A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
ciclo do carbono

Pré-visualização | Página 1 de 1

O carbono se faz presente em todo o planeta: nos
sistemas aquáticos, na atmosfera, nos solos e na biota,
tendo função singular na composição da matéria
orgânica.
Na fotosíntese, há a conversão de dióxido de carbono
ou bicarbonato (HCO3-) em moléculas orgânicas. As
moléculas orgânicas feitas por seres fotossintetizantes
são passadas através de cadeias alimentares e,
a respiração celular converte o carbono orgânico de
volta em gás dióxido de carbono (CO2).
A concentração elevada de CO2 na atmosfera, no
entanto, agrava o efeito estufa, resultando no
descongelamento de geleiras e calotas polares e,
consequentemente, no aumento do nível do mar e
inundação das cidades litorâneas.
o ciclo
O carbono é inserido na cadeia alimentar dos animais
por meio de seres autótrofos (plantas e algas, por
exemplo), ou seja, aqueles capazes de produzir seu
próprio alimento. Assim, o dióxido de carbono presente
no ar é capturado e, pela fotossíntese, convertido em
um composto orgânico, a glicose.
A partir daí, seres heterótrofos (também conhecidos
como consumidores), à medida que se alimentam, fazem
a assimilação de componentes orgânicas, dos quais
retiram energia, bem como da molécula de carbono.
A fim de liberar a energia armazenada nas moléculas
constituídas por carbono, como os carboidratos, os
seres vivos vão decompondo a matéria através da
respiração celular. Por meio deste processo, os
carbonos presentes nas moléculas será liberado na
forma de gás carbônico.
Há, ainda, mais um grupo de seres que também atuam
no ciclo do carbono são os decompositores, como alguns
fungos e bactérias. Esses seres são responsáveis pela
liberação de compostos orgânicos e dióxido de carbono,
à medida que decompõem organismos mortos e
produtos residuais.
Outro mecanismo pelo qual o carbono é devolvido à
atmosfera é por meio dos combustíveis fósseis, como
petróleo, gás, turfa e carvão. Esses compostos são
formados por restos de seres vivos que morreram há
milhões de anos. Assim, ao serem queimados, o
carbono ali presente é devolvido para a atmosfera.
Além disso, o carbono pode também ter sua eliminação
a partir de atividade vulcânica.
efeito estufa
Fenômeno natural, resultante do
acúmulo de gases na atmosfera,
permitindo a passagem de raios
solares e maior retenção de calor
para o planeta, o que favorece a
existência de vida.
CO2
fotossíntese
https://pt.khanacademy.org/science/biology/photosynthesis-in-plants/introduction-to-stages-of-photosynthesis/v/photosynthesis
https://pt.khanacademy.org/science/biology/cellular-respiration-and-fermentation/intro-to-cellular-respiration/v/introduction-to-cellular-respiration
impactos do carbono
Atualmente, muitos cientistas estão preocupados com o
fato de que a concentração de CO2 atmosférico vem
crescendo de maneira consistente desde o início da
revolução industrial até os dias atuais, de cerca de 275
para 365 ppmv.
. Uma vez que o CO2 é um agravador do efeito estufa
— que absorve parte da radiação eletromagnética
emitida da superfície da Terra em direção à atmosfera
—, sua concentração aumentada na atmosfera
promove uma alteração climática em todo o planeta, o
aquecimento global. Assim, liberação de dióxido de
carbono pela poluição e desmatamento intensifica o que
antes era natural, transformando-o em um problema.
Esse aquecimento apresenta consequências trágicas,
que implicam em mudanças nos padrões de distribuição
e intensidade das chuvas, favorecendo secas ou
desabamentos; dificulta a formação de geleiras,além de
provocar o degelo das já existentes, o que favorece a
elevação do nível do mar, prejudicando as populações
que vivem em cidades costeiras.
Hoje, são liberadas na atmosfera 7 bilhões de toneladas
de carbono por ano. No entanto, apenas 4 bilhões de
toneladas são absorvidas pelos oceanos e florestas.
Com o fito de mitigar essa situação, existem ações que
visam neutralizar a presença do carbono pelo plantio de
árvore., considerando que elas são capazes de fixar o
gás diretamente da atmosfera.