 
CRESCIMENTO FACIAL? 
Dolicofacial: face alongada, comprida, crescimento 
vertical (perfil pouco convexo). Braquifacial: face 
quadrada, crescimento horizontal (perfil pouco 
côncavo). Mesofacial: crescimento equilibrado. 
12. QUAIS SÃO OS TIPOS DE FORMAÇÃO 
ÓSSEA (OSTEOGÊNESE) E OS LOCAIS 
ONDE OCORREM? 
Endocondral: ocorre a partir de um modelo de 
cartilagem, tendo como característica o trabeculado 
ósseo. É a modificação em cartilagem, no surto de 
crescimento puberal ocorre intensa proliferação celular 
e os condrocitos vão se multiplicar e quando estiverem 
bastante numerosos sofrem hipertrofia e morte dos 
condrócitos, ocorrendo formação de cavidades sendo 
invadida por capilares sanguíneos. São encontrados em 
cartilagem epifisária, sincondroses, cabeça do côndilo. 
Intramembranosa: não se tem a cartilagem para servir 
de modelo e sim células mesenquimais indiferenciadas, 
se diferenciam de acordo com a necessidade do 
organismo. É encontrado em periósteo (subperiostal), 
ligamento periodontal, suturas, superfície dos ossos 
longos. 
13. COMO É OBSERVADO A BOA 
HARMONIA ENTRE MAXILA E 
MANDIBULA? 
É observado a partir das telerradiografias, comparando 
com a base do crânio, sendo considerada uma estrutura 
estável, a partir da cefalometria. 
14. QUAIS VARIÁVEIS AFETAM O 
CRESCIMENTO FÍSICO? 
Hereditariedade, nutrição, enfermidades, raça, clima, 
físico adulto, fatores socioeconômicos, exercícios, 
tamanho da família. 
15. QUAIS PODEM SER OS TIPOS DE 
DADOS OBTIDOS POR MEDIDADAS 
QUANTITATIVAS EM UM ESTUDO? 
Dados diretos: medidas feitas diretamente no indivíduo. 
Dados indiretos: medidas feitas em um modelo, 
radiografias ou telerradiografias. Dados inferidos: é a 
diferença entre medidas tomadas em épocas diferentes. 
16. EM UM ESTUDO DE UM 
CRESCIMENTO DE UMA POPULAÇÃO, 
QUAIS SÃO OS METODOS PARA 
COLIGIR (REUNIR) DADOS? 
Método longitudinal: tem como vantagem a variação 
individual, comparações com o próprio indivíduo, 
maior possibilidade de corrigir erros. Desvantagens que 
leva mais tempo, maior custo e pode ocorrer a perda do 
número de amostra (por demorar muito tempo, 
indivíduos podem se mudar ou desistir de participar da 
pesquisa). É utilizado para o estudo de uma determinada 
população através do surto puberal de crescimento. 
Método transversal: tem como vantagem a velocidade, 
menor custo e tamanho da amostra, não perdendo o 
número de amostras. Tem como desvantagens a 
suposição de que os