A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
80 pág.
Gestão de Resíduos

Pré-visualização | Página 1 de 39

(&45°0�%&�3&4¶%604�/"
$0/4536±°0�$*7*-�
3FEVÎÍP
�3FVUJMJ[BÎÍP�F�3FDJDMBHFN
Apresentação
	 2
1.	Introdução	 4
2.	A	construção	civil	e	o	desenvolvimento	sustentável	 7
3.	Impacto	ambiental	da	cadeia	produtiva	da	construção	 10
3.1 Consumo de Recursos Naturais 10
3.2 Resíduos e Poluição 12
3.3 Alternativas para Redução do Impacto Ambiental 15
4.	A	construção	civil	e	as	perdas	 17
4.1 Entendendo o Conceito de Perdas 17
4.2 Classificação das Perdas 20
4.3 Perdas x Geração de Resíduos 26
5.	Diretrizes	para	gerenciamento	de	resíduos	da	construção	 28
5.1 A Resolução 307 do CONAMA 28
5.2 Organização, Limpeza e Segregação de Resíduos 32
5.3 Acondicionamento dos Resíduos 35
5.4 Sinalização dos Dispositivos 42
5.5 Transporte Interno dos Resíduos 43
5.6 Destinação Responsável 44
5.7 Normas Brasileiras para a Gestão de Resíduos 48
5.8 Envolvimento das Pessoas para uma Gestão Eficiente 51
6.	A	racionalização	como	ferramenta	para	a	redução	da	geração	de	resíduos	 53
6.1 Procedimentos Gerais 56
6.2 Os Times de Racionalização 57
6.3 Desenvolvimento da Metodologia 58
6.4 Exemplo de Racionalização R1 em um Canteiro de Obras 66
6.5 Projeto e Planejamento 76
6.6 Organização do Canteiro 77
7.	A	reciclagem	na	cadeia	produtiva	da	construção	 80
7.1 Vantagens da Reciclagem 81
7.2 Barreiras da Reciclagem de RCD no Brasil 81
7.3 Exemplos da Reciclagem de RCD no Brasil 81
8.	Metodologia	para	implantação	da	gestão	de	resíduos	no	canteiro	 84
8.1 Objetivos do Programa 84
8.2 Seqüência das Atividades 85
8.3 Qualificação dos Agentes Envolvidos 96
9.	Considerações	finais	 99
Apresentação
	 2
1.	Introdução	 4
2.	A	construção	civil	e	o	desenvolvimento	sustentável	 7
3.	Impacto	ambiental	da	cadeia	produtiva	da	construção	 10
3.1 Consumo de Recursos Naturais 10
3.2 Resíduos e Poluição 12
3.3 Alternativas para Redução do Impacto Ambiental 15
4.	A	construção	civil	e	as	perdas	 17
4.1 Entendendo o Conceito de Perdas 17
4.2 Classificação das Perdas 20
4.3 Perdas x Geração de Resíduos 26
5.	Diretrizes	para	gerenciamento	de	resíduos	da	construção	 28
5.1 A Resolução 307 do CONAMA 28
5.2 Organização, Limpeza e Segregação de Resíduos 32
5.3 Acondicionamento dos Resíduos 35
5.4 Sinalização dos Dispositivos 42
5.5 Transporte Interno dos Resíduos 43
5.6 Destinação Responsável 44
5.7 Normas Brasileiras para a Gestão de Resíduos 48
5.8 Envolvimento das Pessoas para uma Gestão Eficiente 51
6.	A	racionalização	como	ferramenta	para	a	redução	da	geração	de	resíduos	 53
6.1 Procedimentos Gerais 56
6.2 Os Times de Racionalização 57
6.3 Desenvolvimento da Metodologia 58
6.4 Exemplo de Racionalização R1 em um Canteiro de Obras 66
6.5 Projeto e Planejamento 76
6.6 Organização do Canteiro 77
7.	A	reciclagem	na	cadeia	produtiva	da	construção	 80
7.1 Vantagens da Reciclagem 81
7.2 Barreiras da Reciclagem de RCD no Brasil 81
7.3 Exemplos da Reciclagem de RCD no Brasil 81
8.	Metodologia	para	implantação	da	gestão	de	resíduos	no	canteiro	 84
8.1 Objetivos do Programa 84
8.2 Seqüência das Atividades 85
8.3 Qualificação dos Agentes Envolvidos 96
9.	Considerações	finais	 99
GESTÃO	DE	RESÍDUOS	NA	CONSTRUÇÃO	CIVIL
4
GESTÃO	DE	RESÍDUOS	NA	CONSTRUÇÃO	CIVIL
5
Apresentação
O Projeto Competir, oriundo de um Ajuste Complementar ao Acordo de Cooperação Técnica entre os Governos do 
Brasil e da Alemanha, foi aprovado para ajudar a transformar a realidade das empresas de pequeno porte, tornando-
as mais produtivas e com maior competitividade, infl uindo no desenvolvimento econômico da Região Nordeste. A 
execução do Projeto foi delegada, pelo lado brasileiro ao SENAI e ao SEBRAE e, pelo lado alemão a GTZ (Deutsche 
Gesellschaft Technische Zusammenarbeit).
A primeira fase do projeto, iniciada em 1996 e concluída em 2000, teve como foco a qualifi cação de técnicos do 
SENAI e do SEBRAE visando o atendimento às empresas na introdução de programas de qualidade de vários 
setores industriais. Já na segunda fase, que durou de 2001 a 2005, o Projeto passou a assessorar Cadeias e 
Arranjos Produtivos, sob uma visão regional da competitividade, abrangendo os 9 estados do Nordeste. Procurou-
se apoiar o desenvolvimento produtivo regional através da promoção do diálogo e da cooperação entre os agentes 
locais e regionais relevantes, buscando a sinergia entre fornecedores, prestadores de serviços, entidades de apoio, 
produtores fi nais e o comércio.
Desde janeiro de 2005 o Projeto Competir integra o Programa “Desenvolvimento Regional no Nordeste do Brasil, 
voltado para o Combate à Pobreza” e, mais especifi camente, o componente “Fomento Regional à Geração de 
Emprego e Renda”.
Dentre os diversos produtos do Projeto Competir, que estão à disposição da comunidade empresarial nos 
Departamentos Regionais do SENAI do Nordeste, bem como no SEBRAE, encontra-se o Programa de Gestão de 
Resíduos na Construção Civil, do qual faz parte este material.
Vale ressaltar que este material foi desenvolvido no âmbito do Projeto Estratégico PJ-NE 0597 “Gerenciamento 
Integrado de Resíduos da Construção Civil: Redução, Reciclagem e Reutilização como Alternativa Sustentável para 
Gestão dos Resíduos Classe A” do SENAI - Departamento Nacional. Este projeto contou com a participação dos 
Departamentos Regionais do SENAI da Bahia, Ceará, Pernambuco e Sergipe.
Esta publicação foi preparada para ser utilizada como instrumento de consulta. Possui informações que são 
aplicáveis de forma prática, no dia-a-dia do profi ssional ligado à construção civil, apresentada através de uma 
linguagem simples e de fácil assimilação. Possibilita, de forma efi ciente, o aperfeiçoamento dos profi ssionais do 
setor no que se refere à gestão dos resíduos resultantes da atividade construtiva.
Este trabalho apresenta diversos temas e aspectos relacionados à gestão de resíduos na construção civil, ao longo 
de seus nove capítulos. O primeiro capítulo introduz o tema; o capítulo 2 aborda a questão do desenvolvimento 
sustentável atrelado à construção civil e o terceiro capítulo trata da forma como a indústria da construção impacta 
o meio ambiente. 
No capítulo 4 são abordadas as perdas geradas pelos processos de construção, salientando-se como estas perdas 
podem ser classifi cadas. No quinto capítulo, apresentam-se as diretrizes para se promover o gerenciamento 
de resíduos na construção, dando destaque à Resolução 307 do CONAMA, que estabelece diretrizes, critérios 
e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. São citadas algumas normas brasileiras que 
tratam especifi camente dos resíduos sólidos da construção no tocante às áreas de transbordo, triagem, aterro e 
reciclagem e uso dos agregados reciclados. Ainda nesse capítulo, é mencionada a necessidade de se promover o 
envolvimento das pessoas para se conseguir uma gestão efi ciente.
No sexto capítulo são apresentadas algumas ferramentas que podem ser aplicadas de forma simples e efi caz para 
auxiliar o processo de redução da geração de resíduos e de forma mais específi ca a racionalização no canteiro 
de obras. Já no sétimo capítulo, aborda-se a reciclagem na cadeia produtiva da construção civil, as principais 
vantagens, as barreiras encontradas e boas práticas de reciclagem existentes no Brasil. No penúltimo capítulo é 
apresentada a metodologia implementada no âmbito do Projeto Competir para implantação da gestão de resíduos 
nos canteiros de obra.
O último capítulo sintetiza as principais idéias do Programa: a importância da não geração de resíduos, da gestão 
diferenciada dos resíduos nos canteiros de obra e da necessidade de minimizar os impactos sócio-ambientais, 
preservar recursos naturais e melhorar a qualidade de vida nas áreas urbanas. 
Com esta publicação, o Projeto Competir objetiva contribuir com a melhoria da qualidade e da competitividade das 
empresas de pequeno porte do Nordeste e, conseqüentemente, com o desenvolvimento da