A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Tutorial: Biomecânica do Quadril e Coxa

Pré-visualização | Página 3 de 5

nos ramos anteriores dos nervos espinais L2–L4 do plexo lombar no abdome (pelve maior) e entra na pelve menor. Segue no tecido adiposo extraperitoneal ao longo da parede lateral da pelve até o canal obturatório, uma abertura na membrana obturadora que preenche o forame obturado. Aí, ele se divide nas partes anterior e posterior, que deixam a pelve através desse canal e suprem os músculos mediais da coxa. Nenhuma estrutura pélvica é suprida pelo nervo obturatório.
TRONCO LOMBOSSACRAL 
Na margem da pelve, ou imediatamente superior a ela, a parte descendente do nervo L4 une-se ao ramo anterior do nervo L5 para formar o tronco lombossacral espesso, semelhante a um cordão. O tronco segue inferiormente, na face anterior da asa do sacro, e se une ao plexo sacral.
Este plexo está situado na parte posterior do músculo psoas maior, anteriormente aos processos transversos das vértebras lombares. É formado pelos ramos ventrais dos três primeiros nervos lombares e pela maior parte do quarto nervo lombar (L1, L2, L3 e L4) e um ramo anastomótico de T12, dando um ramo ao plexo sacral. L1 recebe o ramo anastomótico de T12 e depois fornece três ramos que são o Nervo Ílio-hipogástrico, o Nervo Ílio-inguinal e a Raiz Superior do Nervo Genitofemoral. L2 se trifurca dando a raiz inferior do Nervo Genitofemoral, a Raiz Superior do Nervo Cutâneo Lateral da Coxa e a Raiz Superior do Nervo FemoraL. L3 concede a Raiz Inferior do Nervo Cutâneo Lateral da Coxa, a Raiz Média do Nervo Femoral e a Raiz Superior do Nervo Obturatório. L4 fornece o ramo anastomótico a L5 e em seguida se bifurca dando a Raiz Inferior do Nervo Femoral e a Raiz Inferior do Nervo Obturatório.
PLEXO SACRAL 
O plexo sacral está situado na parede posterolateral da pelve menor. Os dois principais nervos originados no plexo sacral, os nervos isquiático e pudendo, situam-se externamente à fáscia parietal da pelve. A maioria dos ramos do plexo sacral sai da pelve através do forame isquiático maior. 
O nervo isquiático é o maior nervo do corpo. É formado quando os grandes ramos anteriores dos nervos espinais L4–S3 convergem na face anterior do músculo piriforme. Quando se forma, o nervo isquiático atravessa o forame isquiático maior, geralmente inferior ao músculo piriforme, para entrar na região glútea. A seguir, desce ao longo da face posterior da coxa para suprir a face posterior da coxa e toda a perna e o pé.
O nervo pudendo é o principal nervo do períneo e o principal nervo sensitivo dos órgãos genitais externos. Acompanhado pela artéria pudenda interna, sai da pelve através do forame isquiático maior entre os músculos piriforme e isquiococcígeo. A seguir, curva-se ao redor da espinha isquiática e do ligamento sacroespinal e entra no períneo através do forame isquiático menor. O nervo glúteo superior deixa a pelve através do forame isquiático maior, superiormente ao músculo piriforme para suprir músculos na região glútea. O nervo glúteo inferior sai da pelve através do forame isquiático maior, inferiormente ao músculo piriforme e superficialmente ao nervo isquiático, acompanhando a artéria glútea inferior. Ambos dividem-se em vários ramos que entram na face profunda do músculo glúteo máximo sobrejacente.
PLEXO COCCÍGEO 
O plexo coccígeo é uma pequena rede de fibras nervosas formadas pelos ramos anteriores de S4 e S5 e os nervos coccígeos. Situa-se na face pélvica do músculo isquiococcígeo e supre este músculo, parte do músculo levantador do ânus e a articulação sacrococcígea. Os nervos anococcígeos originados nesse plexo perfuram o músculo isquiococcígeo e o corpo anococcígeo para suprir uma pequena área de pele entre a extremidade do cóccix e o ânus.
MOVIMENTOS DO QUADRIL 
Embora os movimentos do fêmur sejam devidos principalmente à rotação que ocorre na articulação do quadril, a cintura pélvica (cíngulo do membro inferior) tem uma função semelhante à da cintura escapular no posicionamento da articulação do quadril para o movimento eficiente dos membros. Ao contrário da cintura escapular, a pelve é uma estrutura única não articulada, mas ela pode girar em todos os três planos de movimento. A pelve facilita o movimento do fêmur girando de modo que o acetábulo fique posicionado na direção do movimento femoral a ser realizado. Por exemplo, a inclinação pélvica posterior, com a espinha ilíaca anterossuperior inclinada para trás em relação ao acetábulo, posiciona a cabeça do fêmur na frente do osso do quadril para facilitar a flexão. Do mesmo modo, a inclinação pélvica anterior facilita a extensão femoral e a inclinação pélvica lateral na direção do lado oposto facilita os movimentos laterais do fêmur. O movimento da cintura pélvica também é coordenado com certos movimentos da coluna vertebral 
FLEXÃO 
Os seis músculos principais responsáveis pela flexão do quadril são aqueles que cruzam anteriormente a articulação: Mm. ilíaco, psoas maior, pectíneo, reto femoral, sartório e tensor da fáscia lata. Desses, o grande M. ilíaco e o M. psoas maior – também chamados conjuntamente de iliopsoas devido à sua inserção comum no fêmur – são os principais flexores do quadril. O M. iliopsoas sofre hipertrofia tanto no lado dominante quanto no lado não dominante em tenistas e jogadores de futebol profissionais, com hipertrofia maior no lado não dominante em tenistas e hipertrofia igual nos dois lados em jogadores de futebol. Como o M. reto femoral é um músculo biarticular ativo tanto durante a flexão do quadril quanto durante a extensão do joelho, ele funciona mais efetivamente como flexor do quadril quando o joelho está em flexão, como quando uma pessoa chuta uma bola. O músculo sartório delgado com formato de fita, também chamado de músculo do costureiro, é também um músculo biarticular. Estendendo-­se desde a espinha ilíaca anterossuperior até a parte medial da tíbia logo abaixo da tuberosidade, o sartório é o músculo mais longo do corpo.
EXTENSÃO 
Os extensores do quadril são o M. glúteo máximo e os três isquiotibiais – o M. bíceps femoral, o M. semitendíneo e o M. semimembranáceo. O M. glúteo máximo é um músculo carnoso, potente, que em geral está ativo apenas quando o quadril está em flexão, como durante a subida em uma escada ou na pedalagem, ou na extensão do quadril contra uma resistência. Os isquiotibiais apresentam tendões proeminentes, que podem ser palpados facilmente na face posterior do joelho. Esses músculos biarticulares contribuem tanto para a extensão do quadril quanto para a flexão do joelho e estão ativos na posição em pé, na caminhada e na corrida.
ABDUÇÃO
O M. glúteo médio é o principal abdutor do quadril, com a ajuda do M. glúteo mínimo. Esses músculos estabilizam a pelve durante a fase de apoio da marcha e da corrida e quando um indivíduo se apoia sobre uma perna. Por exemplo, quando o peso corporal é sustentado pelo pé direito durante uma caminhada, os abdutores do quadril direito contraem isométrica e excentricamente para evitar que o lado esquerdo da pelve seja puxado para baixo pelo peso do membro inferior esquerdo, que balança. Isso permite que o membro esquerdo se mova livremente durante a fase de balanço. Se os bdutores do quadril forem muito fracos para realizar essa função, ocorre inclinação lateral da pelve e o pé arrasta durante o balanço em cada passo durante a marcha. Os abdutores do quadril também estão ativos durante a realização de movimentos de balé clássico a partir da abdução do quadril. 
ADUÇÃO 
Adutores do quadril são os músculos que cruzam a articulação medialmente e incluem os Mm. adutor longo, adutor curto, adutor magno e grácil. Os adutores do quadril estão ativos durante a fase de balanço do ciclo da marcha para trazer o pé abaixo do centro de gravidade do corpo para o posicionamento durante a fase de apoio. Durante a subida de escadas e ladeiras, os adutores estão ainda mais ativos. O M. grácil é uma fita muscular longa, relativamente delgada, que também contribui para a flexão da perna no joelho. Os outros três músculos adutores também contribuem para a flexão e a rotação lateral do quadril, particularmente quando

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.